Coletas botânicas na zona costeira do estado do Maranhão, nordeste do Brasil.

Claudio Urbano Bittencourt Pinheiro

Resumo


A área costeira do estado do Maranhão representa, em grande parte, a diversidade ambiental, em especial vegetacional, do Brasil, pela sua extensão e posição geográfica transicional entre o Nordeste e o Norte do país. Este estudo pretendeu levantar, catalogar, analisar e classificar as espécies vegetais da flora de formações costeiras do estado do Maranhão presentes nas coleções e bancos de dados de jardins botânicos. Foram levantadas as espécies vegetais da zona costeira do Maranhão presentes nas coleções dos seguintes jardins botânicos: New York Botanical Garden, Bronx, NY, USA; Smithsonian Institution, Washington, DC, USA; Royal Botanic Gardens (KEW, UK); e Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ, Brasil). As seguintes informações foram extraídas: a) número total de espécies nas quatro instituições, por município costeiro do estado; b) espécies mais coletadas e menos coletadas; c) tipologias de vegetação nas áreas coletadas; d) espécies mais representativas nas tipologias de vegetação; e) formas de crescimento das espécies coletadas; f) distribuição temporal das coletas e das espécies coletadas; g)  presença e ausência de espécies em faixas temporais das coletas botânicas. Os dados coletados e as diferentes abordagens nas análises mostraram, no geral, que a área territorial estadual é insuficientemente coletada, com baixo número de coletas, além de temporalmente mal representadas. O estudo resume a realidade vegetal maranhense nos acervos das principais instituições botânicas do mundo e do Brasil.

 

Botanical records of coastal formations in Maranhão, northeastern Brazil

 

A B S T R A C T

The coastal area of the state of Maranhão represents, to a large extent, the environmental diversity, especially the plant diversity, of Brazil, due to its extension and transitional geographical position between the Northeast and the North regions of the country. This study aimed to survey the plant species of the flora from coastal plant formations in the state of Maranhão present in the collections and databases of botanical gardens. Plant species from the coastal zone of Maranhão in the collections of the following botanical gardens were surveyed: a) New York Botanical Garden, Bronx, NY, USA; b) Smithsonian Institution, Washington, DC, USA; Royal Botanic Gardens (KEW, UK); and Botanical Garden of Rio de Janeiro (JBRJ, Brazil). The following information were extracted: a) total number of species in the four institutions, by institution, by coastal state municipality; b) more collected species and less collected species; c) types of vegetation in the areas collected; d) more representative species in types of vegetation; e) forms of growth of the species collected; f) temporal distribution of collections and species collected; g) presence or absence of species in collection time frames. The data collected and the different approaches from the analysis showed, in general, that state territorial area is insufficiently collected, with a low number of collections, in addition to collections that are temporally poorly represented. This study summarizes Maranhão’s plant reality in the collections of the main botanical institutions of the world and Brazil.

Keywords: botanical collections, herbarium, Maranhão.


Palavras-chave


Coletas Botânicas, Herbários, Maranhão.

Texto completo:

PDF

Referências


Araujo, E.P.; Espig, S.A.; Parente Junior, J.W.C. 2004. Estudo das Unidades de Paisagem da Ilha do Maranhão: delimitação e dinâmica: Anais. São José dos Campos: INPE, 2005. p. 2607-2610. CD-ROM, On-line. ISBN 85-17-00018-8. (INPE-12691-PRE/7981). Disponível em: http://urlib.net/ltid.inpe.br/sbsr/2004/11.20.22.41>. Acesso em: 17 jul. 2006.

CIRM. 1990. Comissão Interministerial para os Recursos do Mar.1990. 2º Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGCII). RESOLUÇÃO CIRM Nº 01, DE 21 DE NOVEMBRO DE 1990 (D.O.U. de 27/11/90). Brasília: MMA.

Eskinazi-Leça, E.; Barros, H. M. 2000. Síntese Global e recomendações. In: Barros, H. M.; Eskinazi-Leça, E.; Macedo, S. J.; Lima, T. Gerenciamento Participativo de Estuários e Manguezais. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2000. cap. 16, p. 239-252.

Feitosa, A.C., 1989. Evolução Morfogenética do Litoral Norte da Ilha do Maranhão. Rio Claro, UNESP: 210p. Dissertação de Mestrado.

Feitosa, A.C.; Christofoletti, A. C. F. E. A, 1993. Caracterização geomorfológica das praias do litoral norte do município de São Luís Ma. In: V Simpósio de Geografia Física Aplicada, São Paulo. V Simpósio de Geografia Física Aplicada - Anais. São Paulo: USP, 1993. v. 1: 231-236.

IBGE. IBGE Cidades. 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: http://www.ibge.gov.br /cidadesat/link.php?uf=ma. Acesso: 26-04-2015.

Mania, L. F.; Assis, M. A. 2008.Processo de informatização do Herbário Rioclarense (HRCB) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Rio Claro, SP, e sua

inclusão num sistema de rede. Rev. Ciênc. Ext. v.4, n.1, p.8.

MARANHÃO. 2003. Zoneamento Costeiro do Estado. SEAGRO/IICA, UFMA, UEMA. São Luís.

MARANHÃO. 2002. GEPLAN. Atlas do Maranhão. LABGEO – UEMA. São Luís: GEPLAN, 39p.

Muniz, F. H. 2006. A vegetação da região de transição entre a Amazônia e o Nordeste: diversidade e estrutura. In: Emanoel Gomes de Moura. (Org.). Agroambientes de transição entre o Trópico Úmido e o Semi-árido do Brasil: atributos, alterações e uso na produção familiar. 2 ed. São Luís: Programa de Pós-graduação em Agroecologia/UEMA, v. 1, p. 53-69.

Peixoto, A. L; Barbosa, M. R. V; Canhos, D. A. L.; Maia, L. C. 2009. Coleções Botânicas: objetos e dados para a ciência. Cultura Material e Patrimônio de C&T: 315-326.

Pinheiro, C. U. B. 2019. O uso de dados de coletas botânicas em estudos de diversidade e conservação vegetal.nas zonas costeiras das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física v.12, n.04, 1449-146.

Pinheiro, C. U. B.; Araujo, N. A.; Arouche G. C. 2010. Plantas Úteis do Maranhão: Região da Baixada Maranhense. Editora Aquarela, 260p.

Pinheiro, C. U. B. 2013. Matas Ciliares: Recuperação e Conservação em Áreas Úmidas do Maranhão. Editora Aquarela. 192p.

Resende, M. L. F.; Guimarães, L.L. 2007. Inventários da Biodiversidade do Cerrado: Biogeografia de Plantas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ribas, L. A.; Hay, J. D.; Caldas-Soares, J. F. 1994. Moitas de restinga: Ilhas ecológicas. In: ACIESP (org.). 3o Simpósio sobre Ecossistemas da Costa Brasileira. Anais v. 2. p. 79-88.

Rizzini, C. T.; Coimbra Filho, A. F. 1988. Ecossistemas brasileiros/Brazilian ecosystems. Rio de Janeiro: Indez, p. 50-69.

SAS, Institute Inc., Cary. 2010. North Carolina. JMP, Statistics and Graphics Guide, Version 10.2. (Computer software and manual).

SEMATUR. 1991. (Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Turismo do Maranhão). Diagnóstico dos principais problemas ambientais do Estado do Maranhão. São Luís, 193 p.

SUDEMA, 1970. Superintendência do Desenvolvimento do Maranhão. Novo Zoneamento do Estado do Maranhão. São Luís.

Thiers, B. 2014. Índice Herbariorum: Um diretório global de herbários pública e pessoal associado. Herbário Virtual do Jardim Botânico de Nova Iorque. http://sweetgum.nybg.org/ih/. Acesso em: 07/01/2016.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p3006-3024

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License