DINÂMICA DA PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAPECURU - MA

Yata Anderson gonzaga masullo, Leonardo Silva Soares, Claudio Eduardo de Castro, Elison André Leal Pinheiro

Resumo


A paisagem não é a simples adição de elementos geográficos disparatados, mas sim o resultado da combinação dinâmica dos elementos físicos, biológicos e antrópicos que, reagindo dialeticamente uns sobre os outros, fazem da paisagem um conjunto singular em constante evolução (Bertrand, 2004). Diante das inúmeras atividades que produzem e ao mesmo tempo reproduzem a paisagem, faz-se necessário refletir sobre estratégias de planejamento, gestão e conservação do patrimônio natural e cultural. Observa-se nas bacias hidrográficas, a possibilidade de construir um importante instrumento de planejamento e ordenamento territorial em um contexto regional, conforme expõe a Lei Federal N° 9.433/1997 (Lei das Águas). Sob essas perspectivas a presente pesquisa surge com o objetivo de analisar a dinâmica espacial e temporal da bacia hidrográfica do rio Itapecuru, a partir do processamento de imagens e do emprego de métricas da paisagem como CA (área das classes), MPS (Tamanho Médio da Classe) e NUMP (Número do Fragmento), MSI (índice de Forma Médio) SHDI (índice de diversidade Shannon). Desse modo foi possível identificar que por ano cerca de 53,5 mil hectares em média, são convertidas em pastagem ou áreas destinadas a agricultura na bacia do rio Itapecuru. Ao mesmo tempo nota-se que entre 1990 e 2016, registrou-se elevação de 5 pontos percentuais – pp de área edificada, enquanto identifica-se redução de 29,5 pp na área coberta por vegetação arbórea e mata ciliar.


Palavras-chave


Paisagem; Processamento de Imagens; Métricas; Rio Itapecuru.

Referências


Aronson, J.; Sasha, A. 2013. Ecosystem restoration is now a global priority: time to roll up our sleeves. Restoration Ecology, v. 21, n. 3, pp. 293-296.

Argyriou, A. V. et al. 2016.GIS multicriteria decision analysis for evaluation and mapping of landscape deformation neotectonics: A case study from Crete. Geomorphology. 262 –274.

Araújo, M. A. R. 2004. Subsídios para o planejamento do sistema estadual de unidades de conservação: tamanho, representatividade e gestão de parques em Minas Gerais. Tese (doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Biológicas. Belo Horizonte.

Batista, M. T. F. 2014. Modelação geográfica em processos de caracterização e avaliação da paisagem numa perspectiva transfronteiriça. Tese de Doutorado em Ciências do Ambiente (Universidade de Évora).

Batistella, M. et al. F. 2003.Settlement design, forest fragmentation, and landscape change in Rondônia, Amazonia. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, 69(7), 805–812.

Bertrand, G. 2004. Paisagem e geografia física global: Esboço metodológico. R. RA´E GA, Editora UFP. n. 8, Curitiba. 141-152.

Botelho, R. G. M.; Da Silva, A. S. 2004. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. In: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. Reflexões sobre a geografia física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. pp. 153-192.

Borges, M. G. 2018. Sensoriamento remoto aplicado ao monitoramento temporal do eucalipto no município de Grão Mogol – MG. Revista Brasileira de Geografia Física v.11, n.06. 2046-2056.

Campos, E. V. M. O assoreamento do baixo curso do rio de contas: uma abordagem hidráulica e sedimentológica. 2002. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia Instituto de Geociências Curso de Pós-Graduação em Geologia.

Castro júnior, E. et. al. 2009. Gestão da Biodiversidade e áreas protegidas. In: GUERRA, A. J e COELHO, M. C. N. (orgs). Unidades de Conservação: abordagens e características geográficas. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro. pp. 25 – 66.

D´iaz, M. E. et al. 2015. Global Geosites: an active and partially achieved geoheritage inventory initiative, waiting to regain official recognition. In: CORN´EE, A., EGOROFF, G., DE WEVER, P., LALANNE, A., DURANTHON, F. (Eds.). Actes du Congre `s International. Les Inventaires du G´eopatrimoine. M´emoire hors-s´erie de la Soci´ et´eg ´ eologique de France, Toulouse, p. 103-108.

Gorenstein, M. R. Diversidade de espécies em comunidades arbóreas: aplicação de índices de distinção taxonômica em três formações florestais do Estado de São Paulo. 2009. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ipea, 2013. Texto para discussão: A agropecuária na região norte: oportunidades e limitações ao desenvolvimento. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/. Acesso em: 30 nov. 2018.

Juvanhol, RS. et al. 2011. Análise Espacial de Fragmentos Florestais: Caso dos Parques Estaduais de Forno Grande e Pedra Azul, Estado do Espírito Santo. Floresta e Ambiente. V. 18. n. 4. 353-363.

Knapp; S. et.al. 2010. Do protected areas in urban and rural landscapes differ in species diversity? Biodivers Conservation. 17: 2008. p. 1595–1612.

Lambin, e. F. E Meyfroidt, P. 2015. Land use transitions: Socio-ecological feedback versus socio-economic change. Land Use Policy. 27. p. 108–118.

Leite, V. R. A. 2015. Análise da efetividade de unidades de conservação para proteção de ecossistemas localizados em paisagens fragmentadas e sob intensa pressão antrópica no bioma da Mata Atlântica. Tese (Doutorado) em Ecologia e Recursos Naturais. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro–UENF. Campos dos Goytacazes. RJ.

Leinz, V. E Amaral, S.E. Geologia Geral. 11ª ed. São Paulo: Editora Nacional, 1990.

Luiz, C.H.P., Faria, S.D., Escada, M.I.S., 2016. A Expansão do Reflorestamento com Eucalipto e seus Efeitos na Estrutura da Paisagem: Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba e Região Metropolitana Vale do Aço - Minas Gerais. Geografias 12, 64-8

Martinez del Castillo, E. et. al. 2015. Evaluation of forest cover change using remote sensing techniques and landscape metrics in Moncayo Natural Park (Spain). Applied Geography, 62, 247–255.

Mcgarigal, K.; Marks. B. J. 1995. Fragstats Spatial Pattern Analysis Program for Quantifying Landscape Structure. Forest Science Department, Oregon State University, Corvallis.

Mello; K. de. et al. 2016. Priority Areas for Forest Conservation In An Urban Landscape At The Transition Between Atlantic Forest And Cerrado. CERNE. pp. 277-288.

Meyer, S. R. et al. 2015. An analysis of spatio-temporal landscape patterns for protected areas in northern New England: 1900–2010. Landscape Ecol 30. 1291–1305.

Marion, F. A. et al. 2015. Análise de modelos digitais de elevação para modelagem do relevo no município de Francisco Beltrão – PR. Rev. Geogr. Acadêmica v.9, n.2.

Masullo, Y. A. G.et al. 2018. O passado e o presente das Unidades de Conservação do Maranhão, Brasil. Revista Caminhos de Geografia. Uberlândia - MG v. 19, n. 66. p. 250–268.

Metzger, J.P. 1999. Estrutura da Paisagem e Fragmentação: Análise Bibliográfica. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 71, p. 445-462.

Nascimento, I. S. et. al. 2016.Avaliação da exatidão dos classificadores Maxver e Iso Cluster do software Arc Gis for Desktop, Com Uso De Imagem Landsat 8 do Município de Cáceres/MT. Revista Continentes (UFRRJ), ano 5, n. 8, p. 48-62.

Oliveira, P. T. S. et al. 2010. Caracterização morfométrica de bacias hidrográficas através de dados SRTM. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 14, n. 8. 819-825.

Oliveira, A. et al. 2018. Influence of Digital Elevation Models on Landslide Susceptibility with Logistic Regression Model. Revista do Departamento de Geografia. V. 36. pp. 33 – 47.

Pinheiro, M. R. de C. et al. 2009. Geoprocessamento aplicado à gestão dos recursos hídricos na bacia hidrográfica do Rio Macaé-RJ. Anais XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. INPE. Natal-RN. 25 – 30.

Pôssa, E. M. 2018. Análise de uso da terra e cobertura florestal na Amazônia central, a partir de dado polarimétrico PALSAR/ALOS-1 e coerência interferométrica TanDEM-X. Revista Brasileira de Geografia Física v.11, n. 06 2094-2108.

Pressey, R. L. et al. 2015. Making parks make a difference: poor alignment of policy, planning and management with protected-area impact, and ways forward. Phil. Trans. R. Soc. 1 – 19.

Primack, R. B. e Rodrigues, E. 2001. Biologia da Conservação. Editora Planta. Londrina.

Rossi, P. et al. 2008. Coupling indicators of ecological value and ecological sensitivity with indicators of demographic pressure in the demarcation of new areas to be protected: The case of the Oltrep`o Pavese and the Ligurian-Emilian Apennine area (Italy). Landscape and Urban Planning 85. 12–26.

Rodriguez, J. M. M. et al. 2007. Geoecologia da paisagem: uma visão geossistêmica da análise ambiental. EDUFC, Fortaleza.

Saito, N. S. et. al. 2015. Geotecnologia e Ecologia da Paisagem no Monitoramento da Fragmentação Florestal. In: Revista Floresta e Ambiente.

Santos, D. A. R.; Morais, F. 2012. Análise morfométrica da bacia hidrográfica do Rio Lago Verde como subsídio à compartimentação do relevo da região de Lagoa da Confusão – TO. Revista Geonorte, v. 3, n. 4. 617-629.

Santos, P. T. e Martins, A. P. 2018. Análise da Vulnerabilidade Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Claro (GO) Utilizando Geotecnologias. Revista do Departamento de Geografia. V. 36. pp. 155 – 170.

Siani, S. M. O. et al. 2017. iSAM - Um sistema de indicadores para o monitoramento da Área de Proteção Ambiental Mananciais do Rio Paraíba do Sul. Revista do Departamento de Geografia, V. 33. 63-73.

Silva, E. V. et al. 2015. Educação ambiental aplicada ao planejamento e gestão de bacias hidrográficas. Revista GeoAmazônia, Belém, v. 03, n. 06, p. 110 – 120.

Silva, D. C. da C. 2017. Proposta Metodológica para Análise da Inserção Social na Bacia Hidrográfica do Rio Una em Ibiúna/SP Revista do Departamento de Geografia, V. 33. 74-84.

Vorovencii, I. 2015. Quantifying landscape pattern and assessing the land cover changes in Piatra Craiului National Park and Bucegi Natural Park, Romania, using satellite imagery and landscape metrics. Springer International Publishing. Switzerland. pp. 1 – 22.

Uramoto, K. et. al. 2005.Análise Quantitativa e Distribuição de Populações de Espécies de Anastrepha (Diptera: Tephritidae) no Campus Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP. Revista Neotropical Entomology 34(1):033-039.

Walz, U. 2011. Landscape Structure, Landscape Metrics and Biodiversity. Living Rev. Landscape Res., 5.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License