Classificação do Estado de Goiás e do Distrito Federal segundo o Sistema de Zonas de Vida de Holdridge (Classification of Goiás State and the Federal District according to the Holdridge Life Zones System)

Alexandre Dal Forno Mastella, Severo Ivasko Júnior, Andressa Tres, Alexandre França Tetto, William Thomaz Wendling, Ronaldo Viana Soares

Resumo


É imprescindível que se tenha conhecimento das condições climáticas de uma região para execução de diversas atividades. Entre as classificações climáticas mais conhecidas, a de Köppen é a mais usual. Porém, Leslie R. Holdridge elaborou um sistema de classificação no qual são determinadas zonas de vida, as quais representam associações ecológicas semelhantes. O objetivo da presente pesquisa foi classificar o clima dos municípios de Goiás e o Distrito Federal segundo Holdridge, comparando-os com o mapa de vegetação do referido estado elaborado pelo IBGE e com o mapa da classificação climática de Köppen. Mediante uma base de dados elaborada por Alvares et al. (2013), foram extrapolados valores de precipitação e temperatura para os 246 municípios de Goiás e o Distrito Federal. Aliado ao cálculo da biotemperatura e relação de evapotranspiração potencial, juntamente com o estabelecimento da região latitudinal e piso altitudinal local, foram determinadas as zonas de vida. Os resultados mostraram duas zonas de vida para a área de estudo: floresta úmida tropical premontana (99,4% do território), correlacionada 96,88% com o clima Aw; e floresta seca/floresta úmida tropical basal, correlacionada 100% com o clima Aw. A biotemperatura foi a variável que diferiu para dois municípios localizados no extremo norte do estado, possibilitando o surgimento da zona de vida floresta seca/floresta úmida tropical basal, que correspondeu a 0,6% do território. O emprego do sistema de classificação climática de Holdridge foi adequado para classificar o clima de Goiás e do Distrito Federal pois correspondeu com a classificação de Köppen e com a vegetação.

Palavras-chave: climatologia, biotemperatura, cerrado, vegetação.

 

 

 

A B S T R A C T

It is essential to have knowledge of the climatic conditions of a region to carry out various activities. Among the best-known climatic classifications, Köppen's climate classification is the most usual. However, Leslie R. Holdridge has developed a classification system in which are determined the life zones, which represent similar ecological associations. The aim of this research was to classify the climate of the municipalities of Goiás and the Federal District according to Holdridge, comparing them with the vegetation map of the state prepared by the IBGE and with the climate classification map of Köppen. Using a database developed by Alvares et al. (2013), precipitation and temperature values were extrapolated to the 246 municipalities of Goiás and the Federal District. Ally with the calculation of biotemperature and relation of potential evapotranspiration, jointly with the establishment of the latitudinal region and local altitudinal levels, the life zones were determined. The results showed two life zones for the study area: tropical premontane moist forest (99.4% of the territory) correlated 96.88% with the Aw climate; and tropical dry forest/moist forest correlated 100% with the Aw climate. Biotemperature was the variable that differed for two municipalities located in the extreme north of the state, which allowed the appearing of the tropical dry forest/moist forest life zone that corresponded to 0.6% of the territory. The use of the Holdridge climate classification system was adequate to classify the Goiás and the Federal District climate because it corresponded to the classification of Köppen and to the vegetation.

Key-words: climatology, biotemperature, cerrado, vegetation.

 


Palavras-chave


climatologia; biotemperatura; cerrado; vegetação

Texto completo:

PDF

Referências


Abdala, K. de O., Ribeiro, F. L., 2011. Análise dos impactos da competição pelo uso do solo no estado de Goiás durante o período 2000 a 2009 provenientes da expansão do complexo sucroalcooleiro. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, 65, 4, 373-400.

Alencar, L. P. de, Mantovani, E. C., Bufon, V. B., Sediyama, G. C., Silva, T. G. F. da., 2014. Variação temporal dos elementos climáticos e da evapotranspiração de referência (ETo) em Catalão, Goiás, no período de 1961 – 2011. Revista Brasileira de Geografia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, 18, 8, 826-832.

Almeida, R. A., Pinto, D. B. F., Primo, D. F., Sena, F. R., Santos, D. M., 2018. Análise espacial e temporal das chuvas médias mensais e anuais na bacia hidrográfica do Rio Mucuri. Revista Engenharia na Agricultura, Viçosa, 26, 4, 370-382.

Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C., Gonçalves, J. L. M., Sparovek, G., 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, 22, 6, 711-728.

Alves, E. D. L., 2016. Variabilidade climática no estado de Goiás, Brasil: o caso da precipitação. Geografia em questão, Marechal Cândido Rondon, 9, 2, 26-35.

Ayoade, J. O., 2010. Introdução à climatologia para os trópicos. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 179 p.

Costa, H. C., Marcuzzo, F. F. N., Ferreira, O. M., Andrade, L. R., 2012. Espacialização e sazonalidade da precipitação pluviométrica do estado de Goiás e Distrito Federal. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, 1, 87-100.

Derguy, M. R., 2017. Clasificación ecológica para la república argentina a partir del modelo de zonas de vida de Holdridge: mapeo, caracterización y tendências de cambio. Cartografías del sur, 6, 140-151.

Dias Cardoso, M. R., Marcuzzo, F. F. N., Barros, J. R., 2012. Caracterização da temperatura do ar no estado de Goiás e no Distrito Federal. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, 11, 8, 119-134.

_______________., 2014. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, Boa Vista, 8, 16, 40-55.

Eloi, C. M. A., 2001. Enquadramento das ‘zonas de vida’ de Holdridge na classificação climática de Minas Gerais. Tese (Magister Scientiae) –

Programa de Pós-graduação em Meteorologia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 71p.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2018. Clima. Disponível: . Acesso: 20 mai. 2018.

GOVERNO DE BRASÍLIA. Geografia. Disponível: . Acesso: 17 nov. 2018.

Holdridge, L. R., 1967. Life zone ecology. San José: Tropical Science Center, 124 p.

_______________., 2000. Ecologia basada em zonas de vida. San José, Costa Rica: Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura, 216 p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, Manual técnico da vegetação brasileira, 2 ed., Rio de Janeiro, 271 p.

_______________., 2018a. Panorama. Disponível:

. Acesso: 26 out. 2018.

_______________., 2018b. Panorama. Disponível: . Acesso: 18 nov. 2018.

IMB. Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos., 2004. Clima. Disponível em:

. Acesso em: 20 maio 2018.

_______________., 2014. Atlas do estado de Goiás, Governo de Goiás, Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento, Goiânia, 98 p.

Lopes, I., Leal, B. G., 2015. Índice de aridez e tendência a desertificação para estações meteorológicas nos estados da Bahia e Pernambuco, 17, 155-172.

Malheiros, R. A., 2016. Influência da sazonalidade na dinâmica da vida no bioma Cerrado. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, 19, 113-128.

Marinho, H. M. A., Cândido, L. M., Cândido, S. de A., Daltro, O., Jaudi, L. M. R., Camargo, E J., Yoshida, P. S., 2016. Análise econômica da evolução do agronegócio em Mato Grosso no período de 1990 a 2010. Revista Faipe, Cuiabá, 6, 1, 13-24.

Milano, M. S., Brassiolo, M. M., Soares, R. V., 1987. Zoneamento ecológico experimental do estado do Paraná segundo o sistema de zonas da vida de Holdridge. Revista Floresta, Curitiba, 17, 1, 65-72.

Nascimento, D. T. F., Souza Neto, J. M., Nunes, L. C., 2015. Definição dos anos-padrão para o estudo da pluviometria do estado de Goiás e do Distrito Federal. Brazilian Geographical Journal, Ituiutaba, 6, 1, 272-290.

Nogueira, A. C., Kuniyoshi, Y. S., Soares, R. V., 1987. Zonas de vida para o estado de Santa Catarina segundo a classificação das formações vegetais de Holdridge. Floresta, Curitiba, 17, 1/2, 103-112.

Oliveira, I. J. de., 2014. Chapadões descerrados: relações entre vegetação, relevo e uso das terras em Goiás. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, 34, 2, 311-336.

Penereiro, J. C., Martins, L. L. S., Beretta, V. Z., 2015. Identificação de tendências sazonais dos regimes climático e hidrológico na bacia hidrográfica dos rios Tocantins e Araguaia, Brasil. Revista Geográfica Acadêmica, Boa Vista, 9, 1, 52-72.

Rigonato, V. D., Almeida, M. G. de., 2003. As fitofisionomias e a interrelação das populações tradicionais com o bioma Cerrado. In: Cultura, conhecimento popular e uso das espécies nativas pelos pequenos agricultores do Cerrado, projeto de pesquisa financiado pelo Programa Centro Oeste de Pesquisa e Pós-Graduação – POCPG/CNPq 2001 – 2003. IESA/UFG, Goiânia, 15 p.

Reboita, M. S., Rodrigues, M., Silva, L. F., Alves, M. A., 2015. Aspectos climáticos do estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, 17, 206-226.

Soares, R. V., Batista, A. C., Tetto, A. F. 2015. Meteorologia e climatologia florestal. Curitiba, 215 p.

Tres, A., 2016. Classificação climática para o Brasil segundo as zonas de vida de Holdridge. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) –Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 90 p. Disponível: . Acesso: 02 mai. 2018.

Toledo, C. E. de., Moraes, E. E., 2018. Levantamento e atualização dos sistemas de irrigação por pivô central instalados nos municípios de Paraúna e Palmeiras de Goiás. Revista Engenharia na Agricultura, Viçosa, 26, 3, 277-283.

Torres, F. T. P., Machado, P. J. de O., Introdução à climatologia. 2008. Ubá: Ed. Geographica, Série Textos Básicos de Geografia, 234 p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.2.p443-456

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License