Diagnóstico de Vulnerabilidade Socioambiental em Áreas Urbanas Utilizando Inteligência Geográfica

Gabriela de Azevedo Reis, Antonio Júnior Alves Ribeiro, Carlos Augusto Uchoa da Silva

Resumo


Os impactos causados por desastres naturais podem ser minimizados ao identificar populações em situação de vulnerabilidade. Para contribuir com o planejamento territorial e reduzir tais impactos, este trabalho analisa metodologias para identificação espacial da vulnerabilidade socioambiental. Foi estudada a bacia do rio Mané Dendê, em Salvador, caracterizada pelo alto adensamento populacional e concentração da população de baixa renda, com ocorrências de ocupações irregulares. Para a geração dos produtos foram utilizadas técnicas de geoprocessamento, identificando espacialmente as áreas de risco e as populações em situação de vulnerabilidade e representá-las graficamente, obtendo mapas temáticos como resultado. O mapa de vulnerabilidade ambiental foi gerado ao identificar áreas de risco de deslizamento de terra e inundação. Foi determinado um Índice de Vulnerabilidade Social baseado no censo demográfico do IBGE, gerando o mapa de vulnerabilidade social. O mapa de vulnerabilidade socioambiental foi gerado por álgebra de mapas. A metodologia de obtenção da vulnerabilidade social foi considerada satisfatória e segue os padrões adotados em trabalhos aplicados no Brasil e internacionalmente. É recomendado que seja feita uma análise dos critérios de vulnerabilidade ambiental, para que o resultado possa representar uma ferramenta mais segura para a tomada de decisão.

 

Social-Environmental Vulnerability Diagnosis in Urban Areas Using Geomatics

 

A B S T R A C T

The impacts caused by natural disasters can be minimized by identifying populations in situations of social vulnerability. Aiming to contribute with land-use planning and to reduce such impacts caused by these natural disasters in urban centers, this project proposes a methodology to for spatial identification of social and environmental vulnerability. The method was applied in Mané Dendê River’s basin, at Salvador, Bahia. This study area is characterized by its high population density and great concentration of low income population, with high occurrence of irregular settlements. It was used geoprocessing techniques to identify the areas and the population that are vulnerable and graphically represent them through the generation of thematic maps. The environmental vulnerability map was generated through identifying the areas with risk of landslide and floods. It was determined a Social Vulnerability Index based on the 2010 census database published by the Brazilian Institute of Geography and Statistics. Then, it was generated the social vulnerability map. The social and environmental vulnerability map was made by applying the map algebra technique. The social vulnerability method was considered satisfactory once it follows the pattern adopted by similar works, applied in Brazil and around the world. However, it is recommended for future works a deeper analysis of the criteria used to obtain the environmental vulnerability

map so that the final result will be able to represent a reliable tool for the decision making in the scope of territorial management planning.

Keywords: geoprocessing, zoning, social vulnerability, environmental vulnerability.


Palavras-chave


Geoprocessamento. Zoneamento. Vulnerabilidade ambiental. Vulnerabilidade social.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, L. Q., 2010. Vulnerabilidades Socioambientais de Rios Urbanos. Tese (Doutorado). Rio Claro. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Alves, H. P. F., 2006. Vulnerabilidade Socioambiental na Metrópole Paulistana: uma Análise Sociodemográfica das Situações de Sobreposição Espacial de Problemas e Riscos Sociais e Ambientais. Revista Brasileira de Estudos de População [online]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S010230982006000100004. Acesso: 25 abr.2019.

Alves, H. P. F., 2013. Análise da Vulnerabilidade Socioambiental em Cubatão-SP por Meio da Integração de Dados Sociodemográficos e Ambientais em Escala Intraurbana. Revista Brasileira de Estudos de População [online]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-30982013000200002 Acesso: 19 abr.2019.

BRASIL, 2012. Lei nº 12651, de 25 de maio.

Carvalho, D. L., Lima, A. V., 2010. Metodologias para Avaliação de Impactos Ambientais de Aproveitamentos Hidrelétricos. In: Encontro Nacional dos Geógrafos, 16. 2010, Porto Alegre. Anais..., Porto Alegre: AGB.

Cremonez, F. E., Cremonez, P. A., Feroldi, M., Camargo, M. P., Klajn, F. F., Feiden, A., 2014. Avaliação de impacto ambiental: metodologias aplicadas no Brasil, Remoa 13, 3821-3830.

Cutter, S. L., 1996. Vulnerability to Environmental Hazards. Progress in Human Geography 20, 529-539. DOI: https://doi.org/10.1177/030913259602000407

Cutter, S. L., Boruff, B. J., Shirley, W. L., 2003. Social Vulnerability to Environmental Hazards. Social Science Quarterly 84, 242-261. DOI: https://doi.org/10.1111/1540-6237.8402002

Cutter, L. S., 2011. A Ciência da Vulnerabilidade: Modelos, Métodos e Indicadores. Revista Crítica de Ciências Sociais 93,59-69. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.165

Deschamps, M. V., 2004. Vulnerabilidade Socioambiental na Região Metropolitana de Curitiba. Tese (Doutorado). Curitiba, Universidade Federal do Paraná.

Fernandes, M. C., Lagüéns, J. V. M., Netto, A. L. C., 1999. O Processo de Ocupação por Favelas e sua Relação com os Eventos de Deslizamentos no Maciço da Tijuca/RJ. Anuário do Instituto de Geociências UFRJ 22, 45-59.

Garcia, R. F., Matos, R., 2007.A Distribuição Espacial da Vulnerabilidade Social das Famílias Brasileiras. In: Seminário população, pobreza e desigualdade, 2007, Belo Horizonte. Seminário População, Pobreza e Desigualdade. Belo Horizonte: ABEP.

Guidicini, G., Nieble, C. M.,1983. Estabilidade de Taludes Naturais e de Escavação, 2 ed. Edgard Blücher, São Paulo.

Hyndman, D., Hyndman, D., 2011. Natural Hazards and Disasters, 3ed. Books-Cole, Canadá.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro.

Jesus, C. F. P., Dias, N. W., Cruz, M. A. S., 2014. Vulnerabilidade Socioambiental na Bacia do Rio Japaratuba em Sergipe a Partir da Álgebra de Mapas. Reveng, Viçosa 22, 50-57. DOI: https://doi.org/10.13083/reveng.v22i1.437

Kobiyama, M., Mendonça, M., Moreno, D. A., Marcelino, I. P. V. O., Marcelino, E. V., Gonçalves, E. F., Brazetti, L. L. P., Goerl, R. F., Molleri, G. S. F., Rudorff, F. M., 2006. Prevenção de Desastres Naturais: Conceitos Básicos, 1ed. Organic Trading, Curitiba.

Marcelino, E. V., 2008. Desastres Naturais e Geotecnologias: Conceitos Básicos. Santa Maria-RS: CRS/INPE.

Medeiros, C. B, 2014. Vulnerabilidade Socioambiental do Município de Caucaia (CE): Subsídios ao Ordenamento Territorial. Tese (Doutorado). Fortaleza, Universidade Estadual do Ceará.

Pimentel, G., Pires, S. H., 1992. Metodologias de Avaliação de Impacto Ambiental: Aplicações e Seus Limites. Revista de Administração Pública 26, 56-68.

Plate, E. J., 2002. Flood Risk and Flood Management. Journal of Hydrology, 267, 2-11. DOI: 10.1016/S0022-1694(02)00135-X

Santos, R. F., 2007. Vulnerabilidade Ambiental: desastres ambientais ou fenômenos induzidos? MMA, Brasília.

Schmidtlein, M. C., Deutsch, R. C., Piegorsch, W. W., Cutter, S. L., 2008. A Sensitivity Analysis of the Social Vulnerability Index. Risk Analysis 28, 1009- 1114. DOI: 10.1111/j.15396924.2008.01072.x

Selby, M. J., 1993. Hillslope Materials and Processes, 2 ed. Oxford University Press, Oxford.

Silveira, H. L. F., Vetorazzi, C. A., Valente, R. A., 2014. Avaliação Multicriterial no Mapeamento da Suscetibilidade de Deslizamentos de Terra, Revista Árvore, Viçosa-MG 38, 973-982. DOI: https://doi.org/10.1590/S010067622014000600002.

Simões, J. G. G., Jardim, C. H., Parizzi, M. G., Zanovello, R., 2012. Análise do Risco de Enchentes e Inundações na Av. Cristiano Machado, Belo horizonte, MG. Revista GeoNORTE 1,867-880.

Tagliani, C. R. A., 2002. A Mineração na Porção Média da Planície Costeira do Rio Grande do Sul: Estratégia para a Gestão Sob um Enfoque de Gerenciamento Costeiro Integrado. Tese (Doutorado). Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Tominaga, L. K., Amaral, R., Santoro, J., 2009. Desastres Naturais: Conhecer para Prevenir, 1 ed. Instituto Geológico, São Paulo.

UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, 2012. Atlas Brasileiro de Desastres Naturais 1991 a 2010. Florianópolis.

UN/ISDR. United Nations International Strategy for Disaster Reduction, 2004. Living with Risk: A Global Review of Disaster Reduction Initiatives. Geneva.

Vargas, H. L., 2008. Ocupação irregular de APP urbana: um estudo da percepção social acerca do conflito de interesses que se estabelece na lagoa do Prato Raso, em Feira de Santana, Bahia. Sitientibus 1, 7-36.

Veyret, Y., 2007. Os Riscos: o Homem como Agressor e Vítima 1 ed. Contexto, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p767-781

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License