Geoprocessamento aplicado ao mapeamento de risco a incêndios

Víncler Fernandes Ribeiro de Oliveira, Edson Rodrigo dos Santos da Silva, Erivelton Pereira Vick, Bruno Henrique Machado da Silva, César Gustavo da Rocha Lima, Vitor Matheus Bacani

Resumo


Os incêndios florestais são uma real ameaça a manutenção da biodiversidade dos ambientes naturais e antrópicos, impondo severos prejuízos financeiros, sociais e mesmo humanos às áreas atingidas, portanto a identificação das áreas de maior probabilidade de ocorrência torna-se questão chave para o planejamento e gestão ambiental. O objetivo deste trabalho foi identificar as áreas que apresentam risco a incêndios no município de Coxim–MS. Os procedimentos metodológicos constituíram-se na combinação ponderada das variáveis processadas por meio da lógica Fuzzy: declividade, orientação das vertentes, precipitação, rodovias, área urbana, rede hidrográfica, uso e cobertura da terra e hotspot. Os resultados apresentaram concentração do alto risco de incêndio na região central e em uma pequena parte no oeste, influenciadas principalmente por hotspots, baixa pluviosidade, distância acentuada da rede de drenagem e ao uso e cobertura da terra. Identificou-se também um predomínio do médio risco, o qual ocupou 86,73% da área total do município, enquanto o baixo risco ocupou 10,17% do total. Os resultados observados podem contribuir na prevenção e no combate aos incêndios, oportunizando subsídios para o delineamento de estratégias e políticas públicas voltadas para o planejamento e ordenamento do território.

 

Geoprocessing applied to fire risk mapping

 

A B S T R A C T

Forest fires are a real threat to maintaining the biodiversity of natural and anthropogenic environments, imposing severe financial, social and even human damage to the affected areas, so identifying the areas most likely to occur becomes a key issue for planning and management environmental. The objective of this study was to identify the areas that present a fire risk in Coxim-MS. The methodological procedures consisted of the weighted combination of the fuzzified variables: slope, aspect, rainfall, highways, urban area, hydrographic network, land use and land cover and hotspot. The results showed concentration of the high fire risk in the central region and in a small part in the west, mainly influenced by hotspots, low rainfall, sharp drainage distance and land use and land cover. It was also identified a predominance of medium risk, which occupied 86.73% of the total area of the municipality, while low risk occupied 10.17% of the total. The observed results can contribute to the prevention and fight against fires, providing subsidies for the design of strategies and public policies for the planning and planning of the territory.

Key Word: geotechnologies, heat sources, Cerrado, Pantanal wetland, Mato Grosso do Sul.


Palavras-chave


Geotecnologias; Focos de Calor; Cerrado; Pantanal; Mato Grosso do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


Alho, C.J.R., 2005. The Pantanal. In FRASER, L. H., KEDDY, P. A. (Org.). The World's Largest Wetlands - Ecology and Conservation. New York, USA: Cambridge University Press, 203-271.

Anderson, L.O, Yamamoto, M., Cunningham, C., Fonseca, M. G., Fernandes, L. K., Pimentel, A., Brown, F., Silva Junior, C. H. L., Lopes, E. S. S., Moreira, D. S., Salazar, N., Andere L., Rosan, T. M., Reis, V., Aragão, L.E.O.C., 2017. Utilização de dados orbitais de focos de calor para caracterização de riscos de incêndios florestais e priorização de áreas para a tomada de decisão. Revista Brasileira de Cartografia [Online] 69, 1-15.

Antunes, M.A.H., 2000. Uso de satélites para detecção de queimadas e para avaliação do risco de fogo. Ação Ambiental 12, 24-27.

Assine, M. L., 2005. River avulsions on the Taquari megafan, Pantanal wetland, Brazil. Geomorphology 70, 357-371. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.geomorph.2005.02.013.

Assunção, R., Tetto, A.F., Batista, A.C., 2017. O uso tradicional do fogo no assentamento Vale Verde, em Gurupi/TO. Revista Espacios 1, 381-19.

Bacani, V.M., 2016. Geoprocessing applied to risk assessment of forest fires in the municipality of Bodoquena, Mato Grosso do Sul. Revista Árvore 40, 1003-1011. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-67622016000600005.

Barbosa, R. I., Fearnside, P. M., 1999. Incêndios na Amazônia Brasileira: estimativa da emissão de gases do efeito estufa pela queima de diferentes ecossistemas de Roraima na passagem do evento “El Nino” (1997/98). Acta Amazônica, Manaus 29, 513-534.

Brasil, 2016. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Atualização – Portaria MMA n°223, de 21 de junho de 2016. Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Brasília.

Coutinho, L.M., 1980. As Queimadas e seu Papel Ecológico. Revista Brasil Florestal, 10, 7-23.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, 2019. Atlas Pluviométrico do Brasil – Mapa de Isoietas de Precipitações Médias Anuais do Brasil. Base de dados Mapas e Publicações. Disponível: http://www.cprm.gov.br/publique/Hidrologia/Mapas-e-Publicacoes/Atlas-Pluviometrico-do-Brasil-1351.html. Acesso: 02 Ago. 2019.

Cunha, E.R., Bacani, V.M., 2015. Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao mapeamento geomorfológico da bacia hidrográfica do córrego Indaiá. Geousp – Espaço e Tempo [Online] 19, 630-646. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2015.107612

Dowdy, A.J., Fromm, M. D., McCarthy, N., 2017. Pyrocumulonimbus lightning and fire ignition on Black Saturday in southeast Australia, Journal of Geophysical Research: Atmospheres 122, 7342–7354. DOI: https://doi.org/10.1002/2017JD026577

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2019. Monitoramento por Satélite. Banco de Dados Climáticos do Brasil. Disponível: https://www.cnpm.embrapa.br/projetos/bdclima/. Acesso: 01 Nov. 2019.

ESRI, 2018. ArcGIS Desktop: Release 10. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

Estrabis, N.V., Marcato Junior, J., Pistori, H., 2019. Mapeamento da Vegetação Nativa do Cerrado na Região de Três Lagoas-MS com o Google Earth Engine. Revista Brasileira de Cartografia [Online] 71, 702-725. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/rbcv71n3-47461

Ferraz, S.F.B., Vettorazzi, C.A., 1998. Mapeamento de risco de incêndio florestal por meio de sistema de informações geográficas (SIG), Scientia Florestalis, 39-48.

Ferreira, H.R., Batista, A.C., Tetto, A.F., Kovalsyki, Santos, B., J.F.L.dos, 2020. Incêndios em vegetação em conjunto com outros materiais combustíveis na interface urbano-rural de Curitiba-PR. BIOFIX Scientific Journal 5, 108-113. DOI: dx.doi.org/10.5380/biofix.v5i1.67832

Forman, R.T.T., Collinge, S.K., 1997. Nature conserved in changing landscapes with and without spatial planning. Landscape and Urban Planning 37, 129-135. DOI: https://doi.org/10.1016/S01692046(96)00378-7

Franca-Rocha, W.J.S., Santos, S.M.B., Goncalves, A.J.B., Ferreira-Leite, F., 2017. Are There Mega Fires in Brazilian Savannas? The National Park of Chapada Diamantina Case (Bahia, Brazil) In: António José Bento Gonçalves; António Avelino Batista Vieira; Maria Rosário Melo Costa; José Tadeu Marques Aranha. (Org.). Wildfires: Perspectives, Issues and Challenges of the 21st Century. 1ed. Hauppauge, NY: Nova Science Publishers, 1, 29-54.

Gibson, C.M., Turestsky, M.R., Cottenie, K., Kane, E.S., Houle, G., Kasischke, E.S., 2016. Variation in plant community composition and vegetation carbon pools a decade following a severe fire season in interior Alaska. Journal of Vegetation Science 27, 1187–1197. DOI: https://doi.org/10.1111/jvs.12443

Gonçalves, N.G., Mesquita, F.W., Lima, N.R.G., Coslope, L.A., Lintomen, B.S., 2011. Recorrência dos Incêndios e Fitossociologia da Vegetação em Áreas com Diferentes Regimes de Queima no Parque Nacional da Chapada Diamantina. Biodiversidade Brasileira 1, 161-179.

Ibarra-Montoya, J.L., Huerta-Martínez, F.M., 2016. Modelado espacial de incendios: una herramienta predictiva para el Bosque La Primavera, Jalisco México. Ambiente & Água [Online] 11, 1-15. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.1536

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2020. Brasil em síntese: território. 2019, Disponível em: https://brasilemsintese.ibge.gov.br/territorio.html. Acesso: 23 mar. 2020

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2017. Coordenação de Geografia. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Rio de Janeiro.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Mapeamento de Recursos Naturais do Brasil. Rio de Janeiro. Escala: 1:250.000.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2019. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estimativas da População Residente no Brasil e Unidades da Federação com Data de Referência em 1º de Julho de 2019. Rio de Janeiro.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2019. Sistema de Monitoramento – Banco de Dados de Queimadas. Disponível: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/bdqueima das. Acesso: 03 Ago. 2019.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2020. Sistema de Monitoramento – Banco de Dados de Queimadas. Disponível: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/aq1km/. Acesso: 27 Mar. 2020.

Jaiswal, R.K., Mukherjee, S., Raju, K.D., Saxena, R., 2002. Forest fire risk zone mapping from satellite imagery and GIS. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation 4, 1-10. DOI: https://doi.org/10.1016/S0303-2434(02)00006-5

Kovalsyki, B., Casimiro Junior, L.D., Assunção, R., Travenisk, R.C.C., Tetto, A.F., Batista, A.C., 2019. Avaliação de espécies arbóreas para composição de cortinas de segurança contra incêndios florestais. Nativa 7, 197-203.

Kukavskaya, E.A., Buryak, L.V., Shvetsov, E.G., Conard, S.G., Kalenskaya, O.P., 2016. The impact of increasing fire frequency on forest transformations in southern Siberia. Forest Ecology and Management 382, 225-235. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foreco.2016.10.015.

Kunholtz-Lordat, G., 1938. La Terre In cendiée. Editions de la Maison Carrée, Ateliers Bruguier, Nimes.

Leite, C.C.S.de.S., Santos, S.M.B.dos, Franca Rocha, W.de.J.S.; Silva, A.de.B., Baptista, G.M.de.M., 2017. Análise dos incêndios ocorridos no parque nacional da Chapada Diamantina-Bahia em 2008 e 2015 com suporte em índices espectrais de vegetação. Revista Brasileira de Cartografia [Online] 69, 1-15.

Lopes, E.R.do.N., Silva, A.P.P., Peruchi, J.F., Lourenço, R.W., 2018. Zoneamento de risco de incêndio e queimadas no município de Sorocaba –São Paulo. Revista do Departamento de Geografia 36, 1-13. DOI: 10.11606/rdg.v36i0.148048

Matos, N.M.de., 2014. Incêndios florestais no bioma pantanal: dinâmica espacial e temporal entre 2003 e 2013. 2014. 107 f., il. Monografia (Bacharelado em Engenharia Florestal) - Universidade de Brasília, Brasília.

Meneses, B., 2015. Os Incêndios Florestais e a Qualidade da Água. In: VIII CONGRESSO IBÉRICO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO DA ÁGUA, 2013, Lisboa. Anais...Lisboa: Fundación Nueva Cultura del Agua, 869-875.

Miranda H.S., Sato M.N., Neto W.N., AIRES, F.S., 2009. Fires in the cerrado, the Brazilian savanna. In: Tropical Fire Ecology. Springer Praxis Books. Springer, Berlin, Heidelberg, pp 427-450.

Miranda, H.S., Rocha e Silva, E.P., Miranda, A.C., 1996. Comportamento do Fogo em Queimadas de Campo Sujo. In: Miranda, H. S.; Saito, C. H.; Dias, B. F. de S. (Org.) Impactos de queimadas em áreas de cerrado e restinga. Brasília: UnB, ECL, 1 – 10.

Mistry, J., Berardi, A., 2005. Assessing fire potential in a Brazilian Savanna nature reserve. Biotropica 37, 439-451. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1744-7429.2005.00058.x

MMA. Ministério do Meio Ambiente. O Bioma Cerrado, 2020. Disponível: http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado. Acesso: 23 Mar. 2020.

Molina, C.M., Galiana-Martín, L., 2016. Fire Scenarios in Spain: A Territorial Approach to Proactive Fire Management in the Context of Global Change. Forest 7, 1-17. DOI: https://doi.org/10.3390/f7110273

Nascimento, I.V., 2001. Cerrado: o fogo como agente ecológico. Territorium 8, 25-35. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_8_3

Oliveira, A.L.S.de., Nero, M.A., Tavares Júnior, J.R., Candeias, A.L.B., Nóbrega, R.A.A., 2017. Comparação e validação de modelagem especial de risco a incêndios considerando diferentes métodos de predição. Boletim de Ciência Geodésica 23, 1-22. DOI: https://doi.org/10.1590/s1982-21702017000400037

Omena, M.T.R.N.de., Araki, E.K.; Schimalski, M.B., Taniwaki, M.H.; Santos, P.S., 2016. Zoneamento do Risco de Incêndio Florestal para o Parque Nacional de São Joaquim – SC. Biodiversidade Brasileira 6, 173-186.

Parzen, E., 1962. On estimation of a probability density function and mode. The Annals of Mathematical Statistics 33, 1065- 1076.

Payette, S., Pilon, V., Couillard, P.L., Laflamme, J., 2017. Fire History of Appalachian Forests of the Lower St-Lawrence Region (Southern Quebec). Forest, 8, 120, 1-15. DOI: https://doi.org/10.3390/f8040120

Pezzopane, J.E.M., Oliveira Neto, S.N., Vilela, M.F., 2001. Risco de incêndios em função da característica do clima, relevo e cobertura do solo. Floresta e Ambiente 8, 161-166.

Por, F.D. 1995. The Pantanal of Mato Grosso (Brazil) - World’s Largest Wetlands. Dordrecht, The Netherland: Kluvwer Academic Publishers.

Ratter, J.A., Ribeiro, J.F., Bridgewater, S., 1997. The Brazilian cerrado vegetation and threats to its biodiversity. Annals of Botany [Online] 80, 223-230. DOI: https://doi.org/10.1006/anbo.1997.0469.

Rebelo, F., 1996. Florestas e grandes incêndios florestais no mundo. Territorium 3, 1-6.

Ribeiro, L., Soares, R.V., Bepller, M., 2012. Mapeamento do risco de incêndio florestais no município de Novo Mundo, Mato Grosso do Sul, Brasil. Cerne Lavras 18, 117-126. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-77602012000100014

Rouw, A., 1994. Effect of fire on soil, rice, weeds and forest regrowth in a rain forest zone (Côte d’Ivoire). Catena 22, 133-152. DOI: https://doi.org/10.1016/0341-8162(94)90022-1

Santos, S.M.B. dos., Franca-Rocha, W. de J.S. da., Bento-Gonçalves, A.J., Baptista, G.M. de M., 2017. Quantificação e avaliação dos focos de calor no parque nacional da chapada diamantina e entorno no período de 2007 a 2016. Revista Brasileira de Cartografia [Online] 69, 701-712.

Seidl, R., Thom, D., Kautz, M., Martin Benito, D., Peltoniemi, M., Vacchiano, G., Wild, J., Ascoli, D., Petr, M., Honkaniemi, J., Lexer, M.J., Trotsiuk, V.; Mairota, P., Svoboda, M., Fabrika, M., Nagel, T.A., Reyer, C.P.O., 2017. Forest disturbances under climate change. Nature Climate Change 7, 395-402. DOI: https://dx.doi.org/10.1038/nclimate3303

Setzer, A.W., Sismanoglu, R.A., Martins, G., 2017. Metodologia do Cálculo do Risco de Fogo do Programa Queimadas do Inpe - Versão 10, Junho/2016. São José dos Campos: INPE, 31. Disponível em: . Acesso: 03 Ago. 2019.

Silva, E.R.S., 2020. Geomorfologia e Dinâmica Fluvial do Rio Paraguai no Trecho entre Cáceres-MT e Corumbá-MS. Dissertação (Mestrado em Geografia). Três Lagoas/MS, UFMS.

Silva, J.C.da., Fiedler, N.C., Ribeiro, G.A., Silva Junior, M.C.da., 2003. Avaliação de brigadas de incêndios florestais em unidades de conservação. Revista Árvore [Online] 27, 95-101. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622003000100013

Silva, J.S.V.; Pott, A.; Abdon, M.M.; Pott, V.J.; Santos, K.R., 2011. Projeto GeoMS: Cobertura vegetal e uso da terra do Estado de Mato Grosso do Sul. Campinas: Embrapa Informática Agropecuária.

Soares, R.V., 1984. Prevenção e controle de incêndios florestais. Curitiba: FUPEF, 160.

Soares, R.V., 1985. Incêndios florestais: controle e uso do fogo. Curitiba: FUPEF, 213.

Soares, R.V., 1992. Ocorrência de Incêndios em Povoamentos Florestais. Revista Floresta 22, 39-53.

Soares Neto, G.B., Bayma, A.P., Faria, K.M.de., Oliveira, E.Gde., Menezes, P.H.B.J., 2016. Risco de incêndios florestais no Parque Nacional de Brasília – Brasil. Territorium [Online] 23, 161-170. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/1647-7723_23_13.

Soares, R.V.; Batista, A.C.; Tetto, A.F., 2017. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. 2. ed. Editores independentes, Curitiba, pp 255.

Spera, S.A.; Galford, G.L.; Coe, M.T., Macedo, M.N.; Mustard, J.F., 2016. Land-use change affects water recycling in Brazil’s last agricultural frontier. Global Change Biology. [Online] 22, 3405–3413. DOI: https://doi.org/10.1111/gcb.13298

Steel, Z.L., Safford, H.D., Viers, J.H., 2015. The fire frequency-severity relationship and the legacy of fire suppression in California forests. Ecosphere 6, 1-23. DOI: http://doi.org/10.1890/ES14-00224.1.

Torres, F.T.P., Roque, M.P.B., Lima, G.S., Martins, S.V., Faria, A.L.L., 2017. Mapeamento do risco a incêndios florestais utilizando técnicas de geoprocessamento. Floresta e Ambiente (Online), Seropédica 24, 1-6. DOI: http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v15i1.1057

Turco, M., Jerez, S., Augusto, S., Tarín-Carrasco, P., Ratola, N., Jiménez-Guerrero, P., Trigo, R.M., 2019. Climate drivers of the 2017 devastating fires in Portugal. Scientific Reports, 9, 13886. DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-019-50281-2

Gouveia, C.M., Bistinas, I., Liberato, M.L.R., Bastos, A., Koutsias, N., Trigo, R., 2016. The outstanding synergy between drought, heatwaves and fuel on the 2007 Southern Greece exceptional fire season. Agricultural and Forest Meteorology 218–219, 135–145. DOI: https://doi.org/10.1016/j.agrformet.2015.11.023

Van Marle, M.J.E., Field, R.D., Van Der Werf G.R., Estrada de Wagt, I.A., Houghton, R.A., Rizzo, L.V., Artaxo, P., Tsigaridis, K., 2017. Fire and deforestation dynamics in Amazonia (1973–2014). Global Biogeochem Cycles 31, 24–38. DOI: https://doi.org/10.1002/2016GB005445

Vargas-Sanabria, D., Quesada-Román, A., 2018. Influencia geomorfológica en la vulnerabilidad a incendios forestales en el Área de Conservación Guanacaste, Costa Rica. Revista de Ciencias Ambientales [Online] 52 , 1-15. DOI: http://dx.doi.org/10.15359/rca.52-2.1.

Vettorazzi, C.A., Ferraz, S.F.B., 1998. Uso de sistemas de informações geográficas aplicados à prevenção e combate a incêndios em fragmentos florestais. Série Técnica IPEF, Piracicaba 12, 111 – 115.

White, L.A.S., White, B.J.A., Ribeiro, G.T., 2016. Modelagem espacial do risco a incêndio florestal para o município de Inhabuque – BA. Pesquisa Florestal Brasileira [Online] 36, 1 – 10. DOI: https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.85.850.

Zubkova, M., Boschetti, L. Zubkova, M., Boschetti, L., Abatzoglou, J.T., & Giglio, L., 2019. Changes in fire activity in Africa from 2002 to 2016 and their potential drivers. Geophysical Research Letters 46, 7643–7653. DOI: https://doi.org/10.1029/2019GL083469.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1194-1212

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License