Levantamento e mapeamento da ocorrência, identificação de espécies e avaliação de ambientes infestados por plantas invasoras na ilha de São Luís, Maranhão (Survey and mapping of the occurrence, identification of species and evaluation of environments infested by invasive plants in the island of São Luís, Maranhão)

Claudio Urbano Bittencourt Pinheiro, Jairo Fernando Pereira Linhares

Resumo


Uma espécie exótica invasora é definida como uma planta estranha que se propaga naturalmente em habitats naturais ou seminaturais, produzindo mudanças na composição, estrutura ou nos processos dos ecossistemas. No Brasil, os registros da dimensão do problema são deficientes, embora várias espécies já sejam consagradas como invasoras. No Maranhão, não havia nenhum estudo sobre espécies vegetais invasoras, embora registros e observações indiquem invasões em variados ambientes. Na ilha de São Luís, a invasão de áreas por um número de espécies tem se tornado aparente, com muitos pontos das áreas dos municípios invadidos por espécies vegetais introduzidas. Este estudo teve como objetivo principal levantar, identificar, quantificar e mapear as espécies invasoras vegetais na ilha de São Luís. Foram localizadas e identificadas cinco espécies invasoras principais que vêm ocupando e modificando ambientes na ilha de São Luís. São elas: 1) Leucena - Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. (Fabaceae); 2) Amendoeira - Terminalia cattapa L. (Combretaceae); 3) Fios de Ouro - Cuscuta racemosa Mart. (Convolvulaceae); 4) Saco de Velho - Calotropis procera (Aiton) W. T. Aiton (Apocynaceae); 5) Acácia Australiana - Acacia mangium Willd. (Fabaceae). Estas cinco espécies invasoras foram localizadas e amostradas em 420 pontos nos quatro municípios da ilha. As áreas invadidas foram amostradas com relação às espécies invasoras e também em relação às espécies acompanhantes principais. Imagem aérea da ilha de São Luís foi utilizada para localizar as formações vegetais e produzir um mapa de distribuição das espécies invasoras na ilha de São Luís.

 

 

 

A B S T R A C T

An alien invasive species is defined as a strange plant that propagates naturally in natural or semi-natural habitats, producing changes in the composition, structure or processes of ecosystems. In Brazil, records of the scale of the problem are deficient, although several species are already known as invasive. In Maranhão there were no studies on invasive plant species, although records and observations indicate invasions in various environments. On the island of São Luís, invasion by a number of species has become apparent, with many areas of the municipalities invaded by introduced plant species. The main objective of this study was to identify, quantify and map the invasive plant species on the island of São Luís. Five main invasive species were located and identified that have been occupying and modifying environments on the island of São Luís: 1) Leucena - Leucaena leucocephala (Lam.) De Wit. (Fabaceae); 2) Amendoeira - Terminalia cattapa L. (Combretaceae); 3) Fios de Ouro - Cuscuta racemosa Mart. (Convolvulaceae); 4) Saco de Velho - Calotropis procera (Aiton) W. T. Aiton (Apocynaceae); 5) Acacia Australiana - Acacia mangium Willd. (Fabaceae). These five invasive species were located and sampled at 420 sites in the four municipalities of the island. The invaded areas were sampled in relation to the invasive species and also in relation to the main accompanying species. An aerial image of the island of São Luís was used to locate plant formations and to produce a distribution map of the invasive species on the island of São Luís.

Keywords: Invasive Species, Sampling, Mapping, São Luís, Maranhão


Palavras-chave


Espécies Invasoras, Amostragem, Mapeamento, São Luís, Maranhão.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, U. P. de 2002. Introdução à Etnobotânica. Edições Bagaço. Recife, PE 87p.

Ashigh, J. & Marquez, E. E. 2010. Dodder (Cuscuta spp.) Biology and Management. NM State University.

Biernacki, P.; Waldorf, D. 981. Snowball Sampling: Problems and Techniques of Chain Referral Sampling. Sociological Methods and Research. 1; 10:141–163.

Braun-Blanquet, J.B. 1979. Fitosociología: base para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 829p.

CATIE. 1992. Mangium (Acacia mangium Willd) Especie de Árbol de Uso Múltiple em América Central. Turrialba: CATIE, 56 p. (Colección de Guias Silviculturales, 5).

Castillo, S. A.; Moreno-Casasola, P. 1996. Coastal Sand Dune Vegetation: an Extreme Case of Species Invasion. Journal of Coastal Conservation, vol. 2, p. 13-22.

Cepan, 2009. Contextualizacao sobre Especies Exoticas Invasoras. Dossiê Pernambuco. Recife, Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste.

IUCN. 2000. IUCN Guidelines for the prevention of biodiversity loss caused by alien invasive species. 51st Meeting of Council, February.

Lanini, W.T.; Kogan, M. 2005. Biology and management of Cuscuta in crops. Cienca e Investigacion Agraria, 32, 165-179

Leão, T.C.C.; Almeida, W.R.; Dechoum, M.S. & Ziller, S.R. 2011. Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil: Contextualização, Manejo e Políticas Públicas. CEPAN. 99p.

MARANHÃO. 2002. GEPLAN. Atlas do Maranhão. LABGEO – UEMA. São Luís: GEPLAN, 39p.

McNeely, J. A.; Mooney, H. A.; Neville, L. E.; Schei, P. J.; 1983. National Research Council. Mangium and other fast-growing acacias for the humid tropics. National Academy Press, Washington D.C. 62 p.

Medeiros, R.B.; Focht, T.; Freitas, M.R. et al. 2006. Longevidade de sementes de capim-annoni-2 enterradas em solo de campo natural. In: REUNIÃO DO GRUPO TÉCNICO EM FORRAGEIRAS DO CONE SUL GRUPO CAMPOS, 21., Pelotas. Palestras e Resumos. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas.

Old, K. M.; See, L. S.; Sharma, J. K.; Yuan, Z. Q. 1996. A manual of diseases of tropical acacias in Australia, South-East Asia and India. CIFOR, Indonesia. 2000. 104 Rejmánek, M.; Richardson, D.M. What attributes make some plant species more invasive? Ecology, v. 77, n. 6, p. 1655-1661.

Reis, J.C.L. 1993. Capim annoni-2: Origem, Morfologia, Características, Disseminação In: REUNIÃO REGIONAL DE AVALIAÇÃO DE PESQUISA COM ANNONI-2, 1991, Bagé. Anais. Bagé: EMBRAPA-CPPSUL, p.5-23. EMBRAPA-CPPSUL. Documentos, 7.

Richardson, D.M.; Higgins, S.I. 1998. Pines as invaders in the southern hemisphere. In: Richardson, D.M. (ed.) Ecology and biogeography of Pinus, Cambridge: Cambridge University Press, p. 450-473.

Romais, D. K.; Neto, J.G.; Zenni, R. D.; Ribeiro, R. C.; Ziller, S. R. 2005. Resultados Preliminares do Informe Nacional de Espécies Exóticas Invasoras. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS, Brasília. Anais.

Schaeffer-Novelly, Y.; Cintrón, G. 1986. Guia para estudos de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. São Paulo, Caribbean Ecological Research, 150p. + apêndices.

Souza, R. F de. 2013. Sustentabilidade Socioambiental x Desenvolvimento no Socioecossistema de São Luís – MA: Uma Análise da Expansão da Cidade e suas Consequências sobre os Serviços Ambientais e a Qualidade de Vida. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Maranhão. Departamento de Oceanografia e Limnologia. Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade de Ecossistema, 132p.

Waage, Jeffrey K. 2001. Global Strategy on Invasive Alien Species. Gland, Switzerland: IUCN, 50p.

Ziller, S. R. 2000. O Processo de Degradação Ambiental Originado por Plantas Exóticas Invasoras. Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental.

Ziller, S.R. 2001. Plantas exóticas invasoras: a ameaça da contaminação biológica. Ciência hoje 30(178): 77-79.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1484-1508

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License