Uso de Geoindicadores para Avaliação da Vulnerabilidade à Erosão Costeira Através de Sistemas de Informações Geográficas (The use of Geoindicators to Assess Coastal Erosion Vulnerability through Geographic Information System)

Athos Farias Menezes, Pedro de Souza Pereira, Rodrigo Mikosz Gonçalves

Resumo


A erosão costeira é um fenômeno natural encontrado em diversos ambientes litorâneos em todo o mundo. No entanto, a ocupação antrópica desordenada pode potencializar o processo erosivo, como é o caso do litoral do Estado de Pernambuco, onde 43,8% da população está localizada no ambiente litorâneo que se estende em 187 km ao longo de 13 municípios. Observando esta problemática, o presente trabalho foi desenvolvido com o intuito de avaliar a vulnerabilidade à erosão costeira através da interpretação de imagens de satélite de alta resolução e sistemas de informações geográficas (SIG), a partir de indicadores ambientais e antrópicos. Foram propostas análises dos geoindicadores em escala regional para todo o litoral pernambucano, destacando cenários de altos valores de vulnerabilidade nas cidades do núcleo metropolitano devido ao processo de urbanização como o caso de Olinda que tem 87,9% de intensa urbanização. Entretanto, em praias de baixa presença antrópica, como no litoral sul, foram evidenciados os menores índices de vulnerabilidade como o exemplo do município de Ipojuca com 14,7% de área de praia e do Cabo de Santo Agostinho, que obteve o resultado de 4 no índice proposto. O setor norte apresentou resultados semelhantes ao setor sul, com o destaque para o município de Igarassu com 88,5% de vegetação arbórea. De forma geral este trabalho visualiza destacar a importância do presente método na identificação de áreas com potenciais erosivo a partir de dados orbitais, o que pode acarretar a otimização de tempo na tomada de decisões para a gestão costeira.

 

 

 

A B S T R A C T

The coastal erosion is a natural phenomenon found in different littoral location all over the world. Disordered anthropic occupation, however, can potentiate the erosion process, as it is the case of Pernambuco's coast, that stands for 187 kilometers and where almost half of the population (43,8%) is located. Focusing on this problem, this paper was developed with the aim of evaluating the vulnerability to coastal erosion through high quality satellites images and Geographic Information System (GIS), by ambiental and anthropic indicators. Analyzes of the geoindicators were proposed on a regional scale for all of Pernambuco's coast, highlighting cases of high vulnerability in the metropolitan core cities due to the urbanization process. One example of this is Olinda, which has a 87,9% urbanization rate. On the other hand, in low human presence beaches, were evidenced the lowest levels of vulnerability, like in Ipojuca and Cabo de Santo Agostinho, which have 14,7% and 4 on index of vulnerability. The North sector subsequently proved similar  to the South sector, as the prominence to the Igarassu's munincipality with 88,5% off arboreal vegetation. In short, this paper aim to emphasizing the importance of this method in the indication of potential erosion areas through orbital datas, which can lead to time optimization in decision making for coastal management.

Keywords: Environmental Indicators, Geoprocessing, Coastal Cartography


Palavras-chave


Erosão Costeira; Índice de Vulnerabilidade; Sistemas de Informações Geográficas

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo. M. C. B., Souza, S. T., Chagas., Barbosa., S. C. T., Costa, Monica F. Costa., 2007 Análise da Ocupação Urbana das Praias de Pernambuco, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada [online] 7. Disponível: http://dx.doi.org/10.5894/rgci304. Acesso: 15 set. 2015.

Baatz, M., Mimler, M., 2002. Objetos de Imagem Iniciais como suporte para Extração de Objetos de interesse. In: Blaschke, T. e Kux, H. (Org..), Sensoriamento Remoto e SIG Avançados. Oficina de Textos, São Paulo, pp.179-188.

Barros. A. P. e Silveira, K. A., 2010. A Produção Do Espaço Rural-Urbano E Seus Rebatimentos Nos Conflitos Socioambientais Na Área De Suape,* Pernambuco – Brasil. Cadernos Ceru, 21, 163-169.

Besnad, W. 1950. Considerações gerais em tôrno da região lagunar de Cananéia-Iguape: I. Boletim do Instituto Inst. Paulista Oceanográfico. ., 1. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-42391950000200001. Acesso 15 set. 2015.

Birkmann, J., 2007. Risk and vulnerability indicators at different scales: applicability, usefulness and policy implications. Environ. Hazards [online] 7. Disponível: https://dx.doi.org/10.1016/j.envhaz.2007.04.002. Acesso: 19 set. 2015.

Bosom E., Jimenez J.A., 2010. Storm-induced coastal hazard assessment at regional scale: application to Catalonia (NW Mediterranean). Advances in Geosciences [online] 26. Disponível: http://dx.doi:10.5194/adgeo-26-83-2010. Acesso: 15 set. 2015.

Bush, D.M.; Neal, J.W.; Young, R.S.; Pilkey, O.H., 1999. Utilization of Geoindicators for Rapid Assessment of Coastal Hazard Risk and Mitigation. Ocean & Coastal Management [online] 42. http://dx.doi.org/10.1016/S0964-5691(99)00027-7. Acesso: 12 set. 2015.

Burrough, P.A., 1986. Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessement, Oxford, Clarendon.

Câmara, I. G., 1991. Plano de Ação para a Mata Atlântica. Fundação SOS Mata Atlântica.São Paulo.

Carvalho, R.F. e Coutinho, P.N., 1979. Evolução da área da Lagoa Olhos-d'agua (Recife, PE). In: SIMP. REG. GEOL., 9, Natal. Atas... Natal, SBG. p.180-201.

Costa, M.B.S.F., Pontes, P. M. & Araujo, T. C. M., 2008. Monitoramento da Linha de Preamar das Praias de Olinda - PE (Brasil) como Ferramenta à Gestão Costeira. Revista da Gestão Costeira Integrada [online] 8. http://dx.doi.org/10.5894/rgci14. Acesso: 14 set. 2015.

CPRH. Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Pernambuco, 2015. Unidades de Conservação. Disponível: http://www.cprh.pe.gov.br/ARQUIVOS_ANEXO/Unidades%20de%20Conserva%C3%A7%C3%A3o%20Estaduais.pdf. Acesso em: 20 de setembro de 2015.

Dean, R.G., 2002. Beach Nourishment: theory and practice., World Scientific Publishing, Singapura.

Dominguez, J.M.L.; Bittencourt, A. C. S. P.; Leão, Z. M. A.N.; Azevedo, A. E. G. 1990. Geologia do quaternário costeiro do Estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Geociências 20, 208-215.

Emrich C.T, Cutter S.L., 2011. Social vulnerability to climate-sensitive hazards in the southern United States. Weather and Climate Society [online] 3. http://dx.doi.org/10.1175/2011WCAS1092.1 Acesso: 20 set. 2015

França, C.. F., Souza Filho., P. W. M., 2006. Compartimentação Morfológica Da Margem Leste Da Ilha De Marajó: Zona Costeira Dos Municípios De Soure E Salvaterra – Estado Do Pará. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 7. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v7il.58. Acesso:

Ferraz, D. S., 1914. O Molhe de Olinda. . Imprensa Industrial, Recife.

Gouldby, B., Samuels, P., 2005. Language of risk. Project definitions. Floodsite project, Wallingford UK .

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 20 de setembro de 2015.

Klein, R.J.T., Nicholls, R.J., Thomalla, F., 2003. Resilience to natural hazards: how useful is this concept? Environmental Hazards [online] 5. Disponível: https://dx.doi.org/10.1016/j.hazards.2004.02.001. Acesso: 20 set. 2015

Kobayashi, N., Meigs, L. E., Ota T., Melby. J. A., 2007. Irregular breaking wave transmission over submerged porous breakwater. Journal of Waterway, Port, Coastal, and Ocean Engineering v. [online] 5. Disponível: http://dx.doi.org/10.1061/(ASCE)0733-950X. Acesso: 30 set. 2015.

Magini, C.; Gomes, P. F.; Veríssimo, C. U. V.; Aguiar Neto, A. B., 2007. Avaliação Ambiental da Praia do Futuro, município de Fortaleza, Ceará. Revista de Geologia 20, 91-88.

Mallmann, D.L.B.; Araújo,T.C.M., 2010, Vulnerabilidade do Litoral Sul de Pernambuco à erosão. Tropical Oceanography 38, 129-151.

Malmann, D.L.B. ; Pereira, P.S. ; Nogueira, P.F.R.S.M. ; Santos, F.M.M., 2014., Classificação morfodinâmica das praias arenosas de Ipojuca (Pernambuco, Brasil) através da análise semântica de imagens de satélite pancromáticas. Pesquisas em Geociências 41, 169-189.

Manso, V.A.V.; Macedo, R.J.A. ; Silva, E.R.M.E. ; Pereira, N.S. ; Soares Junior, C.F.A. ; Arraes, M. ; Alves, F.P., 2012. Subsídios ao Gerenciamento Costeiro: Definição sa Zona Não Edificante da Praia do Porto (PE) para uso e Ocupação da Orla. Estudos Geológicos 22, 21-36.

Martins, K. A.; Pereira P. S.; Lino, A. P.; Gonçalves, R. M., 2016 Determinação da Erosão Costeira no Estado de Pernambuco Através de Geoindicadores. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 17. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v17i3.854. Acesso 17 jun. 2016.

Medeiros, E. C. S., Pantalena, A. F., Miola, B. Lima, R., S., Soares, M, O., 2014. Percepção ambiental da erosão costeira em uma praia no litoral do Nordeste do Brasil (Praia da Taíba, CE). Revista de Gestão Costeira Integrada [online] 14. Disponível: http://doi.org/10.5894/rgci488. Acesso: 21 set. 2015.

Menezes, J.T., 2008. Balanço de Sedimento Arenosos da Enseada do Balneário Camburiú – SC. 2008. Tese (Doutorado). Porto Alegre, UFRS.

Moraes, L.J., 1928. Estudos geológicos do Estado de Pernambuco., Serv. Geol. Min. Brasil, Rio de Janeiro.

Morais, J. O.,Pinheiro, L. S., Cavalcante, A. A., Paula, D. P., Silva, R. L., 2008. Erosão Costeira em Praias Adjacentes às Desembocaduras Fluviais: O Caso de Pontal de Maceió, Ceará, Brasil Revista da Gestão Costeira Integrada 8, 61-76.

Nicholls, R.J., Klein, R.J.T., 2005. Climate change and coastal management on Europe’s coast in Vermaat, J.E. et al. (editores.). Managing European Coasts: Past, Present and future. Berlin. http://dx.doi.org/10.1007/3-540-27150-3_11.

Oliveira, P. F. P.; Silva, H. A.; Santana, N. M. G.; Manso, V. A. V., 2012. Avaliação do Comportamento do Aterro Hidráulico da Praia do Janga - Paulista/PE, decorrente da Dinâmica Praial e da Urbanização. Revista Brasileira de Geografia Física 2, 374-385.

Pires, Iva., Craveiro J., Antunes. O., 2012. Artificialização do solo e Vulnerabilidade Humana em duas zonas sujeitas a processos de erosão costeira: casos de estudo da Costa da Caparica e Espinho (Portugal). Revista de Gestão Costeira Integrada, 12, 277-290.

Ranta, P.; Blon, T.; Niemelã, J.; Joensuu, E., Siitonen, M., 1998. The fragmented Atlantic rain Forest of Brazil: size, shape and distribution of Forest fragments. Biodiversity and Conservation [online] 7. Disponível: http://doi.org/10.1023/A:1008885813543. Acesso 10 out, 2015.

Sousa, P.H.G.O.; Siegle, E.; Tessler, M.G. 2011. Environmental and Anthropogenic Indicators for Coastal Risk Assessment at Massaguaçú Beach (SP) Brazil. Journal of Coastal Research 64, 319-323.

Souza, S. T de., 2004., A saúde das praias da Boa Viagem e do Pina, Recife (PE), Brasil , Brasil., Dissertação (Mestrado). Recife, CTG-UFPE.

Souza, C.R. de G., ; Luna, G. da C., 2008. Unidades quaternárias e vegetação nativa de planície costeira e baixa encosta da Serra do mar no litoral norte de São Paulo Revista do Instituto Geológico 29, p. 1-18.

Sugiu, K., 2003, Geologia Sedimentar. Edgar Blucher, São Paulo. 400p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.1.p276-296

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License