Cenários de Risco Sob a Perspectiva da Ecossocioeconomia: Educação e Participação Cidadã (Risk Scenarios from the Ecosocioeconomics Perspective: Citizen Education and Participation)

Cristiane Mansur de Moraes Souza, Ângela Maria Cavalcanti Ramalho, Cidoval Moraes de Sousa, Júlia Bastos Souza, Ana Paula Tabosa Sanches

Resumo


Objetiva-se discutir a problemática das condições de riscos e vulnerabilidades socioambientais nos cenários do médio do Vale do Itajaí (SC) e do semiárido paraibano, respectivamente, no Sul e no Nordeste do Brasil, sob a perspectiva da ecossocioeconomia. Parte-se do pressuposto de que o alcance dos dois problemas emblemáticos de (i) excesso e de (ii) escassez de água apresentam riscos sociais e ambientais. Com base em um argumento socioambiental é relevante compreender que a questão do excesso de água no Vale do Itajaí apresenta um indicador significativo de vulnerabilidade resultante das cheias, deslizamentos e enxurradas na localidade. Enquanto a questão da escassez de água no semiárido nordestino se debruça sobre os acontecimentos recentes das arboviroses Dengue, Zika e Chikungunya. A metodologia da pesquisa se caracterizada por um diagnóstico descritivo explicativo de caráter exploratório. O estudo acerca do Vale do Itajaí envolve trabalhos de campo e levantamento de dados quali-quantitativos, enquanto a pesquisa sobre o semiárido nordestino foi desenvolvida com base em dados secundários de documentais oficiais por meio de abordagem quantitativa. Os principais resultados apontam para argumentos os quais enfatizam que com o crescente aumento da população urbana em todo o mundo é premente incorporar o conhecimento dos riscos e vulnerabilidades a que a esta população está sujeita. Medidas de mitigação e adaptação a estes riscos que aumentem a resiliência sócio ecológica são evidentemente necessárias e precisam ser incluídas no planejamento e na gestão das cidades. Estas medidas necessitam reforçar a legitimidade nos processos de governança por meio da participação social.

 

 

A B S T R A C T

The objective of this study is to discuss the socioenvironmental risk and stage of vulnerability on the scenarios of the Medio Vale do Itajaí (SC- Brazil) and on the Semi-Arid region of Paraiba (Brazil), respectively, in the South and Northeast of Brazil, under the Eco-socioeconomics perspective. It is assumed that the achievement of the two emblematic problems of (i) too much and (ii) lack of water, might give a warming of social and environmental risks. Based on a socio-environmental argument, it is relevant to understand that the issue of too much water in the Itajaí Valley presents a significant vulnerability indicator of floods and landslides locality. While the issue of lack of  water in the northeastern semi-arid region is focused on Dengue, Zika and Chikungunya arboviruses. The research methodology is characterized by a descriptive explicative diagnosis by an exploratory approach. The study about the Itajaí Valley involves fieldwork and qualitative and quantitative data collection, while research on the semi-arid Northeast was developed based on secondary data from official documentaries through a quantitative approach. The main results point out that after considering the urban population growth worldwide, it is imperative to incorporate the knowledge of risks assessment and the social environmental vulnerabilities to which this population is subject. Mitigation and adaptation measures to these risks that increase socio-ecological resilience are clearly necessary and need to be included in city planning and management. These measures need to reinforce legitimacy in governance processes through social participation.

Keywords: Social environmental vulnerability; participation; Paraíba; Vale do Itajaí.

 


Palavras-chave


bacias hidrográficas;

Texto completo:

PDF

Referências


Avila, M. R. R.; Mattedi, M. A., 2015. As dimensões políticas da produção de desastres: o caso do território do Vale do Itajaí/SC. Disponível: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidr/article/viewFile/13308/2474. Acesso: 30 mai. 2017.

Artaxo, P., 2014. Mudanças climáticas e o Brasil. Revista Usp [online] 103. Disponível: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/99191/97658. Acesso: 28 mai. 2017.

Beck, U., 1999. World risk society. Polity Press, Cambridge.

Biggs, R., Schlüter, M., Schoon, M.L., 2015. Principles for Building Resilience: Sustaining Ecosystem Services in Social–Ecological Systems. Cambridge University Press, Cambridge.

CEPED UFSC. Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil, 2007. Atlas de Desastres Naturais de Estado de Santa Catarina. Disponível: http://www.ceped.ufsc.br/atlas-de-desastres-naturais-do-estado-de-santa-catarina-ceped/ Acesso: 26 mai. 2017.

CEPED UFSC. Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil, 2016. Relatório dos Danos Materiais e Prejuízos Decorrentes de Desastres Naturais em Santa Catarina. Disponível: http://www.ceped.ufsc.br/relatorio-dos-danos-materiais-e-prejuizos-decorrentes-de-desastres-naturais-em-santa-catarina/ Acesso: 25 mai. 2017.

Costa, H.S.M., 2008. Meio ambiente e desenvolvimento: um convite à leitura, in: Hisa, C.E.V. (Orgs.) Saberes Ambientais. UFMG, Belo Horizonte, pp. 50-62.

Gibson, R. B., 2006. Beyond the pillars: sustainability assessment as a framework for effective integration of social, economic and ecological considerations in significant decision making. Journal of environmental assessment policy and management [online] 8. Disponível: https://doi.org/10.1142/S1464333206002517. Acesso: 10 abr. 2018.

Goldblatt, D., 1996. Teoria social do ambiente. Piaget, Lisboa.

Guivant, J., 1998. A trajetória das análises de risco, da periferia ao centro da teoria social. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais [online] 46. Disponível: http://www.anpocs.com/index.php/universo/acervo/biblioteca/periodicos/bib/bib-46/487-bib-46-integra/file. Acesso: 28 mai. 2017.

MA. MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT, 2005. Ecosystem and human Well-Being: Synthesis. Island Press, Washington.

Mattedi, M. A., Frank, B., Sevegnani, L., Bohn, N., 2009. O desastre se tornou rotina, in: Frank, B.; Sevegnani, L. (Org.), Desastre de 2008 no Vale do Itajaí: água, gente e política. Agência de Água do Vale do Itajaí, Blumenau, pp. 12-21.

Maricato, E., 2003. Metrópole, legislação e desigualdade. Estudos avançados [online] 17. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000200013. Acesso: 30 mai. 2017.

Mello, S. S., 2005. Ocupações urbanas em margens de cursos d’água: articulação entre os enfoques ambiental e urbanístico, in: Faria, S. C.; Oliveira, W. C. (Org.), Fundamentos conceituais do planejamento e gestão ambiental. Universa, Brasília, pp. 270-280.

Milani, C. R. S., 2008. O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e europeias. RAP - Revista de Administração Pública [online] 42. Disponível: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6645/5229. Acesso: 22 abr. 2017.

Reed, M., Evely, A.C., Cundill, G., Fazey, I., Glass, J., Laing, A., Newig, J., Parrish, Prell, C., Rayomond, C. and Stinger, L.C., 2010. What is social learning? Ecology and Society [online] 15. Disponível: http://www.ecologyandsociety.org/vol15/iss4/resp1/. Acesso: 30 mai. 2017.

Reyers, B., Biggs, R.; Cumming, G.S., Elmqvist, T., Heynowicz, A.P. e Polasky, S., 2013. Getting the measure of ecosystem services: a social-ecological approach. Frontiers in Ecology and the environment [online] 11. Disponível: https://doi.org/10.1890/120144. Acesso: 06 abr. 2018.

Rocha, E., Burstyn, M.A., 2005. A importância da participação social na sustentabilidade do desenvolvimento local. Revista Internacional de Desenvolvimento Local [online] 7. Disponível: http://www.interacoes.ucdb.br/article/view/496/540. Acesso: 22 abr. 2017.

Sachs, I., 1997. Desenvolvimento numa Economia Mundial Liberalizada e Globalizante: um desafio impossível. Estudos Avançados [online] 11. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141997000200014. Acesso: 06 abr. 2018.

Säljö, R., 1981. Learning approach and outcome: some empirical observations. Instructional Science [online] 10. http://dx.doi.org/10.1007/BF00124566. Acesso: 06 abr. 2018.

Samagaia, J., 2010. Globalização e Cidade: Reconfigurações dos Espaços de Pobreza em Blumenau/SC. Tese (Doutorado). Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina.

Sampaio, C.A.C., 2010. Gestão que privilegia uma outra economia: ecossocioeconomia das organizações. Edifurb, Blumenau.

SES. Secretaria de Estado de Saúde da Paraíba, 2017. Boletim da Dengue, Zika e Chikungunya com dados finais de 2016. Disponível: http://static.paraiba.pb.gov.br/2015/09/Boletim-da-dengue-N%C2%BA-09-2016-de-agosto-1.pdf .Acesso: 10 jan 2017.

Siebert, C., 2012. Resiliência urbana: planejando as cidades para conviver com fenômenos climáticos extremos. Disponível em: http://www.anppas.org.br/encontro6/anais/ARQUIVOS/GT11-810-612-20120622201129.pdf. Acesso: 25 mai. 2017.

SIGAD, Sistema de Informações Gerenciais e de Apoio à Decisão. Informações socioeconômicas de Blumenau. Disponível: http://www.furb.br/web/4842/observatorio-do-desenvolvimento regional/sigad/apresentacao. Acesso: 23 nov. 2016.

Walker, B., Salt, D., 2006. Resilience thinking: sustaining ecosystems and people in a changing world. Islandpress, London.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.4.p1593-1608

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License