A concepção de língua do professor de língua estrangeira e seus reflexos na aula de FLE

Miriam Miranda Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar os reflexos da
concepção de língua do professor de FLE na sua prática em sala
de aula e saber se as atividades praticadas têm uma influência
na apropriação dos conteúdos pelos alunos nas suas práticas
em classe. Para isso, servimo-nos da observação de duas
aulas de FLE em um centro de ensino de línguas estrangeiras
de Pernambuco. A partir de autores Courtillon (2003) e
Marcuschi (2009) acerca do ensino de língua, observamos o
desenvolvimento dessas aulas a fim de encontrar elementos
que pudessem nos ajudar a seguir com o objetivo proposto
nesse trabalho. Os resultados mostraram-nos que um
professor que apoia seu trabalho na sua concepção de língua
enquanto atos de fala e que faz da sala de aula um laboratório
de atividades de comunicação oral consegue fazer com que
seus alunos tomem a palavra e com que eles desenvolvam
suas competências linguísticas.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.