Gustavo Barroso e a fabricação da história: costuras entre política e literatura no discurso barrosiano 1917-1920

Elynaldo Gonçalves Dantas

Resumo


A partir da operação historiográfica proposta por Michel de Certeau e da concepção benjaminiana acerca da história esta reflexão busca analisar como Gustavo Barroso faz caminhar pari passu sua atuação política enquanto deputado federal e seu texto Os Dragões do Rei, em torno do tema do projeto de lei de 1917 de sua autoria apelidado de os Dragões da Independência no sentido de religar o passado ao presente e assim moldar um rosto nacional.


Palavras-chave


História; Política; Literatura; Gustavo Barroso

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR. Durval Muniz de. A moldura das nacionalidades: a construção imaginária da nação brasileira no século XX. Disponível em: Acesso em 20 de março de 2011.

BENJAMIN, Walter. As Teses sobre o Conceito de História. In: Obras Escolhidas, Vol. 1, p. 222-232. São Paulo, Brasiliense, 1985.

BORDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas/SP: papiros, 2011. 11 ed.

CARONE, E. Movimento operário no Brasil: 1877-1944. São Paulo: DIFEL, 1979.

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: ente ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

FERREIRA, J & DELGADO, L. de A. N. (Org.). O Brasil republicano – o tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

HOBSBAWN, Eric J. Nação e Nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990.

MENDONÇA, Valterian Braga. A experiência estratégica brasileira na Primeira Guerra Mundial, 1914-1918. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2008.

MOREIRA, Afonsina Maria Augusto. No norte da saudade: Esquecimento e Memória em Gustavo Barroso. 301 f. Tese (Doutorado) -, História Social do Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

PRADO JUNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

PESAVENTO, S. J. Este mundo verdadeiro das coisas de mentira: entre a arte e a história. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, nº30. 2002. p. 56-75.

RAMOS, F. R.L. José de Alencar e a operação historiográfica: fronteiras e disputas entre história e literatura. História da Historiografia, v. 18, p. 160-177, 2015.

SEVCENKO, Nicolau. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso. In: NOVAIS, F. (Org.).História da vida privada no Brasil-República: da belle époque à era do rádio, v. 3, 7.reimp., São Paulo: Cia das Letras, 1998, p. 7- 48.

SIRINELLI, Jean- François. Os intelectuais. In: REMOND, René (org.). Por uma história política. 2º ed.Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas