Variedades do Enativismo: Propostas radicais e cognição superior

Jeferson Diello Huffermann

Resumo


Desde os anos noventa do século XX um programa de pesquisa interdisciplinar que transpassa a filosofia, a psicologia cognitiva, a inteligência artificial, robótica corporificada e a linguística vem ganhado espaço sob a alcunha de Enativismo (Enactvism). Apresentar e contextualizar abordagens enativistas mais radicais à cognição superior é o objetivo do presente texto. Uma motivação significativa para uma atitude positiva ao enativismo é o sucesso de explicações do fenômeno perceptual da visão que enfatizam o caráter ativo da percepção. A partir de uma certa leitura enativista pode-se defender que a percepção visual é um tipo de cognição básica (não-representacional), que pode ser explicada de modo relacional, a partir das habilidades do agente cognitivo engajado em um determinado ambiente e suas características. De modo que a percepção é deveras aproximada, senão identificada, com um saber-fazer. Um panorama do enativismo e suas variedades é traçado de modo a entender as perspectivas anti-representacionalistas; com isso é possível abordar o tratamento dado, de uma perspectiva radical, aos contextos que a princípio demandam apelo à noção de representação em sua explicação (contextos do que se pode chamar cognição superior). As variedades são o autointitulado enativismo radical (REC), o enativismo autopoiético e o enativismo sensório-motor. Após a exposição, encerra-se discutindo alguns problemas e possibilidades de avanço da agenda radical à explicação da cognição superior.

Palavras-chave


Filosofia das Ciências Cognitivas. Enativismo Autopoiético. Enativismo Sensório-Motor. Enativismo Radical. Cognição Superior.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Jeferson Diello Huffermann