Contracultura e transgressão: uma análise do álbum “tropicalia ou panis et circencis” (1968)

Bruno Sanches Mariante Silva, Jessica Yohana Gonçalves

Resumo


O movimento tropicalista é um exemplo significativo das manifestações culturais que marcaram a década de 1960 no Brasil. A influência mútua aproximou músicos que sentiam-se desafiados à crítica cultural do período. O presente artigo intenta mostrar a Tropicália como um movimento de contracultura que se propôs a evidenciar certas práticas e costumes conservadores da sociedade brasileira, bem como a transgredi-los.  A crítica proposta no álbum vai além daquela endereçada às forças repressoras do Estado-militar, e abrangem as posturas conservadoras no âmbito musical, estético, comportamental e sexual. Lançado no ano de 1968 o disco-manifesto coletivo Tropicália ou panis et circenses, representa um novo momento na canção brasileira: a abertura explícita aos diálogos culturais. O estudo de algumas canções desse disco-manifesto é o que impulsiona esse estudo. 


Palavras-chave


Tropicália; Contracultura; Música de resistência; Ditadura Militar; Tropicália

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, P. M. Provocações Brasileiras: a imprensa contracultural made in Brazil: Coluna Underground (1969-1971), Flor do Mal (1971) & a Rolling Stone Brasileira (1972-1973). Assis, 2007. 200f. Tese de Doutorado em História – Universidade Estadual Paulista, 2007

BASUALDO, Carlos. Tropicália – uma revolução na cultura brasileira. 1ª edição. São Paulo: Cosac-Naofy: 2007, 379p.

COHN-BENDIT, Dany. Nós que amávamos tanto a revolução: 20 anos depois. 1ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1987, 189p.

CORREIA, Tupã. Nos passos da moda: mídia, consumo X mercado cultural. Campinas, Papirus, 1989

FAVARETTO, Celso. Tropicália alegoria alegria. 3 edição. Cotia: Ateliê Editorial, 2000.

FICO, Carlos. História do Brasil Contemporâneo. 1ª edição. São Paulo: Contexto, 2015, 160p.

GARCIA, Miliandre. Entre o palco e a canção: afinidades eletivas entre a Música Popular Brasileira (MPB) e o Teatro Engajado na década de 1960. Modos. v. 1, n. 3 (2017) https://doi.org/10.24978/mod.v1i3.892, v. 1, p. 264-283, 2017.

HOBSBAWM, Eric J. Os revolucionários. 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985, 280p.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914 – 1991. 2ª edição. 48ª reimpressão. Tradução: Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, 598p.

MATTE, Ana Cristina Fricke. Bat Macumba Oba! A anti-letra da canção. Estudos Lingüísticos (São Paulo), Campinas, v. XXXIV, 2005.

PEREIRA, Carlos A. M. O que é contracultura. 2ªedição. São Paulo: Brasiliense, 1984, 97p.

ROSZAK, Theodore. A contracultura. 2ªedição. Petrópolis: Vozes, 1972, 301p.

VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo. Companhia de Bolso, 2012, 520p.

VENTURA, Zuenir. 1968: O ano que não terminou. São Paulo, Planeta do Brasil, 2008, 314p.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.13

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas