O mundo rural e as organizações de oposição sindical

Priscila Dantas

Resumo


Contemplando as atuações e movimentos em torno dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STR) das regiões do Seridó e Curimataú paraibanos, este trabalho objetiva problematizar as práticas sociais que resultaram nas chamadas Organizações de Oposições Sindicais, direcionados por mulheres, entre os anos de 1985 a 1995. Insatisfeitas com as precárias condições dadas aos camponeses e sindicalistas, além da exclusão dos direitos assegurados pela sindicalização feminina, as mulheres assumem posicionamentos pioneiros frente ao poder masculino, detentor das diretorias dos STRs por longos anos, iniciando articulações pelas regiões afim de criar grupos formadores de oposições a essas chapas. Por meio da figura masculina, ainda muito forte dentro do mundo rural, essas mulheres se inserem nas campanhas eleitorais e a partir delas promovem mudanças no interior desses espaços.


Palavras-chave


Sindicato; Mulheres; Oposições; Movimentos

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU E LIMA, Maria do Socorro de. Construindo o Sindicalismo Rural: lutas, partidos, projetos.2. ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.

BARROS, José d’Assunção. “História social e retorno do político”. In: SCHURSTER, Karl; SILVA, Giselda Brito; MATOS, Júlia Silveira. Campos da política: discursos e práticas. São Paulo: LP-Books, 2012, pp. 10-47.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. – 19ª ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CATÃO, Francisco A.C. O que é teologia da libertação. São Paulo : Nova Cultural : Brasiliense, 1986.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer.15. ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ : Vozes, 2008.

CHAUÍ, Marilena. NOGUEIRA, Marco Aurélio. O pensamento político e a redemocratização do Brasil. Lua Nova, São Paulo, 71 : 173-228, 2007.

GOHN, Maria da Glória. O protagonismo da sociedade civil: Movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.

KINZO, MariaD’Alva G. A democratização brasileira: um balanço do processo político desde a transição. São Paulo em Perspectiva (versão online). Vol.15, nº.4. Oct./Dec. 2001.

NUNES, Paulo Giovani Antonino. O surgimento de uma nova força social: o sindicalismo cutista. Revista Saeculum, nº 4/5 – jan./dez. 1998-1999, pp. 287-308.

NUNES, Paulo Giovani Antonino. “Estado versus sociedade civil: o processo de transição para a democracia na Paraíba (1975-1979)”. Prima Facie. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas da UFPB. Jan./jun, 2009. pp 57-84.

SKIDMORE, Thomas E. “A lenta via brasileira para a democratização: 1974-1985”. In:

STEPAN, Alfred (org.). Democratizando o Brasil ; tradução Ana Luíza Pinheiro ... [et al.]. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

. p. 27-82.

STEPAN, Alfred (org.). Democratizando o Brasil ; tradução Ana Luíza Pinheiro ... [et al.]. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

RÉMOND, René. “Uma história presente”. In RÉMOND, René. Por uma História Política. Tradução Dora Rocha. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, pp. 13-36.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.2.16

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas