“O cinema falado é o grande culpado da transformação”: a chegada do cinema sonoro em Pernambuco (1930)

Arthur Gustavo Lira do Nascimento

Resumo


Com a chegada do cinema sonoro norte-americano às salas de cinema recifenses, a cinematografia local, ainda produzindo filmes silenciosos, perde seu espaço.  O cinema mudo pernambucano foi então ofuscado pelas inovações técnicas e dificuldades financeiras. Visto as inúmeras reivindicações dos cineastas brasileiros, o governo de Getúlio Vargas, iniciado em 1930, vai buscar incentivar o cinema nacional através de leis e financiamentos voltados às produções brasileiras. No Recife, os cineastas locais encontraram nos curtas-metragens, documentários e filmes propagandísticos uma possibilidade de fazer cinema. Este artigo tem por finalidade discutir a chegada do cinema sonoro em Pernambuco e as transformações ocasionadas por este processo.


Palavras-chave


História; Cinema; Cinema sonoro; Pernambuco

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Luciana S. L. Corrêa. O mercado exibidor do Recife na transição para o cinema sonoro. In: XX Encontro da Compós, 2011, Porto Alegre. 20º Encontro Anual Compós 2011, 2011. v. 1.

BUTCHER, Pedro. A reinvenção de Hollywood: cinema americano e produção de subjetividade nas sociedades de controle. Revista Contemporânea, n.3. 2004.2. Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

COUCEIRO, Sylvia Costa. Artes de viver a cidade: conflitos e convivências nos espaços de diversão e prazer do Recife dos anos 20. Tese de Doutorado em História - Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2003.

CUNHA FILHO, Paulo Carneiro da. A Imagem e seus Labirintos: o cinema clandestino do Recife (1930-1964). Recife: Nektar, 2014.

CUNHA FILHO, Paulo Carneiro da. A utopia provinciana: Recife, cinema, melancolia. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

DIAS, Lêda. Cine-teatro do Parque: um espetáculo à parte. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2008.

FIGUEIRÔA, Alexandre. Cinema pernambucano: uma história em ciclos. Recife: Editora FCCR, 2000.

FREIRE, Rafael de Luna. A conversão para o cinema sonoro no Brasil e o mercado exibidor na década de 1930. Significação-Revista de Cultura Audiovisual, v. 40, 2013.

GOMINHO, Zélia. Veneza Americana X Mucambópolis: O Estado Novo na Cidade do Recife (décadas de 30 e 40). Olinda: Livro Rápido, 2007.

GUNNING, Tom. O retrato do corpo humano: a fotografia, os detetives e os primórdios do cinema, In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa R. (Orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

LEITE, Sidney Ferreira. Cinema Brasileiro: das origens à retomada. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abrano, 2005.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2005.

NÓVOA, Jorge Luiz Bezerra. Apologia da relação Cinema-História In: NÓVOA, Jorge; BARROS, José D'Assunção (org.). Cinema-História: teoria e representações sociais no cinema. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.

PANDOLFI, Dulce. Os anos 1930: as incertezas do regime. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O Brasil Republicano, 2 – O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

REZENDE, Antonio Paulo. O Recife: história de uma cidade. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2005.

SIMIS, Anita. Estado e cinema no Brasil. São Paulo: Annablume; Fafesp; Itaú Cultural, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas