O uso de dados de coletas botânicas em estudos de diversidade e conservação vegetal nas zonas costeiras das regiões Norte e Nordeste do Brasil (The use of data from botanical collections in studies of diversity and plant conservation in the coastal zones of the North and Northeast regions of Brazil)

Claudio Urbano Bittencourt Pinheiro

Resumo


Os herbários documentam a diversidade vegetal de determinada região ou país, funcionando como ferramentas para os estudos de plantas. Para este estudo, foram levantandos dados da flora costeira das regiões Norte e Nordeste do Brasil presentes nas coleções e bancos de dados do New York Botanical Garden (EUA), Smithsonian Institution (EUA), Royal Botanic Gardens (UK) e Jardim Botânico do Rio de Janeiro (Brasil). Foram coletados e analisados dados botânicos e ambientais obtidos das etiquetas de coletas botânicas em 232 municípios costeiros das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Os dados foram processados e analisados com o uso do software estatístico JMP, resultando em uma avaliação da terminologia de classificação da vegetação usada por coletores botânicos, da distribuição do número de espécimes e espécies coletadas nestas regiões, da distribuição espacial e temporal das coletas botânicas, além de uma avaliação da riqueza e da conservação de espécies com base nas informações das coleções botânicas. Os resultados mostraram falta de padrões para classificações e terminologias usadas por coletores, o que dificulta o uso dos dados em estudos mais amplos. Revelaram também baixa representatividade de espécies nos herbários em relação ao número de espécimes existentes, bem como um significativo desequilíbrio numérico, temporal e espacial nas coletas botânicas na área de estudo com distribuição irregular ao longo do espaço geográfico, produzindo áreas bem coletadas e áreas com grandes lacunas de coletas. Em geral, parece ser necessário um esforço mais coordenado, não somente entre instituições, mas também dentro de cada instituição, que resulte em coletas mais efetivas e mais bem distribuídas, em número, tempo e espaço.

 

 

 

A B S T R A C T

Herbaria document the plant diversity of a particular region or country, functioning as tools for plant studies. For this study, data were collected on the flora of the coastal formations of the North and Northeast of Brazil present in the collections and databases of the New York Botanical Garden (USA), Smithsonian Institution (USA), Royal Botanic Gardens (UK) and Botanical Garden of Rio de Janeiro (Brazil). Data were collected and analyzed from botanical collections of 232 coastal municipalities of the North and Northeast regions of Brazil obtained from labels of botanical collections. The data were processed and analyzed using the statistical software JMP, resulting in an evaluation of the classification of the vegetation used by botanical collectors, distribution of the number of specimens and species collected, spatial and temporal distribution of the botanical collections, as well as an evaluation of the richness and conservation of species based on botanical collections. The results showed lack of standards for classifications and terminologies used by collectors what make difficult the use of these data on broader studies. They also revealed low representativeness of species in herbaria in relation to the number of existing specimens, as well as a significant numerical, temporal and spatial imbalance in the botanical collections in the study area with irregular distribution along the geographic space, producing well-collected areas and also areas with large collection gaps. In general, a more coordinated effort seems to be needed, not only among institutions, but also within each institution, which could result in more effective and better distributed collections, in number, time and space.

Keywords: Botanical Collection, Herbarium, Distribution, Diversity, Conservation


Palavras-chave


Coleta Botânica, Herbário, Distribuição, Diversidade, Conservação.

Texto completo:

PDF

Referências


Alongi, D.M. 1989. The role of soft-bottom benthic communities in tropical mangrove and coral reef ecosystems. Rev. Aquat. Sci. 1, 243–280.

Alongi, D.M. 2002. Present state and future of the world´s mangroves forests. Environmental Conservation 29: 331-349.

Andrade-Lima, D. 1966. Atlas Geográfico do Brasil. IBGE. Rio de Janeiro.

BRASIL. MMA. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. Resolução CIRM nº 01, de 21 de Novembro de 1990 (D.O.U. de 27/11/90) Aprova o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC).

BRASIL. MMA. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro II. Resolução 005 da CIRM, de 03/12/97. Aprova o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro II (PNGC II).

Cintrón, G.; Schaeffer-Novelli, Y. 1992. Ecology and management of new world mangroves. In: p. 233-258, Seeliger, U. (ed.) Coastal Plant Communities of Latin America. Academic Press, New York.

CIRM. 1990. Comissão Interministerial para os Recursos do Mar.1990. 2º Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGCII). Resolução CIRM Nº 01, de 21 de Novembro de 1990 (D.O.U. de 27/11/90). Brasília: MMA.

Coimbra-Filho, A.F.; Câmara, I. de G. Os limites originais do bioma Mata Atlântica naregião Nordeste do Brasil. FBCN (Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza). 1996.

CONSÓRCIO MATA ATLÂNTICA. Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Plano de Ação – Referências Básicas. UNICAMP. Junho 1992.

Duke, N.C; Ball, M.C.; Ellison, J.C. 1998. actors influencing biodiversity and distributional gradients in mangroves. Global Ecology and Biogeography Letters, 7: 27-47.

Ewel, K. C.; Twilley, R. R.; Ong, J. E. 1998. Different kinds of mangrove forests provide different goods and services. Global Ecology and Biogeography Letter. v. 7, n.1, p. 83-94.

Herz, R. 1991. Manguezais do Brasil. Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, São Paulo, 227 p.

IBGE. 1992. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. São Paulo. IBGE. Manuais Técnicos em Geociências n.1. 275p.

Kjerfve, B.; Lacerda, L.A. 1993. Mangroves of Brazil. In: p: 245-272, L.D. Lacerda (ed.) Conservation and Sustainable Utilization of Mangrove Forests in Latin America and Africa Regions. Part I. Latin America. ITTO/ISME, Okinawa.

Lacerda, L. D. de. 1999. Os manguezais do Brasil. In: Vannuci, M. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. São Paulo: Editora da USP, cap. 3 (Apêndices), p. 185-196.

Lacerda, L. D.; Araujo, D. S. D.; Maciel, N. C. 1982. Restingas brasileiras: uma bibliografia. Rio de Janeiro, Fund. José Bonifácio. 55p.

Mania, L. F.; Assis, M. A. 2008. Processo de informatização do Herbário Rioclarense (HRCB) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Rio Claro, SP, e sua inclusão num sistema de rede. Rev. Ciênc. Ext. v.4, n.1, p.8,

Mori, S. A. et al. Southern Bahian Moist Forest.The Botanical Review, 49(2) – April-June. 1983. p. 155-232.

Oliveira-Filho, A. T.; Carvalho, D. A. 1993. Florística e fisionomia da vegetação no extremo norte do litoral da Paraíba. Revta. Brasil. Bot. 16(1):115-130.

Peixoto, A. L; Barbosa, M. R. V; Canhos, D. A. L; Maia L. C. 2009. Coleções Botânicas: objetos e dados para a ciência. Cultura Material e Patrimônio de C&T: 315-326,

Resende, M. L. F.; Guimarães, L.L. 2007. Inventários da Biodiversidade do Cerrado: Biogeografia de Plantas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

SAS, Institute Inc., Cary, North Carolina. JMP, Statistics and Graphics Guide, Version 3.2.6, 2012. (Computer software and manual).

Sasekumar, A.; Chong, V.C.; Leh, M.U.; D’Cruz, R. 1992. Mangroves as habitat for fish and prawns. Hydrobiologia, 247, 195-207.

Schaeffer–Novelli, Y. 1995. Manguezal. Ecossistema entre a terra e o mar. Caribbean Ecological Research. São Paulo.

Scherer, M.; Sanches, M.; Negreiros, D. H. 2009. Gestão das zonas costeiras e as políticas públicas no Brasil: um diagnóstico. Red Iberoamericana de Manejo Costero – Brasil e Agência Brasileira de Gerenciamento Costeiro,

Shearman, P. L; Ash, J.; Mackey, B.; Bryan, J. E.; Lokes, B. 2009. Forest Conversion and Degradation in Papua New Guinea 1972–2002. Biotropica, v. 41(3): p. 379–390.

Silveira, J. D. 1964. Morfologia do litoral. In: Azevedo, A. (ed.), Brasil: a terra e o homem. Vol. 1. São Paulo. Cia. Editora Nacional. p. 253-305.

Thiers, B. Índice Herbariorum: Um diretório global de herbários pública e pessoal associado. Herbário Virtual do Jardim Botânico de Nova Iorque. http://sweetgum.nybg.org/ih/. Acesso em: 07/01/2016.

Tomlinson, P.B. 1986. The botany of mangroves. Cambridge University Press, Cambridge.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1449-1465

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License