A dimensão socioambiental urbana de Arapiraca/AL sob a perspectiva de indicadores de vulnerabilidade.

Juliete dos Santos, Leandro Antonio de Oliveira, José Lidemberg de Sousa Lopes

Resumo


A presente pesquisa busca averiguar se pessoas sujeitas a riscos e perigos ambientais está necessariamente social e ambientalmente vulnerável. A metodologia da pesquisa envolveu uma revisão bibliográfica no portal da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD); no portal de Periódicos CAPES/MEC e no Scientific Electronic Library Online-SciELO no período de 2000 a 2014. Foram empregados os aspectos metodológicos baseados na criação de critérios e indicadores para criar o Índice de Vulnerabilidade Socioambiental (IVSA). Em seguida, é feito a coleta e análise de dados secundários, disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE (Censos Demográficos–2000 e 2010), além da confecção de mapas. Do ponto de vista da vulnerabilidade socioambiental, os critérios e seus respectivos indicadores mostraram que a cidade de Arapiraca se encontra em um nível de baixa vulnerabilidade com um índice de 0,35 em uma escala de 0,0 (valor mínimo) a 1,0 (valor máximo). No entanto, entre os três critérios estabelecidos (exposição, sensibilidade e capacidade de resposta) a exposição e a capacidade de reposta apresentaram as maiores inconformidades. Conclui-se que o planejamento territorial se configura como uma ferramenta indispensável para um desenvolvimento socioeconômico pautado na formulação de políticas públicas que venham a mitigar e reduzir a vulnerabilidade socioambiental da cidade de Arapiraca.


Palavras-chave


Desenvolvimento Urbano; Sensibilidade; Vulnerabilidade.

Referências


Adger, W. N., 2002. Vulnerability. Global Environmental Change 16, 268-281.

Adorno, R. C. F., 2001. Os jovens e sua vulnerabilidade social, 1 ed. AAPCS, São Paulo.

Almeida, L. Q., 2010. Vulnerabilidades socioambientais de rios urbanos: bacia hidrográfica do rio Maranguapinho, região metropolitana de Fortaleza, Ceará. Tese (Doutorado). Rio Claro, UNESP.

Almeida, L. Q., 2012. Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras: conceitos, metodologias e aplicações. Cultura acadêmica, São Paulo.

Birkmann, J., 2006. Measuring Vulnerability to Natural Hazards. Towards Disaster Resilient Societies. UNU-Press, Tokyo, New York e Paris.

Blaikie, P. M., Cannon, T., Davis, I., Wisner, B., 1994. At risk: natural hazards, people’s vulnerabillity, and disasters. Routledge, London.

Bogardi, J. J., 2004. Hazards, risks and vulnerabilities in a changing environment: the unexpected onslaught on human security? Global Environmental hazards 14, 361-365.

Burton, I., Kates, R.W., White, G. F., 1978. The Environment as Hazard. Oxford University Press, New York.

Castells, M., 1983. A Questão Urbana. Editora Paz e Terra, São Paulo.

Correa, R. L., 1999. O espaço urbano, 3 ed. Ática, São Paulo.

Christofoletti, A., 1999. Modelagem de Sistemas Ambientais, Edgard Blucher, São Paulo.

Cutter, S. L., Boruff, B. J., Shirley, W. L., 2003. Social vulnerability to environmental hazards. Social Science Quarterly, 84, 242-261.

Cutter, S. L., 1996. Vulnerability to environmental hazards. Progress in Human Geography, 20, 529-539.

D'ercole, R., 1994. Les vulnérabilités des sociétés et des espaces urbanisés: concepts, typologie, modes d'analyse. Revue de Géographie Alpine, 82, 87-96.

Deschamps, M. V., 2004. Vulnerabilidade socioambiental na Região Metropolitana de Curitiba. Tese (Doutorado). Curitiba, UFPR.

Figueiredo, M. C. B., Vieira, V. P. P. B., Mota, F. S. B., Rosa, M. F., Sousa, S. A. M., 2010. Análise da vulnerabilidade ambiental. Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza.

Harvey, D., 1980. A justiça social e a cidade, Hucitec, São Paulo.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1991. Censo Demográfico, 1991. Disponível: http://www.ibge.gov.br/. Acesso: 12 dez. 2016.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2000. Censo Demográfico, 2000. Disponível: http://www.ibge.gov.br/. Acesso: 12 dez. 2016.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico, 2010. Disponível: http://www.ibge.gov.br/. Acesso: 12 dez. 2016.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico, 2010. Resultados Preliminares do Universo, 2011. Disponível: http://www.ibge.gov.br/. Acesso: 12 dez. 2016.

IPEA. Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros., 2015. Editores: Marco Aurélio Costa, Bárbara Oliveira Marguti. – Brasília, 2015. Disponível: http://ivs.ipea.gov.br/images/publicacoes/Ivs/publicacao_atlas_ivs.pdf. Acesso: 12 dez. 2016.

Leite, A. M. A., 2012. O Município de Arapiraca/AL e sua Dinâmica Histórica de Ocupação e Renda.

Liverman, D. M., 1994. Vulnerability to global environmental change. in: Cutter, S.L. (Org.). Environmental risks and hazards. Prentice-Hall, London, pp. 326-342.

Lopes, J. L. S., 2013. Proposta de indicadores de sustentabilidade aplicado para o estudo da vulnerabilidade da comunidade de Batoque-Aquiraz/CE. Tese (Doutorado). Fortaleza, UFC.

Marandola JR.; Hogan, D. J., 2004. Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambiente & Sociedade, 7, 95-109. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2004000200006. Acesso: 11 dez. 2017.

Marandola JR.; Hogan, D. J., 2005. Vulnerabilidades e riscos: entre geografia e demografia. Revista Brasileira de Estudos de População. São Paulo, 22, 29-53. Disponível: https://www.rebep.org.br/revista/article/view/253. Acesso: 12 dez. 2016.

Mendonça, F., 2004. Riscos, vulnerabilidade e abordagem socioambiental urbana: uma reflexão a partir da RMC e de Curitiba. Desenvolvimento e Meio Ambiente. 10, 139-148. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v10i0.3102. Acesso: 12 dez. 2017.

Mendonça, F. A.; Leitão, S. A. M., 2008. Riscos e vulnerabilidade socioambiental urbana: uma perspectiva a partir dos recursos hídricos. GeoTextos, 4, 145-163. Disponível: https://portalseer.ufba.br/index.php/geotextos/article/viewFile/3300/2413. Acesso: 11 dez. 2017.

Mitchell, J. K., 1989. Hazards research, in: Gaile, G. L.; Willmott, C. J. (Org.) Geography in America. Merrill, Columbus, 410-424.

Pereira, R. R., 2009. Planejamento Territorial: suas implicações para a promoção da saúde e da justiça ambiental. GEOUSP: Espaço e Tempo, 26, 19-27.

PDMA. Plano Diretor Participativo do Município de Arapiraca., 2006. Diagnóstico técnico-comunitário. Arapiraca.

PMA. Prefeitura Municipal de Arapiraca., 2007. Coordenação para Elaboração da Agenda 21. Relatório das características ambientais do município de Arapiraca-AL. Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente-SEDUMA. Arapiraca.

Villaça, F., 2001. Espaço intra-urbano no Brasil. Editora Studio Nobel, São Paulo.

White, G. F., Kates, R. W., Burton, I., 2001. Knowing better and losing even more: the use of knowledge in hazards management. Environmental hazards 3, 81-92.

Zanella, M. E., Costa, M. C. L., Panizza, A. C., Rosa, S. V., 2009. Vulnerabilidade socioambiental de Fortaleza. in: Dantas, E. W. C., Costa, M. C. L. (Org.), Vulnerabilidade socioambiental: na região metropolitana de Fortaleza. Edições UFC, Fortaleza, pp. 191-215.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.4.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License