Caracterização fisionômica da Restinga da Praia de Panaquatira, São José de Ribamar, Maranhão (Physiognomic characterization of the Restinga of Panaquatira Beach, São José de Ribamar, Maranhão)

Gustavo Pereira Lima, Dinnie Michelle Assunção Lacerda, Hugo Pereira Lima, Eduardo Bezerra de Almeida Jr.

Resumo


As restingas são consideradas como um dos tipos vegetacionais mais expressivos da costa brasileira, porém as definições das fisionomias deste ecossistema ainda permanecem conflituosas de acordo com alguns autores. Por este motivo, o presente estudo teve como objetivo descrever as fisionomias da praia de Panaquatira (02°28’23”S 44°03’13,8”W), situada no município de São José de Ribamar, Maranhão. Para caracterização das fisionomias seguiu-se a classificação usual nos estudos de restinga do Nordeste do país, que categoriza as formações fisionômicas em campo, frutíceto e floresta, com suas diferentes subdivisões. A partir de levantamentos realizados na área identificou-se seis fisionomias: campo aberto não inundável, campo aberto não inundável-halófilo, campo fechado inundável de dunas, campo fechado inundável de pós-dunas, frutíceto aberto não inundável e frutíceto fechado não inundável. De modo geral, o estudo possibilitou a identificação de diversas fisionomias associadas à restinga de Panaquatira, demonstrando assim, tratar-se de um ecossistema altamente diversificado. Além de contribuir com dados essenciais para a execução de estudos mais detalhados, futuramente, sobre a vegetação costeira.

 

A B S T R A C T

The “restinga” is considered as one of the most significant vegetation types of the Brazilian coast, but the physiognomic definitions this ecosystem are still in conflict according to some authors. For this reason, this study aimed to describe the physiognomies at Panaquatira Beach (02 ° 28'23 "S 44 ° 03'13,8" W), located in São José de Ribamar, Maranhão. The physiognomic characterization followed the usual classification in “restinga” studies of Northeast Region of Brazil, which categorize the physiognomic formations in the field, scrub and forest, with their different subdivisions. From studies performed in this area were identified six physiognomies: non-flooded open fields, halophilous flooded open fields, flooded closed dune fields, flooded closed field after dune, non-flooded open scrub and non-flooded closed scrub. Overall, the study enabled the identification of several physiognomies associated with the "restinga" of Panaquatira, thus demonstrating that this is a highly diverse ecosystem. In addition to contributing with essential data to perform more detailed studies in the future, on the coastal vegetation.

Keywords: physiognomy, Maranhão coast, conservation.


Palavras-chave


fisionomias; litoral maranhense; conservação

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, B., Rodrigues, A.A.F., 2015. Abundância sazonal de aves limícolas em área costeira amazônica, praia de Panaquatira, Golfão Maranhense, Brasil. Ornithologia 8, 38-42.

Almeida Jr., E.B., Zickel, C.S., Pimentel, R.M.N., 2006. Caracterização e espectro biológico da vegetação do litoral arenoso do Rio Grande do Norte. Revista de Geografia 23, 45-58.

Almeida Jr., E.B., Olivo, M.A., Araújo, E.L., Zickel, C.S., 2009. Caracterização da vegetação de restinga da RPPN de Maracaípe, Pernambuco, com base na fisionomia, flora, nutrientes do solo e lençol freático. Acta Botanica Brasílica 23, 36-48.

Amorim, G.S., Amorim, I.F.F., Almeida Jr., E.B., 2016. Flora de uma área de dunas antropizadas na praia de Araçagi, Maranhão. Revista Biociências (Taubaté) 2, 18-29.

Cabral-Freire, M.C., Monteiro, R., 1993. Florística das praias da Ilha de São Luiz, Estado do Maranhão (Brasil): Diversidade de espécies e suas ocorrências no litoral brasileiro. Acta Amazonica 23, p.125-140.

Cantarelli, J.R.R., Almeida Jr., E.B., Santos-Filho, F.S., Zickel, C.S., 2012. Tipos fisionômicos e flora vascular da restinga da APA de Guadalupe, Pernambuco, Brasil. Insula 41, 95-117.

CONAMA. Resolução nº 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites das Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da União, nº 90, de 13 de maio de 2002, Seção 1.68.

Dias, K.N.L, Amorim, G.S., Santana, I.A., Almeida Jr., E.B., 2015. Descobrindo a flora maranhense: as contribuições do Herbário MAR para o conhecimento botânico do Maranhão. Boletim PETBio - UFMA 34, 16-17.

El-Robrini, M., Marques, V., Da Silva, M.M.A., El-Robrini, M.H.S., Feitosa, A.C., Tarouco, J.E.F., Dos Santos, J.H.S., Viana, J.S., 2006. Erosão e progradação do litoral brasileiro: Maranhão, in: Muehe, D. (Org.), Erosão e progradação do litoral brasileiro. Editora São Paulo, Brasília, pp. 87-130.

Ferreira, A.P., Fialho, E.M.S., Andrade, G.V., 2005. Composição e estruturação da comunidade de serpentes da restinga da praia de Panaquatira, Maranhão. Disponível: http://www.seb-ecologia.org.br/viiceb/listaresumo.html. Acesso: 21 nov. 2016.

Freitas, W.K., Magalhães, L.M.S., 2012. Métodos e parâmetros para estudo da vegetação com ênfase no estrato arbóreo. Floresta e Ambiente 19, 520-540.

Gomes, F.H., Vidal-Torrado, P., Macías, F., Souza Júnior, V.S., Perez, X.L.O., 2007. Solos sob vegetação de restinga na Ilha do Cardoso (SP): II - Mineralogia das frações silte e argila. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31, 1581-1589.

IMESC. Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos, 2011. Situação Ambiental da Ilha de São Luís. São Luís.

Koppen, W., 1948. Climatologia: com un estudio de los climas de la Tierra, 1 ed. Fondo de Cultura Economica, México.

Lacerda, L. D., Esteves, F.A., 2000. Restingas Brasileiras: quinze anos de estudos, in: Esteves, F.A., Lacerda, L.D. (Org.), Ecologia de restingas e lagoas costeiras. UPEM/UFRJ, Macaé, pp. 3-6.

Lopes, A.T.L., 1997. Macroendofauna bentônica de substratos móveis da Praia de Panaquatira, Ilha de São Luís, Maranhão, Brasil. Dissertação (Mestrado). Recife, UFPE.

Martins, M.L.L., 2012. Fitofisionomia das formações vegetais da restinga da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaibim, Valença, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 10, 66-73.

Medeiros, D.P.W., Lopes, A.V., Zickel, C.S., 2007. Phenology of woody species in tropical coastal vegetation, northeastern Brazil. Flora (Jena) 202, 513-520.

Medeiros, D.P.W., Almeida Jr., E.B., Abreu, M.C., Santos-Filho, F.S., Zickel, C.S., 2014. Riqueza e caracterização da estrutura lenhosa da vegetação de restinga de Baia Formosa, RN, Brasil. Pesquisas, Botânica 65, 183-199.

Menezes, M.P.M., Berger, U., Mehlig, U., 2008. Mangrove vegetation in Amazonia: a review of studies from the coast of Pará and Maranhão States, north Brazil. Acta Amazonica 38, 403-420.

Nascimento-Júnior, J.E., 2012. Flora eletrônica de um trecho do litoral norte de Sergipe, Brasil. Dissertação (Mestrado). Campinas, UNICAMP.

Oliveira, E.V.S., Landim, M.F., 2014. Caracterização fitofisionômica das restingas da Reserva Biológica de Santa Isabel, litoral norte de Sergipe. Scientia Plena 10, 1-10.

Oliveira, F.S., Mendonça, M.W.A., Vidigal, M.C.S., Rêgo, M.M.C., Albuquerque, P.M.C., 2010. Comunidade de abelhas (Hymenoptera, Apoidea) em ecossistema de dunas na Praia de Panaquatira, São José de Ribamar, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia 54, 82–90.

QGIS Development Team, 2009. QGIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation. Disponível: http://qgis.osgeo.org. Acesso: 20 dez. 2016.

Rodrigues, A.A.F., 2000. Seasonal abundance of neartic shorebirds in the Gulf of Maranhão, Brazil. Journal of Field Ornithology 71, 665-675.

Rodrigues, A.A.F., 2007. Priority areas for conservation of migratory and resident waterbirds on the coast of Brazilian Amazonian. Revista Brasileira de Ornitologia 15, 209-218.

Rodrigues, A.A.F., Lopes, A.T.L., Gonçalves, E.C., Schneider, M.P.C., 2015. Spring migration of semipalmated sandpiper Calidrispusilla in the Amazonian coast of Brazil. Ornithologia 8, 11-16.

Sacramento, A.C.S., Almeida Jr., E.B., Zickel, C.S., 2007. Aspectos florísticos da vegetação de restinga no litoral de Pernambuco. Revista Árvore 31, 1121-1130.

Santos, V.J., Zickel, C.S., Almeida Jr., E.B., 2015. Composição estrutural do estrato arbustivo-arbóreo de uma floresta de restinga no sul da Bahia, Brasil. Pesquisas, Botânica 68, 257-269.

Santos-Filho, F.S., Almeida Jr., E.B., Soares, C.J.R.S., Zickel, C.S., 2010. Fisionomias das restingas do Delta do Parnaíba, Nordeste, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física 3, 218-227.

Santos-Filho, F.S., Zickel, C.S., 2013. Origem e estrutura da costa e sua vegetação de restinga: o caso do litoral do Piauí, in: Santos-Filho, F.S, Leite Soares, A.F.C, Almeida Jr., E.B. (Org.), Biodiversidade do Piauí: pesquisas & perspectivas. vol. 2. Editora CRV, Curitiba, pp. 11-36.

Santos-Filho, F.S., Almeida Jr., E.B., Zickel, C.S., 2013. Do edaphic aspects alter vegetation structures in the Brazilian restinga? Acta Botanica Brasílica 27, 613-623.

Scarano, F.R., 2002. Structure, function and floristic relantioships of plants communities in stressful habitats marginal to Brazilian Atlantic Rainforest. Annals of Botany 90, 517-524.

Senna, C.S.F., Bastos, M.N.C., 2009. Caracterização dos gradientes florísticos, in: Jardim, M.A.G. (Org.), Diversidade biológica das Áreas de Proteção Ambiental Ilhas do Combu e Algodoal-Maiandeua - Pará, Brasil. MPEG/MCT/CNPq, Belém, pp. 381-393.

Serra, F.C.V., Lima, P.B., Almeida Jr., E.B., 2016. Species richness in restinga vegetation on the eastern Maranhão State, Northeastern Brazil. Acta Amazonica 46, 217-280.

Silva, A.N.F., Araujo, A.C.M., Almeida Jr., E.B., 2016. Flora fanerogâmica das dunas da praia de São Marcos, São Luís, Maranhão, in: Almeida Jr., E.B., Santos-Filho, F.S. (Org.), Biodiversidade do Meio Norte do Brasil: conhecimentos ecológicos e aplicações. 1 ed. Editora CRV, Curitiba, pp. 11-28.

Silva, Q.D., 2012. Mapeamento geomorfológico da Ilha do Maranhão. Tese (Doutorado). Presidente Prudente, UNESP.

Silva, S.M., Britez, R.M., 2005. A vegetação da planície costeira, in: Marques, M.C.M., Britez, R.M. (Org.), História Natural e Conservação da Ilha do Mel. Editora UFPR, Curitiba, pp. 49-84.

Silva, S.S.L., Zickel, C.S., Cestaro, L.A., 2008. Flora vascular e perfil fisionômico de uma restinga no litoral sul de Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasílica 22, 1123- 135.

Sousa, A.P., Rodrigues, A.A.F., 2015. Censo populacional do maçarico-de-peito-vermelho Calidriscanutus rufa na praia de panaquatira, Maranhão, Brasil, em um ciclo anual. Ornithologia 8, 33-37.

Suguio, K., Tessler, M.G., 1984. Planície de cordões litorâneos quaternários do Brasil:origem e nomenclatura, in: Lacerda, L.D., Araujo, D.S.D., Cerqueira, R., Turcq, B. (Org.), Restingas: origem, estrutura e processos. Editora CEUFF, Niterói, pp. 15-25.

Vicente, A., Almeida Jr., E.B., Santos-Filho, F.S., Zickel, C.S., 2014. Composição estrutural da vegetação lenhosa da restinga de Cabedelo, Paraíba. Revista de Geografia (UFPE) 31, 183-196.

Zickel, C.S., Vicente, A., Silva, S.S.L., Santos-Filho, F.S., Soares, C.J.R.S., Almeida Jr., E.B., 2015. Vegetação lenhosa de uma restinga em Pernambuco: descrição estrutural e similaridade. Pesquisas, Botânica 68, 271-285.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p1910-1920

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License