Índice de Vulnerabilidade Geral para municípios do semiárido brasileiro

Jaricélia Patrícia Oliveira Sena, João Miguel Moraes Neto, Daisy Beserra Lucena

Resumo


Nas últimas décadas, estudos científicos que enfatizam a temática da vulnerabilidade e adaptação à mudança do clima vêm crescendo devido aos impactos de alguns eventos extremos como, chuva em excesso, escassez, ondas de calor afetando diretamente a sociedade humana. Neste contexto, o presente estudo objetivou analisar o Índice de Vulnerabilidade Geral (IVG), que se baseia em indicadores socioeconômicos, epidemiológicos e climáticos, em municípios distribuídos nos estados inseridos na região semiárida brasileira. Neste caso, especificamente, o Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Os dados utilizados para o recorte temporal entre 1995 e 2018 são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Departamento de Informática do SUS (DATASUS) e do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Em relação aos resultados, eles evidenciam o índice de vulnerabilidade socioeconômica (IVSE) em relação aos demais, destacando as categorias de demografia, educação e saneamento. O município de Campina Grande foi o que apresentou alto índice de vulnerabilidade epidemiológica (IVE), em razão dos altos índices de dengue (0,733), leptospirose (1,000) e esquistossomose (1,000). Já os municípios de Apodi e Cruzeta exibiram alto índice de vulnerabilidade climática (IVC) decorrentes dos elevados números de eventos extremos de chuva.  Ademais, o índice de vulnerabilidade geral (IVG) indicou que as dimensões mais acentuadas para indícios de aumento foram o IVC e o IVSE, com exceção de Campina Grande que apresentou alto IVE.

 

General Vulnerability Index Regarding the Municipalities in Brazilian Semi-Arid Region

 

ABSTRACT

In recent decades, some scientific studies that emphasize the issue of vulnerability and adaptation to the climate change have been growing due to the impacts of some extreme events such as excessive rain, drought, heat waves that directly affect human society. In this context, the aim of this study it is to analyze though means of the General Vulnerability Index (IVG), which is based on socioeconomic, epidemiological and climatic indicators, in municipalities distributed in the states of Rio Grande do Norte, Paraíba, and Pernambuco, all inserted in the semiarid region of Brazil. The data that had been used refers to a period from 1995 to 2018 and they were based on the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), the Department of Informatics of SUS (DATASUS), and the National Institute of Meteorology (INMET). Regarding the results, they show the socioeconomic vulnerability index (IVSE) in relation to the others, highlighting the categories of demography, education and sanitation. According to data Campina Grande was the place that presented high index of epidemiological vulnerability (IVE), as a result of the high rates of dengue (0.733), leptospirosis (1,000) and schistosomiasis (1,000). The municipalities of Apodi and Cruzeta exhibited a high index of climatic vulnerability (CVI) due to the elevated occasions of extreme rains. In addition, the general vulnerability index (IVG) indicated that the most accentuated dimensions for evidence of increase were IVC and IVSE.

Keywords: Indicators; Socioeconomic; Epidemiological; Climate


Palavras-chave


Indicadores; Socioeconômicos; Epidemiológicos; Climáticos

Texto completo:

PDF

Referências


Adger, W. N. (1999). Social Vulnerability to Climate Change and Extremes in Coastal Vietnam. World Development, v. 27, n. 2, p. 249-269. Disponível: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download

Alves, H. P. F. (2006). Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n. 1, p. 43-59.

Araújo, J. A. S. (2016). A Consolidação de um polo regional: serviços de saúde e centralidade em Campina Grande, Paraíba. Revista Política e Planejamento Regional, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 205 – 220. ISSN: 2358-4556.

Blaikie, P. M.; Cannon, T.; Davis, I.; Wisner, B. (1994). Atrisk: natural hazards, people’s vulnerability, and disasters. London: Routledge.

BRASIL. (2005). Ministério da Integração Nacional. Nova delimitação do Semiárido brasileiro. Brasília, DF, p. 32.

Brooks, N.; Adger, W. N.; Kelly, P. M. (2005). The determinants of vulnerability and adaptive capacity at the national level and the implications for adaptation. Global Environmental Change. Edição 2, v. 15, p. 151 – 162.

Cardona, O. D. (2004). The need for rethinking the concepts of vulnerability and risk from a holistic perspective: a necessary review and criticism for effective risk management. In: Bankoff, G.; Frerks, G.; Hilhorst, D. Mapping Vulnerability, Disasters, Development and People. London: Earthscan, p. 37-51.

Confalonieri, U. E.; Marinho, D P.; Rodriguez, R. E. (2009). Public Health Vulnerability to Climate Change in Brazil. Climate Research, v. 40, p. 175-186.

Curriero, F. C.; Patz, J.A.; Rose, J.B.; Lele, S. (2001). The Association Between Extreme Precipitation and Waterborne Disease Outbreaks in the United States, 1948-1994. American Journal of Public Health, v. 91, n. 8, p. 1194-1199.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico, 2010. Disponível em < http://www.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/ >.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. IDH. Disponível em < http://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=IDH&searchphrase=all&filtrofacetas=localidade&start=20>.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Disponível em < http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>.

IPCC - Mudança do Clima 2007: Impactos, Adaptação e Vulnerabilidade - Contribuição do Grupo de Trabalho II ao Quarto Relatório de Avaliação do IPCC. Genebra / Suíça: Secretariado do IPCC, p. 28.

Martins, S. R., Schlindwein, S. L., D’Agostini, L. R., Bonatti, M., Vasconcelos, A. C. F., Hoffmann, A. F., Fantini, A. C. (2010). Mudanças Climáticas e Vulnerabilidade na Agricultura: desafios para desenvolvimento das estratégias de mitigação e adaptação. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 17. ISSN: 2176 9478.

Molion, L. C. B.; Bernardo, S. O. (2002). Uma Revisão da Dinâmica das Chuvas no Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 17, n. 1, p. 1-10.

Montgomery, D. C. (2004). Introduction to Statistical Quality Control. Tradução de Ana Maria Lima de Farias e Vera Regina Lima de Farias e Flores. 4th Edition, New York: John Wiley.

Nóbrega, R.S.; Santiago, G.A.C.F.; Soares, D.B. (2016). Tendências do controle climático oceânico sob a variabilidade temporal da precipitação no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de climatologia. v.18, n. 12. ISSN: 1980055x (Impressa) 2237-8642 (Eletrônica).

O’brien, K. L.; Eriksen, S.; Nygaard, L. P.; Schjolden, A. (2013) Why diferente interpretations of vulnerability matter in climate change discourses. Climate Policy, v.7, n.1, p.73-88. DOI: https://doi.org/10.3763/cpol.2007.0706.

Patz, J. A.; Mcgeehin, M.A.; Bernard, S.M.; Ebi, K.L.; Epstein, P.R.; Grambsch, A.; Gubler, D.J.; Reither, P.; Romieu, J.; Rose, J.B.; Samet, J.M.; Trtanj, J. (2000). The potential health impacts of climate variability and change for the United States: executive summary of the report of the health sector of the US National Assessment. Environmental Health Perspectives, v. 108, n. 4, p. 367-376.

Pelling, M.; Uitto, J. I. (2001). Small Island Developing States: natural disasters vulnerability and global change. Global Environmental Change, Part B Environmental Hazard, v. 3, n. 2, p. 49-62.

Santos, M.R.S.; Vitorino, M.I.; Pimentel, M.A.S. (2017). Vulnerabilidade e mudanças climáticas: análise socioambiental em uma mesorregião da Amazônia. Revista Ambiente e Água, v.12, n. 5, Taubaté.

Sena, J. P. O.; Moraes Neto, J. M.; Lucena, D. B. (2017). Painel têmporo-espacial e box-plot para a análise da pluviosidade na região do Cariri Paraibano. Revista Brasileira de Agrotecnologia (BRASIL), v. 7, n. 3, p. 111 – 122. ISSN: 2317-3114.

Sivakumar, M. V. K.; Das, H. P.; Brunini, O. (2005). Impacts of present and future climate variability and change on agriculture and forestry in the arid and semi-arid tropics. Climatic Change, New York, v. 70, n. 1, p. 31-72.

Triola, M. F. (2005). Introdução à estatística. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, p. 682.

Tibúrcio, L.H.; Corrêa, M.P. (2012). Análise de vulnerabilidade da microrregião de Itajubá por meio do IVG com vistas à mitigação dos impactos causados pelas mudanças climáticas. Revista Ambiente e Sociedade, São Paulo, v.15, n.3. p. 123-139.

Torres, H. G.; Ferreira, M. P.; Dini, N. P. (2003). Indicadores sociais: por que construir novos




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p310-321

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License