Risos, farsas e farelos – o teatro vicentino e seu texto didascálico

Jéssica Cristina Jardim

Resumo


A farsa de Quem tem farelos? (1515), do dramaturgo português Gil Vicente
(1460?-1536?), situa-se no dualista Renascimento Ibérico, que ainda continha claros
resquícios medievais. Dualista, porque situado entre o religioso e o profano, entre
as línguas castelhana e portuguesa, entre o antropocentrismo e o teocentrismo,
entre diferentes concepções do cômico. As implicações dessa situação podem ser
observadas tanto nos aspectos risíveis da farsa, quanto em sua estruturação cênica.
Nosso objetivo é, aqui, a partir desses elementos, ensaiar algumas possibilidades de
compreensão na farsa citada, centrando-nos em seus textos ditos primário (falas)
e secundário (didascálias), principalmente neste último, a partir das reflexões de
Regino (2000) e Ramos (2001).


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.