Análise da dinâmica morfossedimentar no litoral de Paracuru – Ceará

Cristiano da Silva Rocha, Fábio Perdigão Vasconcelos, Delano Nogueira Amaral, Maria Bonfim Casemiro, Adely Pereira Silveira, Danilo Vieira dos Santos

Resumo


As praias são os ambientes costeiros de primeira interação continente-oceano, apresentam por esse motivo dinâmica morfológica intensa, tornando as comunidades que residem e causam intervenções antrópicas, mais vulneráveis. Com base nisso, o presente trabalho tem por objetivo identificar processos erosivos e deposicionais no litoral de Paracuru, Ceará. Para isso, foram realizadas atividades de campo entre os anos de 2018 e 2019, para traçar perfis de praia e realizar a coleta de sedimentos na área de berma e do estirâncio; os perfis topográficos foram realizados utilizando estação total conforme técnicas apontadas por Borges (1977). Além disso, para corroborar os dados foi mapeada a variação da linha de costa usando movimento da linha costeira do DSAS. Foram realizadas atividades de campo nas praias Boca do Poço, praia do Farol, praia Carnaubinha e praia da Barra indicadas pela equidistância e proximidade da sede urbana. Os resultados revelaram que há processo erosivo conforme balanço sedimentar negativo nas praias do Farol, Carnaubinha e da Barra. Nas praias Boca do Poço e Praia do Farol, os imóveis públicos e privados apresentam-se em alguns casos na faixa de praia, que por vezes é tomada pelas ondas com influência da preamar. E nesse contexto, a inundação dos estabelecimentos pode causar prejuízos, tornando assim a análise necessária para contribuir com subsídios às decisões político-governamentais.


Referências


Amaro, V.E.; Araújo, A.B., 2008. Análise Multitemporal da morfodinâmica da região costeira setentrional do Nordeste do Brasil entre os municípios de Grossos e Tibau, Estado do Rio Grande do Norte. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 8, n. 2, p. 77-100. Disponível em: http://www.aprh.pt/rgci/pdf/RGCI-140_Amaro.pdf. Acesso em: 14 jun. 2020.

Araujo, R.S.; Sprovieri, F.C.; Freitas, D.; Klein, A.H.F. 2010. Variação da morfologia praial e identificação de zonas de erosão acentuada (ZEA) na enseada do Itapocorói – SC. Brazilian Journal Aquatic. Science and Technologie, v. 14, n. 1, p. 29-38. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/bjast/article/view/2252/1599. Acesso: 21 jun. 2020.

Barbosa, G.R.; Silva Junior,G.C. 2005. Potenciometria e Fluxo Subterrâneo no Aqüífero Aluvionar do Baixo Curso do Rio Macaé, Município de Macaé-RJ. Anuário do Instituto de Geociências, v. 28, n. 2.

Bertrand, G., 2004. Paisagem e geografia física global. RA´E GA, v. 8, p. 141-152. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/3389/2718. Acesso em: 30 maio 2020.

Bird. E. 2008. Coastal Geomorfology: An introduction. Wiley and sons. Chichester, 411p. Disponível em: https://epdf.pub/queue/coastal-geomorphology-an-introduction73456185b3667ccf2cc9b9ddde77346c80836.html acesso em: 20 jul. 2020.

Brindeiro, F.O.S.; Morais, J.O. 2019. Dinâmica morfossedimentar da Praia do Balbino -Cascavel/Ceará, Brasil. Bol. geogr., Maringá, v. 37, n. 3, p. 123-137.

Bonetti, J., Rudorff, F. M., Campos, A. V. e Serafim, M. B. 2018. Geoindicator-based assessment of Santa Catarina (Brazil) sandy beaches susceptibility to erosion. SI: Management Strategies for Coastal Erosion Problems. Ocean e Coastal Management 156, 198-208.

Borges, A.C. 1977. Topografia Aplicada à Engenharia Civil. São Paulo: Edgard Blucher, 1977.

Ceará. Secretaria Estadual de Turismo. Evolução recente do turismo no Ceará. 2006/2016. Disponível em: https://www.setur.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/59/2016/11/evolucao-turismo-2006-2016-artigo.pdf. Acesso em: 21 maio 2019.

Dias, I.C.C.M.; Rocha-Barreira, C.A., 2011. Comportamento Morfodinâmico da Praia da Taíba, Nordeste do Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 11, n. 4, p. 421-431. Disponível em: https://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-256_Dias.pdf Acesso em: 21 jun. 2020.

Farias, E.G.G.; Maia, L.P. 2010. Uso de técnicas de geoprocessamento para a análise da evolução da linha de costa em ambientes litorâneos do Estado do Ceará, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 10, n.4, p. 521-544. Disponível em: http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci224_Farias_small.pdf. Acesso em: 23 jun. 2020.

FUNCEME. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. 2019. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2020.

Gois, L.A.; Oliveira, N.M G.A; Manso, V.A.V. 2013. Processos erosivos costeiros da praia de boa viagem. Mercator, v. 12, n. 27, p. 111-133. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2020

Guilherme, P.D.B.; Borzone, C.A.; Bueno, M L.; Lamour, M.R. 2015. Análise granulométrica de sedimentos de praias arenosas através de imagens digitais. Descrição de um protocolo de mensuração de partículas no software. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 19, n. 2. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2020.

Hernandez, J.O.; Santana, J.R.H; Cruz, E.E.; Guanche, C.D. Linares, A.P.M. 2016. Morfodinámica costera en la playa Bailén, costa sur del occidente de Cuba, entre los años 2003-2013. Investigaciones Geográficas, v. 1, n. 91, p. 56-69.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2011. Censo Demográfico, Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Indicadores Econômicos do Ceará. 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2018.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. 2012. Perfil Básico Municipal. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2020.

Leal, K.B.; Bonetti, J.; Pereira, P.S. 2020. Influência da orientação de praia na retração da linha de costa induzida por marés de tempestade: Armação e Canasvieiras, Ilha de Santa Catarina – SC. Revista Brasileira de Geografia Física, v.13, n.04, p. 1730-1753.

Lima, P.F.T.T.; Gregório, M.N.; Barreto, E.P.; Silva, C.F.A.; Manso, V.A.V.; Carneiro, M.C. S.M.; Silva, D.L. 2018. Estudos Sedimentológicos das praias dos municípios de Recife e Jaboatão dos Guararapes – Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física, v.11, n.7, p.2287-2314.

Maciel, A.B.C.; Silva, R.V.M.; Lima, Z.M.C. 2016. Processo erosivo e gestão costeira: Estudo de Caso da Praia de Ponta Negra, Natal/RN. Okara: Geografia em debate, v. 10, n. 2, p. 345-361. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2020.

Martins, K.A.; Pereira, P.S.; Lino, A.P.; Gonçalves, R.M., 2016. Determinação da erosão costeira no estado de Pernambuco através de geoindicadores. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 17, n. 3. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2020.

Morais, J.O.; Freire, G.S.S; Pinheiro, L.S.; Souza, M.J.N.; Carvalho, A.M.; Pessoa, P.R.; Oliveira, S.H.M. 2006. Erosão e progradação no Ceará. In: Muehe, D. (org.). Erosão e progradação no litoral brasileiro. Brasília: MMA.

Muehe, D., (Org.), 2018. Erosão e progradação do litoral brasileiro. Editora do MMA, Rio de Janeiro.

Muehe, D. Erosão costeira, mudança do clima e vulnerabilidade. 2013. In: Guerra, A.J.T; Jorge, M. C.O. (Org.). Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. São Paulo: Oficina de Textos.

Muehe, D. 2005. Aspectos Gerais da Erosão Costeira no Brasil. Mercartor, v. 4, n. 7, p. 97-110. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2020.

Pereira, A.Q. 2015. Urbanização-metropolização e vilegiatura no litoral Nordestino brasileiro. Mercator, v. 14, n. 4, p. 107-121.

Rocha, C.S. 2020. Análise socioambiental como subsídio à gestão integrada da zona costeira em Paracuru-ce. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2020.

Santos, A.L.S.; Amaro, V.E; Santos, M.S.T. 2015. Avaliação de metodologia de aquisição de dados para representação de feições morfológicas de praias arenosas através de modelo digital de elevação. Mercator, v. 14, n. 2, p. 137-155. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2020.

Short, A.D. Beaches. 1999. Handbook of beach and shoreface morphodynamics. John Wiley and Sons, p. 3-20.

Silva, M.T.; Lopes, D.N.; Rebouças, I. S.; Freires, E.V.; Neto, C.A.S.; Duarte, C.R.; Souto, M.V.S. 2019. Variação da linha de costa no litoral cearense (1984-2018). Revista Brasileira de Geografia Física, v.12, n. 07, p. 2551-2579. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/242270/34625. Acesso em: 08 jun. 2020.

Silva, G.E.B. 2019. Elaboração de mapa potenciométrico para análise do aquífero costeiro do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, porção sul da bacia de Campos, Rio de Janeiro/ Gabriel Eloy Botelho da Silva - Rio de Janeiro: UFRJ /IGeo.

Sousa, A.M.V.; Bezerra, A.C.V.; Lyra, T.M.; Alburquerque, M.S.V. 2017. Problemas e conflitos socioambientais no litoral do Município de Goiana, Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física, v.10, n. 06, p. 1934-1947.

Souza, C.R.G.; Souza Filho, P.W.M.; Esteves, S.L.; Vital, H.; Dillenburg, S.R.; Patchineelam, S.M; Addad, J.E. 2005. Praias Arenosas e Erosão Costeira. In: Souza, C.R. de G.; Suguio, K.; Oliveira, A.M.M.S.; Oliveira, A.M. (eds.), Quaternário do Brasil, Ribeirão Preto: Holos, p. 130-152.

Souza, C.R.G. 2009. A Erosão Costeira e os Desafios da Gestão Costeira no Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 1, n. 9, p. 17-37. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2020.

Sousa, P.H.G.O.; Carvalho, D.A.P.; Pinheiro, L. S. 2008. A Costa de Paracuru: Turismo, Ocupação e Perfil do Usuário. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 8, n. 2, p. 247-258.

Surguio, K, 1980. Rochas sedimentares: propriedades, gênese, importância econômica. São Paulo: Edgard Blucher.

USACE. 1995. Beach Morphology Analysis Package. Coastal Engineering Technical Notes (CETN II-34), U.S. Army Engineer Research and Development Center, Coastal and Hydraulics Laboratory. Vicksburg.

Vargas, T.; Gomes, M.G.; Belladona, R.; Adami, M.V.D. 2018. Aplicação do Interpolador IDW para Elaboração de Mapas Hidrogeológicos Paramétricos na Região da Serra Gaúcha. Scientia cum industria, v. 6, n. 3, p. 38 - 43.

Vasconcelos, F.P., 2005. Gestão Integrada da Zona Costeira: ocupação antrópica desordenada, erosão, assoreamento e poluição ambiental do litoral. Fortaleza: Premius.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License