A vegetação de cerrado e a sua relação com a quiropterofauna no entorno da cavidade natural subterrânea “Toca do Inferno”, no leste do estado do Maranhão, Brasil (Cerrado vegetation and its relation to the chiropterofauna in the surroundings of the underground natural cavity "Toca do Inferno", in the east of Maranhão state, Brazil)

Claudio Urbano Bittencourt Pinheiro, Bianca dos Santos Fernandes

Resumo


A caverna “Toca do Inferno”, localizada no município de Barão de Grajaú, na região leste do estado do Maranhão, representa a maior cavidade natural subterrânea identificada no estado, sendo um importante abrigo para morcegos e demais animais nesta área de cerrado da região. Este estudo objetivou caracterizar e avaliar a vegetação de entorno e sua importância para a sustentabilidade do ecossistema regional. No levantamento fitossociológico foram amostrados 802 indivíduos pertencentes a 66 espécies vegetais formadas basicamente por cerrado arbóreo. Em relação a quiropterofauna, foram identificadas 16 espécies que contribuem consideravelmente com o aporte de nutrientes para a caverna, favorecendo a polinização e disseminação de sementes, que ajuda na manutenção e na regeneração da vegetação. A consulta aos moradores revelou a percepção local em relação à caverna e ao ambiente em geral. A maioria não concebe a caverna como um elemento importante para a região. Ficou evidente a necessidade de atividades relacionadas à educação ambiental para demonstrar a relevância e interação destes elementos.

 

 

 

A B S T R A C T

The cave “Toca do Inferno”, located in the municipality of Barão de Grajaú, east region of state of Maranhão, represents the major natural underground cavity in the state, important shelter for bats and others animals in this region of cerrado vegetation. This study aimed to characterize and to evaluate the surroundin vegetation and its importance to the ecosystem sustainability. A socioenvironmental analysis was developed in communities surrounding the cave. In the phytosociological inventory, 802 individuals, belonging to 66 plant species of arboreous cerrado were sampled. About the bat fauna, 16 species were identified. Besides to aid in pollination and seed dispersion, the bats help in the maintenance and restoration of the cerrado vegetation. The interviews with local dwellers were essential to analyze the perception about the environment and the cave. A greater number of local people does not perceive the cave as an important element to the region. It is clear the necessity of activities related to environmental education to demonstrate the relevance and interaction between these elements.

Keywords: Vegetation, Cerrado, Caves, Conservation.

 


Palavras-chave


Vegetação; Cerrado; Cavernas; Conservação

Texto completo:

PDF

Referências


Adámoli, J., Fukuhara, H., Silva, J. A. 1983. Aplicação de técnicas de sensoriamento remoto no estudo de queimadas em pastagens nativas da região dos cerrados. Planaltina, DF: EMBRAPA-CPAC, 811-820p. (EMBRAPA. CPAC, Documentos, 16).

Anderson, A. B., Posey, D. A. 1985. Manejo de cerrado pelos índios Kayapó. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Botânica. Vol 2(1): 77-98p.

Auler, A., Zozbi, L. 2005. Espeleologia: noções básicas. São Paulo: Redespeleo Brasil. 104p.

Barr, T. C., Holsinger, J. R. 1985. Speciation in cave faunas. Ann. Rev. Ecol. Syst. 16, 313-337p.

Bernardi, L. F. O., Pellegrini, T. G. Taylor, E. L. S., Ferreira, R. L. 2012a.Uma análise de horizontes sobre a conservação de morcegos no Brasil. In: T. R. O. Freitas e E. M. Vieira (ed.) Mamíferos do Brasil: Genética, Sistemática, Ecologia e Conservação. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Mastozoologia. Vol II. 19-35p.

Bernardi, L. F. O., Pellegrini, T. G. Taylor, E. L. S., Ferreira, R. L. 2012. Aspectos ecológicos de uma caverna granítica no sul de Minas Gerais. Espeleo-Tema. Campinas – SP. V. 23, N. 1. 5-12p.

Bernacki, P., Waldorf, D. 1981. Snowball Sampling: Problems and Techniques of Chain Referral Sampling.Sociological Methods and Research 10:141–163.

Braun-Blanquet, J. B. 1979. Fitosociología: base para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume. 829p.

Bredt, A. (et al) 1998. Morcegos em Áreas Urbanas e Rurais: Manual de Manejo e Controle. 1ª edição. Silva, D. M. et al. (colaboração). Brasília: Fundação Nacional de Saúde. 117p.

Bredt, A., Uieda, W., Magalhães, E. D. 1999. Morcegos cavernícolas da região do Distrito Federal, centro-oeste do Brasil (Mammalia, Chiroptera). Revista Brasileira de Zoologia. 16(3). 731-770p.

Bredt, A., Uieda, W., Pedro, W. A. 2012. Plantas e morcegos: na recuperação de áreas degradadas e na paisagem urbana. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado. 273p.

Bulhão, C. F, Figueiredo, P. S. 2002. Fenologia de leguminosas arbóreas em uma área de cerrado marginal no nordeste do Maranhão. Revista Brasileira de Botânica. V. 25, N. 3. 361-369p.

Carvalho, F. A. 2012. O Estado de Conservação do patrimônio Espeleológico Brasileiro. In: Cavalcanti, L. F. et al (organizadores). Plano de ação nacional para a conservação do patrimônio espeleológico nas áreas cársticas da Bacia do rio São Francisco. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Instituto Chico Mendes, 17-62p. (Série Espécies Ameaçadas nº 27).

Conceição, G. M., Castro, A. A. J. F. 2009. Fitossociologia de uma área de cerrado marginal, Parque Estadual do Mirador, Mirador, Maranhão. Scientia Plena. Vol. 5, Num. 10. 1-16p.

Donato, C. R., Ribeiro, A. S. 2011. Caracterização dos impactos ambientais de cavernas do município de Laranjeiras, Sergipe. Caminhos de Geografia. Uberlândia, v. 12, n. 40. 243-255p.

Figueiredo, N., Andrade, G. V. 2007. Estrutura e composição florística da vegetação de um Cerradão. In: Barreto, L. (Org.). Cerrado Norte do Brasil. Pelotas, RG: USEB. 141-156p.

Figueiredo, P. S. 2008. Fenologia e estratégias reprodutivas das espécies arbóreas em uma área marginal de cerrado, na transição para o semi-árido no nordeste do Maranhão, Brasil. Revista Trópica – Ciências Agrárias e Biológicas. V. 2, N. 2, 8-22p.

França, H., Ramos Neto, M. B., Setzer, A. 2007. O Fogo no Parque Nacional das Emas., v. 27. MMA, 140p (Série Biodiversidade).

Gardner, A. L (ed). 2007. Mammals of South America: marsupials, xenarthrans, shrews and bats. Volume 1. The University of Chicago Press, Chicago, 690p.

Goodwin, R. E. 1970. The ecology of Jamaican bats. Journal of Mammalogy. V. 51, N. 3, 571-579p.

Guerra, A. J. T, Cunha, S. B. 2007. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 7ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 472p.

Henriques, R. P. B. 2005. Influência da história, solo e fogo na distribuição e dinâmica das fitofisionomias no bioma do Cerrado. In: Scariot, A.; Sousa-Silva, J. C.; Felfili, J. M. (organizadores). Cerrado: Ecologia, Biodiversidade e Conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente,73-92p.

IBGE. Cidades. 2010. RJ: IBGE. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/link.php?uf=ma. Acesso em: 26 abr. 2012.

Lino, C. F., Allievi, J. 1980. Cavernas Brasileiras. São Paulo: Comp. Melhoramentos de São Paulo, Indústrias de Papel, 168p.

Lino, C. F. 1989. Cavernas: O fascinante Brasil subterrâneo. São Paulo: Editora Rios, 279p.

Lopes, S. F., Vale, V. S.; Schiavini, I. 2009. Efeito de Queimadas sobre a Estrutura e Composição da Comunidade Vegetal Lenhosa do Cerrado Sentido Restrito em Caldas Novas, GO. Revista Árvore. Viçosa – MG, v.33, n.4, p.695-704.

Lorenzi, H. 2008. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1, 5 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 384p.

MARANHÃO. Geplan. 2002. Atlas do Maranhão. LABGEO – UEMA. São Luís: GEPLAN, 39p.

Marra, R. J. C. 2008. Critérios de Relevância para Classificação de Cavernas no Brasil. 393p. Tese de doutorado (Centro de Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, UNB.

Medeiros, J. D. 2011. Guia de campo: vegetação do Cerrado 500 espécies. – Brasília: MMA/SBF, 532p.

Miranda, H. S., Sato, M. N. 2005. Efeitos do fogo na vegetação lenhosa do cerrado. In: Scariot, A.; Sousa-Silva, J. C.; Felfili, J. M. (organizadores). Cerrado: Ecologia, Biodiversidade e Conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 93-105p.

Oliveira-Filho, A. T., Ratter, J. A. 2002. Vegetation physiognomies and woody flora of the cerrado biome. In: Oliveira, P. S; Marquis, R. J. (eds.). The cerrados of Brazil. Ecology and Natural History of a Neotropical Savana. Columbia University Press, New York, 91-120p.

Piló, L. B.; Auler, A. 2011. Introdução à espeleologia. In: Carvalho, S. C. (org.). III Curso de espeleologia e licenciamento ambiental. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas, 7-24p.

Pina, S. M. S. 2011. O uso do Habitat por morcegos em sistemas naturais e agroflorestais na savana brasileira. 57p. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental). Universidade de Lisboa.

PROJETEC. 2009. Estudo de Impacto Ambiental AHE Cachoeira. Análise integrada, impactos, prognósticos e planos ambientais, v. IV, 297p.

Reis, N. R. dos. 1982. Sobre a Conservação dos Morcegos. Semina, 3(10), 107-109p.

Reis, N. R. dos [et al.]. 2007. Morcegos do Brasil. Londrina: UEL, 253p.

Ricklefs, R. E. 2010. Economia da Natureza. 6 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 572p.

SAS, Institute Inc. 2010. JMP, Statistics and Graphics Guide, Version 10.1., (Computer software and manual).

Schaeffer-Novelli, Y., Cintrón, G. 1986. Guia para estudos de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. São Paulo, Caribbean Ecological Research, 150p. + apêndices.

Silva, H. G., Figueiredo, N., Andrade, G. V. 2008. Estrutura da vegetação de um cerradão e a heterogeneidade regional do cerrado no Maranhão, Brasil. Revista Árvore, Viçosa – MG, v. 32, n. 5, 921-930p.

Silva, M. S., Ferreira, R. L. 2009. Estrutura das comunidades de invertebrados em cinco cavernas insulares e intertidais na costa brasileira. Espeleo-Tema. Campinas, SP. v. 20, n. ½, 25-36p.

Trajano, E., Bichuette, M. E. 2006. Biologia Subterrânea: introdução. São Paulo: Redespeleo, 92p.

Travassos, L. E. P., Guimarães, R. L., Varela, I. D. 2008. Áreas Cársticas, cavernas e a estrada real. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas. Campinas 1(2). 107-120p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1431-1448

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License