Diagnóstico florístico e ambiental de um bosque de manguezal na Reserva Extrativista Chocoaré Mato Grosso, Santarém Novo, Pará, Brasil

Michel Augusto Santos, Rubens Ramos Dias, Mário Augusto Gonçalves Jardim

Resumo


O objetivo da pesquisa foi realizar o diagnóstico florístico e ambiental em um trecho de bosque de manguezal na Reserva Extrativista Chocoaré Mato Grosso, Santarém Novo, Pará. O estudo foi realizado em julho e agosto de 2019 em 10 parcelas de 10 m x 50 m, e mensurada altura e DAP ≥ 2,5 cm de todas as espécies arbóreas e calculados os parâmetros fitossociológicos de altura, diâmetro, frequência relativa, densidade relativa, área basal, dominância relativa, valor de cobertura e  valor de importância. O diagnóstico ambiental foi quatro comunidades (Vila de Pedrinhas, Sede, Vila de Pirateua, e Vila de Pacuja) e aplicados questionários semi-estruturados com questões abertas e fechadas sobre informações pessoais, percepção ambiental, uso do mangue e perguntas abertas)  para diferentes categorias (pescador, caranguejeiro, funcionário público, comunitários e estudantes). Foram registradas três famílias, três gêneros e três espécies distribuídas em 620 indivíduos com 447 de Rhizophora mangle L., 119 de Avicennia germinans (L.) Stearn e 54 de Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. Rhizophora mangle ocorreu em todas as parcelas, enquanto Laguncularia racemosa (tinteiro) em apenas cinco parcelas. No diagnóstico ambiental (DA) foram entrevistadas 30 pessoas e a comunidade de pedrinhas foi que obteve maior número de entrevistados devido utilizar com frequência o manguezal seguida por Santarém Novo com 11 entrevistados. No diagnostico ambiental a Resex se propicia de uma boa conservação. Os entrevistados mostraram-se preocupados com a conservação da UC para gerar uma harmonia entre homem e natureza buscando a sustentabilidade pesqueira daquele povo local, que também utiliza-se de outros recursos para complementar sua renda.

 

 

Floristic and environmental diagnosis of a mangrove forest in the Chocoaré Mato Grosso Extractive Reserve, Santarém Novo, Pará, Brazil

A B S T R A C T

The objective of the research was to carry out the floristic and environmental diagnosis in a stretch of mangrove forest in the Chocoaré Mato Grosso Extractive Reserve, Santarém Novo, Pará. The study was carried out in July and August 2019 in 10 plots of 10 mx 50 m, and height and DBH ≥ 2.5 cm of all tree species were measured and phytosociological parameters of height, diameter, relative frequency, relative density, basal area, relative dominance, cover value and importance value were calculated. The environmental diagnosis was applied to the residents of the municipality's headquarters, Vila de Pedrinhas, Vila de Pirateua and Vila de Pacuja) using semi-structured questionnaires with open and closed questions. Three families, three genera and three species were registered in 620 individuals with 447 of Rhizophora mangle L., 119 of Avicennia germinans (L.) Stearn and 54 of Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. Rhizophora mangle occurred in all plots, while Laguncularia racemosa (inkwell) in five plots. According to the environmental diagnosis, the pebble community uses the mangrove more frequently and claims that it is in a good state of conservation, generating harmony between man, nature and environmental sustainability.

Keywords: Phytosociology; Environmental perception; Knowledge.


Palavras-chave


Fitossociologia,Percepção ambiental,Conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, M. M. O. et al. 2006. Análise da composição florística e estrutura de um fragmento de bosque de terra firme e de um manguezal vizinhos na península de Ajuruteua, Bragança, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências da Terra, Belém 1, 27-34.

Abreu, M. M. O. 2007. Os manguezais da costa amazônica brasileira: uma análise da composição florística, distribuição de espécies arbóreas e estrutura de bosque. 115 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Ambiental) – Instituto de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Pará, Bragança.

Albuquerque, B. P. 2007. As relações entre o homem e a natureza e a crise socioambiental. Rio de Janeiro, RJ. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Almeida, S. S. 1996. Estrutura florística em áreas de manguezais paraenses: evidências da influência do estuário amazônico. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências da Terra 8, 93-100.

Bastos, M.N.C.; Santos, J.U.M. 2008. Caracterização e composição florística de ecossistemas naturais. In: Jardim,M.A.G. e Zoghbi, M.G.B. A flora da Resex Chocoaré-Mato Grosso (PA) diversidade e usos. Museu Paraense Emilio Goeldi. Coleção Adolpho Ducke, p.9-23.

Bastos, M. N. C. et al. 2001. Alterações ambientais na vegetação litorânea do nordeste do Pará. In: Prost, M. T. R. C.; Mendes, A. C. (Orgs.). Ecossistemas costeiros: impactos ambientais. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p. 29-38.

Bastos, M. N. C.; Lobato, L. C. B. 1996. Estudos fitossociológicos em áreas de bosque de mangue na praia do Crispim e Ilha de Algodoal – Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências da Terra 8, 157-167.

Brasil. Lei Federal n° 9.985 de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, par. 1°, incisos I, II, III, e VII da Constituição Federal. o art. 225, par. 1°, incisos I, II, III, e VII da Constituição Federal. Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 de julho de 2000, p.1. [online] 28 Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm Acesso: 06 Ago. 2019.

Carvalho, E. A; Jardim, M. A. G. 2019. Usos sociais do manguezal por comunidades tradicionais no estado do Pará, Brasil. Biota Amazônia 9, 43-46.

Carvalho, E. A; Jardim, M. A. G. 2017. Composição e estrutura florística em bosques de manguezais paraenses, Brasil. Ciência Florestal 27, 923-930.

Cientec. 2006. Software Mata Nativa 2, Sistema para análises fitossociológicas e elaboração de inventários e planos de manejo de florestas nativas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.

Cruz, M. S; Carmo, F. S. C; Pinheiro, M. C. V. 2018. Perfil socioeconômico e percepção ambiental de tiradores de caranguejo-uçá no município de São Caetano de Odivelas, Pará, Brasil. Nucleus Animalium 10, 35-41.

Clark, J. P.; Kenigan, A. R. 2000. Do forest gaps influence the population structure and species composition of mangrove stands in Northern Australia. Biotropica. 32, 642-652.

Delabie, J.H.C.; Paim, V.R.L.M.; Nascimento, I.C.; Campiolo, S.; Mariano, C.S.F. 2006. As formigas como indicadores biológicos do impacto humano em manguezais da costa sudeste da Bahia. Neotropical Entomology 35, 602-615.

Duke, N. C. 1992. Mangrove floristics and biogeography. In: Robertson, Alistar Ian & Daniel Michael Alongi (eds.). Tropical mangrove ecosystems. Washington: American Geophysical Union, 502 p.

Duke, N.C.; Ball, M.C.; Ellison, J.C. 2007. Factors influencing biodiversity and distributional gradients in mangroves. Global Ecology and BiogeographyLetters 7, 27-47.

Faure, J. F. 2001. Structure architecturales des palétuviers Avicennia germinans et Rhizophora mangle: éléments diagnostics de la dynamique des mangroves sur les rives du rio Marapanim (Etat du Pará, Brésil). In:

Prost, M. T. R. C.; Mendes, A. C. (Orgs.). Ecossistemas costeiros: impactos ambientais. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p. 51-54.

Ferreira, M. D; Lima, F. L; Cardoso, E. C. M. 2012. Percepção ambiental dos moradores do município de Curuçá, Pará, Brasil. III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Goiânia/GO – 19 a 22/11/2012. IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais. https://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2012/VII-040.pdf

Acesso:15 Out. de 2019

Fonseca, S. M.; Drummond, J.A. 2003. Reflorestamento de manguezais e o valor de resgate para o sequestro de carbono atmosférico. História, Ciências, Saúde 10, 1071-1081.

Galvani, E.; De Lima, N.G.B. 2011. Radiação solar acima e abaixo de dossel de manguezal na Barra Do Ribeira do Iguape, SP. Revista Geográfica Acadêmica 5, 59-67.

Gardunho, D. C. L. 2009. Atributos estruturais e fenologia dos manguezais da Reserva Extrativista Marinha de Soure, Ilha do Marajó, Pará. 69 f. Dissertação (Mestrado Biologia Ambiental) – Universidade Federal do Pará, Bragança.

Glaser, M.; Diele, K. 2005. Inter-relações entre o ecossistema manguezal, a economia local e a sustentabilidade social no Estuário do Caeté, Norte do Brasil. In: Glaser, M.; Cabral, N.; Ribeiro, A. L. (Orgs). Gente, ambiente e pesquisa: manejo transdisciplinar no manguezal, Belém: NUMA/ UFPA, 210p.

Gonçalves, J.C. 2008. Homem-natureza: uma relação conflitante ao longo da história. Saber acadêmico 6, 171- 177.

Gonçalves, A.L.; Cruz, V.M.S.; Campos, J.R.P.; Souza, D.V. 2018. Composição florística e fitossociológica do manguezal da zona portuária de São Luís, Maranhão, Brasil. BIOFIX Scientific Journal 3, 01-07.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 2015. Disponível em: . Acesso em: abril de 2015.

Krause, G.; Schories, D.; Glaser, M.; Diele, K. 2001. Spatial patterns of mangroves ecosystems: the bragantinian mangrove of Northern Brazil (Bragança, Pará). Ecotropica 7, 93-107.

Lacerda, L. D.; Diop, E. S. 1993. Conservation and sustainable utilization of mangrove forests in Latin America and Africa regions. International Society for Mangrove Ecosystems, Technical reports, v.2, ITTO TS-13, v.1. 220p.

Lourenço, B. F.; Blotta, K. D.; Pellatiero, V. M.; Rosendo, A.; Cruz, A. L.; Lima, P. S.; Junior, M. A. D. P.; Filho, J. I. S.; Giordano, F.; Magenta, M. A. G. 2017. Avaliação da densidade de vegetais adultos encontrados no Manguezal localizado no Parque da Serra do Guararu, Guarujá, São Paulo, Brasil. Unisanta BioScience 6, 41-50.

Maneschy, M. C. 2003. Pescadores nos manguezais: estratégias, técnicas e relações sociais de produção na captura de caranguejo. In: Furtado, L. G.; Leitão, W.; Mello, A. F. (Org) Povos das águas: realidades e perspectivas na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emıĺio Goeldi, 81p.

Marconi, M. A.; Lakatos, 2009. E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

Matni, A. S.; Menezes, M. P. M.; Mehlig; U. 2006. Estrutura dos bosques de mangue da península de Bragança, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Ciências Naturais, Belém 1, 43-52.

Mattos, P. P; Konig, A; Freire, F. A. M; Aloufa, M. A. I. 2012. Etnoconhecimento e percepção dos povos pesqueiros da Reserva Ponta do Tubarão acerca do ecossistema manguezal. Revista Brasileira de Biociências 10, 481-489.

May, H.P. 2010. Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. 2ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Medina, E.; Giarrizzo, T.; Menezes, M.P.M.; Carvalho, L.M.; Carvalho, E.A.; Peres, A.; Silva, A.B.; Vilhena, R.; Reise, A.; Braga, F.C. 2001. Mangal communities of the “Salgado Paraense”: ecological heterogeneity along the Bragança peninsula assessed through soil and leaf analysis. Amazoniana 16, 397- 416.

Menezes, M. P. M.; Berger, U.; Mehlig, U. 2008. Mangrove vegetation in Amazonia: a review of studies from the coast of Pará and Maranhão states, North Brazil. Acta Amazonica 38, 403-420.

Menezes, M. P. M.; Berger, U.; Costa Neto, S. V. 2000. Mangroves forest: species diversity and structure in the northen brasilian Bragança’s peninsula. In: APPLIED research on tropical ecosystem. Hamburgo: [s. n.],

Menezes, M. P. M.; Berger, U.; Worbes, M. 2008. Annual growth rings and long-term growth patterns of mangroves trees from the Bragança peninsula, North Brazil. Wetlands, Ecology and Management 11, 233-242.

Oliveira, M.V.; Maneschy, M.C.A. 2014. Territórios e territorialidades no extrativismo de caranguejos em Pontinha de Bacuriteua, Bragança, Pará. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum. 9, 129-143.

Sales, J. B. L.; Mehlig, U.; Nascimento, J. R.; Filho, F. F. R.; Menezes, M. P. M. 2009. Análise estrutural de dois bosques de mangue do rio Cajutuba, município de Marapanim, Pará, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi 4, 27-35.

Sathia, T.; Sekar, C. 2012. Mangrove Eco-system and their multifunctionalities: an analysis of the provisions of economic and environmental livelihoods to the fisherman communities in the south-east coast of India. Trends in Agricultural Economics 5, 31-47.

Schaeffer-Novelli, Y.; Cintrón, G. 1986. Guia para estudo de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. São Paulo: Caribbean Ecological Research.

Schaeffer-Novelli, Y.; Citrón-Molero, G.; Adaime, R. R.; Carmago, T. M. 1990. Variability of mangrove ecosystems along the Brazilian coast. Estuaries 13, 204-218.

Schaeffer-Novelli, Y.; Cintrón-Molero, G.; Soares, M. L. G.; De-Rosa, T. 2000. Brazilian mangroves. Aquatic Ecosystem Health and Management 3, 561-570.

Seixas, J. G. S.; Fernandes, M. E. B.; Silva, E. 2006. Análise estrutural da vegetação arbórea dos mangues no Furo Grande, Bragança, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Ciências Naturais 1, 61-69.

Seixas, J.A.S.; Fernandes, M.E.B.; Silva, E.S. 2006. Análise estrutural da vegetação arbórea dos bosques no Furo Grande, Bragança, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais 2, 35-43.

Silva, J.B. 2012. Sensoriamento remoto aplicado ao estudo do ecossistema manguezal em Pernambuco. Tese de Doutorado. 188p. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Silva, M. A. B.; Bernini, E.; Carmo, T. M. S. 2005. Características estruturais de bosques de mangue do estuário do rio São Mateus, ES, Brasil. Acta Botanica Brasilica 19, 465-471.

Silva, S. F. L.; Santos, M. A.; Pinto, F. L.; Bernini, E. 2016. Fitossociologia de uma floresta de mangue adjacente a uma planície hipersalina no estuário do Rio Miriri, Paraíba, Brasil. Revista Nordestina de Biologia 24, 3-12.

Silva; L..L; Fernandes; M. E. B. 2011. Relação entre os atributos estruturais das árvores de Avicennia germinans (L.) Stearn e sua fenologia reprodutiva. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia 24, 51-57.

Swaine, M. D.; Whitmore, T.C. 1988. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetatio 75, 81-86.

Terceiro, A. M; Santos, J. J; Correia, M. M. F. 2013. Caracterização da sociedade, economia e meio ambiente costeiro atuante à exploração dos manguezais no estado do Maranhão. Revista de Administração e Negócios da Amazônia 5, 6-14.

Tomlinson, P. B. 1986. The Botany of Mangroves. Cambridge: Cambridge University Press. 419 p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1080-1093

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License