Composição florística da regeneração de um trecho de savana na Amazônia Oriental

Ana Caroline de Souza Campos, Mário Augusto Gonçalves Jardim

Resumo


O objetivo da pesquisa foi conhecer a composição florística da regeneração natural de um trecho de savana amazônica no estado do Pará. O estudo foi realizado em uma savana na localidade de Itapuá, município de Vigia de Nazaré, Pará a 93 km da cidade de Belém. A coleta de dados ocorreu mensalmente no período de setembro de 2019 a fevereiro de 2020 em 80 subparcelas de 1 x 1m alocadas aleatoriamente correspondente a 480 subparcelas em um total de 480 m2. Em cada subparcela foram identificadas e quantificadas todas as espécies com altura ≤ 1 m. A identificação botânica in loco foi realizada por um parabotânico do Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG. A organização das famílias foi de acordo com APG IV e caracterizada em família, gênero, espécie e forma de vida e calculada a média aritmética e desvio padrão com auxílio do Programa Bioestat 5.0. Foram registradas 36 famílias, 73 gêneros e 99 espécies. Fabaceae (14), Poaceae (13), Cyperaceae (9), Myrtaceae (7) e Dilleniaceae (6) foram representativas em número de espécies. Paspalum registrou o maior número de espécies (5) seguido por Chamaecrista, Myrcia  e Scleria (4) e Axonopus, Borreria, Byrsonima, Davilla, Doliocarpus, Eriosema, Eugenia, Miconia, Ouratea, Polygala e Rhynchospora (2). A forma de vida dominante foi de Erva com 40 espécies, Arbusto (21) e Árvore (20). A savana de Itapuá apresentou riqueza de 99 espécies, 36 famílias e 73 gêneros estando acima que outras savanas amazônicas cujas espécies estiveram distribuídas nas famílias Fabaceae, Poaceae e Cyperaceae. O gênero Paspalum com o maior número de espécies juntamente com outras caracterizou a forma herbácea como a dominante. Este foi o primeiro registro de espécies regenerantes e suas formas de vida em uma savana amazônica. Com base nesses conhecimentos, outras iniciativas devem ser buscadas para outras manchas de savanas visando mostrar a importância da conservação destes ambientes que ultimamente vem sofrendo ampla degradação na Amazônia.

 

 

Floristic composition of the regeneration of a stretch of savanna in the Eastern Amazon

 

A B S T R A C T

The savannas are Amazonian and represent an ecological potential for use in several aspects, especially for traditional communities, however, they are suffering forest, environmental and human losses.The objective of the research was to know the floristic composition of the natural regeneration of a stretch of Amazonian savanna in the state of Pará. The study was carried out in the savanna of Itapuá, municipality of Vigia de Nazaré, Pará wich 93 km from the city of Belém. Data collection occurred monthly from September 2019 to February 2020 in 80 1 x 1m subplots randomly allocated corresponding to 480 subplots and a total of 480 m2. In each subplot, all species with height ≤ 1 m were identified and quantified. The botanical identification in loco was carried out by a parabotan from the Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG. The organization of the families was in accordance with APG IV and characterized in family, genera, species and way of life and calculated the arithmetic mean and standard deviation for families and life forms with the aid of the Bioestat 5.0 Program, 36 families, 73 genera and 99 species were registered, Fabaceae (14), Poaceae (13), Cyperaceae (9), Myrtaceae (7) and Dilleniaceae (6) were representative in number of Paspalum registered the largest number of species (5) followed by Chamaecrista, Myrcia and Scleria (4) and Axonopus, Borreria, Byrsonima, Davilla, Doliocarpus, Eriosema, Eugenia, Miconia, Ouratea, Polygala and Rhynchospora (2). Dominant life form was Herb with 40 species, Shrub (21) and Tree (20). It was concluded that the Itapuá savanna presented a richness of 99 species in comparison to other Amazonian savannas distributed in the Fabaceae, Poaceae and Cyperaceae families. Paspa lum with the largest number of species together with others characterized the herbaceous form as the dominant one. This was the first record of regenerating species and their life forms in an Amazonian savanna. Based on this knowledge, other initiatives should be sought for other savanna patches in order to show the importance of conserving these environments, which lately has been undergoing extensive degradation in the Amazon.

Keywords: Lower stratum; way of life; conservation.

Palavras-chave


Estrato inferior, Forma de vida, Conservação.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, M.D., Silva, A.C., Higuchi, P., Negrini, M., Schollemberg, A. L., 2017. Similaridade entre adultos e regenerantes do componente arbóreo em floresta com araucária. Floresta e Ambiente 24, 1–10. DOI: 10.1590/2179-8087.083214.

Albuquerque, J.A.A., Santos, T.S., Castro, T.S., Evangelista, M.O., Alves, J.M.A., Soares, M.B.B., Menezes, P.H.S., 2017. Estudo florístico de plantas daninhas em cultivos de melancia na savana de Roraima, Brasil. Scientia Agropecuaria 8, 91-98. DOI: 10.17268/sci.agropecu.2017.02.01.

Amaral, D.D., Rocha, A.E.S., Pereira, J.L.G., Costa-Neto, S.V., 2019. Identificação dos subtipos de savanas na Amazônia oriental (Pará e Amapá, Brasil) com uma chave dicotômica de individualização. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Nat. 14, 183-195.

Amaral, D.D., Jardim, M.A.G., Costa-Neto, S.V., Bastos, M.N.C., 2015. Síndromes de dispersão de propágulos e a influência da floresta amazônica na composição de espécies lenhosas de uma restinga no litoral norte brasileiro. Biota Amazônia 5, 28-37. DOI: 10.18561/2179-5746/biotamazonia.

Andrade, F.N., Lopes, J.B., Barros, R.F.M., Lopez, C.G.R., Souza, H.S., 2019. Composição florística e estrutural de uma área de transição entre cerrado e caatinga em assentamento rural no município de Milton Brandão-PI, Brasil. Sci. For. 47, 203-215. DOI: doi.org/10.18671/scifor.v47n122.04.

APG. Angiosperm Phylogeny Group IV., 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society 181, 1-20. DOI: 10.1111/boj.12385.

Ayres M., Ayres Junior M., Ayres D.L., Santos A.S., 2007. Bioestat 5.0 - Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. ONG Mamiraua, Belém, PA. 364p.

Braga, E.O., Jardim, M.A.G., 2019. Florística, estrutura e formas de vida do estrato inferior de uma floresta ombrófila densa aluvial, Pará, Brasil. Ciência Florestal 29, 1048-1055. DOI: 10.5902/1980509821834.

Braga, E.O., Jardim, M.A.G., 2016. Edaphic and climatic relation and its influence on the composition floristic lower stratum in a floodplain forest, Pará, Brazil. Revista Árvore 40, 901-910 DOI:10.1590/0100-67622016000500014.

Braga, E.O., Silva, J.A.F., Pantoja, M.V., Jardim, M.A.G., 2015. Florística, estrutura fitossociológica e formas de vida do estrato inferior em uma floresta de várzea Amazônica. Biota Amazônia 5, 59-65. DOI: 10.18561/2179-5746/biotaamazonia.

Carvalho, W.D., Mustin, K., 2017. The highly threatened and little known Amazonian savannahs. Nature Ecology and Evolution 1, 1-3. DOI:10.1038/s41559-017-0100.

Colmanetti, M.A.A., Shirasuna, R.T. Barbosa, L.M., 2015. Flora vascular não arbórea de um reflorestamento implantado com espécies nativas. Hoehnea 42, 725-735. DOI: 10.1590/2236-8906-26/RAD/2015.

Costa, J.P., Santos, L.C.S., Rios, J.M., Rodrigues, A.W., Neto, O.C., Dias, P.J., Vale, V.S., 2019. Estrutura e diversidade de trechos de Cerrado sensu stricto às margens de rodovias no estado de Minas Gerais. Ci. Fl. 29, 698-714. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826869.

Costa-Coutinho, J.M., Jardim, M.A.G., Castro, A.A.J.F., Viana Júnior, A.B., 2019. Conexões biogeográficas de savanas brasileiras: partição da diversidade marginal e disjunta e conservação do trópico ecotonal setentrional em um hotspot de biodiversidade. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 2406-2427. DOI: 10.26848/rbgf.v12.7.p2503-2521.

Feitosa, K.K.A., Vale Júnior, J.F., Schaefer, C.E.G.R., Sousa, M.I., Nascimento, P.P.R.R., 2016. Relações solo–vegetação em “ilhas” florestais e savanas adjacentes, no nordeste de Roraima. Ciência Florestal 26, 135-146. DOI: 10.5902/1980509821098.

Fernandes, D.A.J., Vitorino, M.I., Souza, P.J.O.P., Jardim, M.A.G., 2018. Efeito da radiação solar sobre a regeneração natural de manguezal em Cuiarana, Salinópolis, Pará. Revista Brasileira de Ciências Ambientais 49, 108-122. DOI: 10.5327/Z2176-947820180333.

Ferreira, R.Q.S., Camargo, M.O., Souza, P.B., Andrade, V.C.L., 2015. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi – TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. 10, 229-235. DOI: 10.18378/rvads.v10i1.2996.

Gomes, G.S., Silva, G.S., Conceição, G.M., 2017. Diversidade de leguminosas no cerrado do município de São João do Sóter, Maranhão, Brasil. Agrarian Academy, centro científico conhecer 4, 166-175. DOI:10.18677/agrarian_academy_2017a15.

Jardim, D.G., Jardim, M.A.G., Quaresma, A.C., Costa-Neto, S.V., 2016. Fatores edáficos e as variações florísticas da regeneração natural em duas formações florestais. Biota Amazônia 6, 66-72 DOI: 10.18561/2179-5746/biotaamazonia.

Lenza, E., Abadia, A.C., Menegat, H., Lúcio, N.W., Maracahipes-Santos, L., Mews, H.A., Santos, J.O., Martins, J., 2017. Does fi re determine distinct fl oristic composition of two Cerrado savanna communities on different substrates? Acta Botanica Brasilica 31, 250-259. DOI: 10.1590/0102-33062016abb0198.

Manjante, M.J., Massuque, J.Z., 2019. Composição florística e estrutura da vegetação da savana de Miombo em dois ambientes distintos no Distrito de Sanga, Norte de Moçambique. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais 10, 76-88. DOI: 10.6008/CBPC2179-6858.2019.001.0007.

Maracahipes-Santos, L., Santos, J.O., Reis, S.M., Lenza, E.,2018. Temporal changes in species composition, diversity, and woody vegetation structure of savannas in the Cerrado–Amazon transition zone. Acta Botanica Brasilica. 32, 254-263. DOI:10.1590/0102-33062017abb0316.

Mello, P.P.A.C., 2017. Análise florística e estrutural das savanas costeiras no Nordeste brasileiro. Tese (Doutorado). Recife (PE), Universidade Federal de Pernambuco.

Mello, I.S., Dias, G.S.D., Neto, G.G., 2015. Sinopse de Fabaceae – Caesalpinioideae para a flora de Mato Grosso, brasil. Biodiversidade 14, 43-49.

Missouri Botanical Garden, 2020. Disponível em: Acesso em: 01 fev. 2020.

Moura, R.F., Alves-Silva, E., Del-Claro, K., 2017. Patterns of growth, development and herbivory of Palicourea rigida are affected more by sun/shade conditions than by Cerrado phytophysiognomy. Acta Botanica Brasilica 31, 286-294. DOI: 10.1590/0102-33062016abb0446.

Mustin, K., Carvalho, W.D., Hilário, R.R., Costa-Neto, S.V., Silva, C.R., Vasconcelos, I.M., Castro, I.J., Eilers, V., Kauano, E.E., Mendes-Junior, R.N.G., Funi, C., Fearnside, P.M., Silva, J.M.C., Eulers, A.M.C., Toledo, J.J., 2017. Biodiversity, threats and conservation challenges in the Cerrado of Amapá, an Amazonian savana. Nature Conservation 22: 107–127. DOI: 10.3897/natureconservation.22.13823.

Oliveira, T.C.S., Silva, V.F., Sousa, V.F.S., Farias, R.R.S., Castro, A.A.J.F., 2019. Diversidade taxonômica e funcional em áreas de cerrado rupestre de baixa altitude no complexo vegetacional de Campo Maior, Nordeste do Brasil. Biota Amazônia 9, 1-5. DOI: 10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v9n2p1-5.

Paula, A., Martins, F.Q., Batalha, M.A.P.L., Rodrigues, R., Manhães, M.A., 2015. Riqueza, diversidade e composição florística em áreas de cerrado em regeneração e preservado na Estação Ecológica de Itirapina – SP. Ciência Florestal 25, 231-238. DOI: 10.1590/1980-509820152505231.

Pereira, I.M., Pinheiro, A.C., Oliveira, M.L.R., Otoni, T.J.O., Machado, E.L.M., 2014. Estrutura fitossociológica da regeneração natural de uma área de cerrado no município de Curvelo, MG. Enciclopédia Biosfera 10, 1619-1636.

Pereira, B.A.S., Venturoli, F., Carvalho, F.A. 2011. Florestas estacionais no cerrado: uma visão geral. Pesq. Agropec. Trop., Goiânia 41, 446-455. DOI: 10.5216/pat.v41i3.12666.

Rocha, A.E.S., Costa-Neto, S.V., 2019. Florística e fitossociologia do estrato herbáceo/arbustivo em 19 áreas de savanas amazônicas, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Naturais 14, 159-181.

Rocha, A.E.S., Miranda, I.S., Costa-Neto, S.V., 2014. Composição florística e chave de identificação das Poaceae ocorrentes nas savanas costeiras amazônicas, Brasil. Acta Amazonica 44, 301-314. DOI: 10.1590/1809-4392201305173.

Roquete, J.G., 2018. Distribuição da biomassa no cerrado e a sua importância na armazenagem do carbono. Ciência Florestal 28, 1350-1363. DOI: .5902/1980509833354.

Silva, G.E., Guilherme, F.A.G., Carneiro, S.E.S., Pinheiro, M.H.O., Ferreira, W.C., 2019. Heterogeneidade ambiental e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em três áreas de Cerrado sentido restrito no Sudoeste goiano. Ci. Fl. 29, 924-940. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509823788.

Silva, J.A.P., 2017. Sucessão secundária e distribuição de leguminosas em uma cronosequência de florestas do leste da Amazônia. Dissertação. Mestrado em Botânica Tropical/UFRA/MPEG. Belém. 46p.

Silva, W.L.S., Costa-Neto, S.V., Soares, M.V.B., 2015. Diversidade de leguminosae em savanas do Amapá. Biota Amazônia 5, 83-89. DOI:10.18561/2179-5746/biotaamazonia. v5n1p83-89.

Silva, W.L.S., Rocha, A.E.S., Santos, J.U.M., 2014. Leguminosae em savanas do estuário amazônico brasileiro. Rodriguésia 65, 329-353. DOI: 10.1590/S2175-78602014000200004.

Souchie, F.F., Pinto, J.R.R., Lenza, E., Gomes, L., Maracahipes-Santos, L., Silvério, D.V., 2017. Post-fire resprouting strategies of woody vegetation in the Brazilian savana. Acta Botanica Brasilica 31, 260-266. DOI: 10.1590/0102-33062016abb0376.

Souto, M.A.G., 2017. Dinâmica da regeneração natural de um cerrado stricto sensu no Nordeste do estado de São Paulo. Tese (Doutorado). Ribeirão Preto, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2777-2787

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License