Estrabismo acadêmico: notas sobre evangélicos e antropologia da religião

Gilvanildo Klebson Mendes Ferreira

Resumo


O presente artigo buscou problematizar a relação entre evangélicos e a esfera pública a partir da tensão presente em investigações realizadas por analistas sociais que, ao generalizarem os atores sociais, tomam esses religiosos como abjetos culturais. A observação se encontra, principalmente, na interseção entre os campos religioso, acadêmico e político, espaços onde os movimentos evangélicos buscam significar narrativas com alcance nacional. Nosso objetivo é, com os abalos sobre algumas noções e categorias na antropologia da religião causados pela expansão evangélica, descortinar esse enfrentamento pela própria academia. Para isso, apontamos possíveis ferramentas teórico-metodológicas na antropologia para fugir de perspectivas homogeneizantes, avessas ao que prega nossa disciplina. O caminho apontado foge da virada hermenêutica, propomos que esse modelo não nos faz superar as dificuldades de julgamento na antropologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ronaldo de. Os Pentecostais Serão Maioria no Brasil? In: Revista de Estudos da Religião, 2008, pp. 48-58. Disponível em: https://www.pucsp.br/rever/rv4_2008/t_almeida.pdf. Acessado em: 20/09/2020.

ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. In: Cadernos PAGU (50), 2017Dossiê conservadorismo, direitos, moralidades e violência, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8650718. Acessado em: 21/09/2020.

ALMEIDA, Ronaldo de. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. In: Novos estudos, CEBRAP, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 185-213, 2019. Disponível em: http://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/handle/bdtse/5615. Acessado em: 20/09/2020.

BIRMAN, Patricia. 2012. Cruzadas pela paz: práticas religiosas e projetos seculares relacionados à questão da violência no Rio De Janeiro. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 32(1): 209-226. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-85872012000100010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acessado em: 20/07/2020.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: Por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

CAMPOS, Roberta Bivar Carneiro; GUSMÃO, Eduardo Henrique Araújo de; MAURICIO JUNIOR, Cleonardo Gil de Barros. 2015. A disputa pela laicidade: uma análise das interações discursivas entre Jean Wyllys e Silas Malafaia. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 35(2): 165-188. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-85872015000200165&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em: 20/07/2020.

CAMPOS, Roberta B. C.; MAURICIO JUNIOR, Cleonardo. O pentecostalismo nas fronteiras da antropologia: uma apresentação a zonas fronteiriças: ética, etnografia e o cristianismo “repugnante”. In: Debates do NER, Porto Alegre, ano 19, n. 33, p. 263-270, jan./jul. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/debatesdoner/article/view/88047. Acessado em: 19/09/2020.

CAMPOS, Roberta B. C. REESINK, Mísia L. Reesink. Conversão (In)Útil. In: Revista ANTHROPOLÓGICAS Ano 18, 25(1):49-77, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaanthropologicas/article/view/23819. Acessado em: 20/09/2020.

CAMPOS, Roberta Bivar C. Sobre a “Docilidade” do Catolicismo: Interpretações do Sincretismo e Anti-sincretismo na/da Cultura Brasileira. In: BIB, São Paulo, n° 65, 2008, pp. 89-103. Disponível em: http://www.anpocs.org/index.php/edicoes-anteriores/bib-65/609-sobre-a-docilidade-do-catolicismo-interpretacoes-do-sincretismo-e-anti-sincretismo-na-da-cultura-brasileira/file. Acessado em: 20/09/2020.

CASANOVA, José. 2010. O Problema da Religião e as Ansiedades da Democracia Secular Europeia. In: Revista de Estudos da Religião, pp. 1-16. Disponível em: https://www.pucsp.br/rever/rv4_2010/t_casanova.pdf. Acessado em: 20/07/2020.

CLIFFORD, James. 2002. Sobre a autoridade etnográfica. In: CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1861905/mod_resource/content/1/A%20Experi%C3%AAncia%20Etnogr%C3%A1fica_Antropologia%20e%20Leitura%20no%20S%C3%A9c.%20XX_Sobre%20a%20Autoridade%20Etnogr%C3%A1fica%20-%20James%20Clifford.pdf. Acessado em: 20/07/2020.

GEERTZ, Clifford. 2011. O Saber Local. Petrópolis: Vozes.

GIUMBELLI, Emerson. 2012. Crucifixos invisíveis: polêmicas recentes no Brasil sobre símbolos religiosos em recintos estatais. In: Anuário Antropológico, v. 10 (1), pp. 77-105. Disponível em: https://journals.openedition.org/aa/1019. Acessado em: 20/07/2020.

GOLDMAN, Marcio. 2011. O fim da antropologia. In: Novos Estudos. São Paulo: Cebrap, n. 89. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-33002011000100012&script=sci_arttext. Acessado em: 20/07/2020.

INGOLD, Tim. 2011. “Anthropology is not Ethnography”. In: INGOLD, Tim. Being Alive. Routledge. London and New York, p. 229-243. Disponível em: https://www.haujournal.org/index.php/hau/article/view/hau7.1.005. Acessado em: 20/07/2020.

INGOLD, Tim. Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. In: Revista Educação: Porto Alegre. v. 39, n. 3, p. 404-411, 2016. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/21690/0. Acessado em: 20/07/2020.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. 2015. A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Companhia das Letras. Disponível em: https://leiaarqueologia.files.wordpress.com/2017/08/davi_kopenawa___bruce_albert_-_a_queda_do_c_u.pdf. Acessado em: 19/09/2020.

LAW, John. 2004. “After method: an introduction”. In: After method. Mess in social Science research. New York: Routledge, pp. 1-17.

LATOUR, Bruno. 1997. WOOLGAR, Steve. A Vida de Laboratório: A produção dos fatos científicos. Relume-Dumará.

LATOUR, Bruno. 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador: EDUFBA.

MARIANO, Ricardo. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal. In: Estudos Avançados, 18 (52), 2004. Disponível em: http://anpocs.com/index.php/estudos-avancados/user-item/6615-revista-estudos-avancados/2893-expansao-pentecostal-no-brasil-o-caso-da-igreja-universal. Acessado em: 19/09/2020.

MARIANO, Ricardo. Mudanças no campo religioso brasileiro no Censo 2010. In: Debates do NER, Porto Alegre, ano 14, n. 24, p. 119-137, jul./dez. 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/debatesdoner/article/view/43696. Acessado em: 20/09/2020.

MAURICIO JUNIOR, Cleonardo. 2019a. A constituição do crente-cidadão entre os jovens universitários da Igreja de Silas Malafaia. Tese (Doutorado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MAURICIO JUNIOR, Cleonardo. ‘Acordamos, Somos Cidadãos’: os evangélicos e a constituição ética de si na relação com o político. In: Revista ANTHROPOLÓGICAS, Ano 23, 30(1): 99-135, 2019b. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/339663002_'Acordamos_Somos_Cidadaos'_os_evangelicos_e_a_constituicao_etica_de_si_na_relacao_com_o_politico. Acessado em: 19/09/2020.

PICOLOTTO, Mariana Reinisch. O pentecostalismo no Brasil: uma reflexão sobre novas classificações. In: Revista Contraponto, v. 3, n. 1, 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/contraponto/search/authors/view?firstName=Mariana&middleName=Reinisch&lastName=Picolotto&affiliation=&country=. Acessado em: 20/09/2020.

REIS, Gustavo Soldati. Fronteiras do sincretismo: Experiência religiosa indígena Guarani e perspectiva cristã. In: Revista Observatório da Religião, v. 1, n.1, 2014. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/Religiao/article/view/298. Acessado em: 20/09/2020.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Antropologias mundiais para um novo cenário global na antropologia. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 21, n. 60, pp. 147-185. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092006000100009. Acessado em: 20/07/2020.

SILVA, Cássio Raniere Ribeiro da. 2020. “Aqui o close é gospel”: etnografia em uma comunidade religiosa inclusiva na cidade do Recife. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

STENGERS, Isabelle. 2002. As ciências e seus intérpretes. In: A invenção das ciências modernas. Rio de Janeiro: Editora 34.

STRATHERN, Marilyn. 2014. O efeito etnográfico. São Paulo: Cosac & Naif.

WAGNER, Roy. 2010. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

VIVEIRO DE CASTRO, Eduardo. 2002. O nativo relativo. In: Mana. v. 8, n. 1, pp. 113-148. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-93132002000100005&script=sci_arttext. Acessado em: 20/07/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.