Um hino para a cidade: as disputas pela representação da memória e identidade através dos hinos cívicos em Feira de Santana, no século XX

Aldo José Morais Silva

Resumo


Este artigo investiga como diferentes hinos municipais foram produzidos para representar a comunidade de Feira de Santana (Bahia), entre o final do século XIX e o decurso do século XX, e como um destes hinos foi adotado como canção oficial da sociedade. Demonstra-se porque os demais hinos foram esquecidos e como este esquecimento se relaciona com as expectativas da sociedade local por produzir um símbolo capaz de construir uma memória avaliada como mais apropriada a sua autoimagem e às suas expectativas quanto ao futuro. 


Palavras-chave


Hinos cívicos; memória local; identidade social; música e história

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA DE EDUCAÇÃO DE FEIRA DE SANTANA. Patronos. Cadeira de nº 8 – Georgina de Mello Erismann (1893-1937). Feira de Santana, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

A IGREJA em marcha. Folha do Norte, Feira de Santana, 4 nov. 1967, p. 1.

ALBUM da Feira de Santana. Folha do Norte. Feira de Santana, 29 out. 1966. p. 6.

ALMEIDA, Djair Lázaro de. Educação moral e cívica na ditadura militar: um estudo de manuais didáticos. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de São Carlos. São Carlos, 2009.

AMORIM, Targino. Georgina Erismann. Folha do Norte, Feira de Santana, 27 jul. 1935.

ARAÚJO, Heitor. Hino à Feira. [s. l.], 1983.

BRETAS, Valéria. As melhores e piores 100 grandes cidades do Brasil. Exame. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2017.

CÂMARA MUNICIAPL DE FEIRA DE SANTANA. Hino à Feira. Feira de Santana, 2015, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2015.

CATEDRAL METROPOLITANA DE SANT’ANA. Párocos de Santana. Feira de Santana, 2009, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 6 jun. 2015.

CERQUEIRA, Aline Aguiar. Voto feminino na princesa do sertão. A pala re-vista. Feira de Santana, ano 1, n. 1, p. 29-39, 2011.

CHERÑAVSKY, Analía. Um maestro do no gabinete: música e política no tempo de Villa-Lobos. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA – O LUGAR DA HISTÓRIA. ANPUH/SP-UNICAMP, 17., 2004, Campinas. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2011

COELHO, Leila Machado; BAPTISTA; Marisa. A história da inserção política da mulher no Brasil: uma trajetória do espaço privado ao público. Psicologia Política, v. 9, n. 17, p. 85-99, jan. – jun, 2009.

CORNELSEN, Elcio Loureiro. Hinos de futebol no Brasil: dos hinos marciais aos populares. Revista interfaces, n. 20, v. 1, p. 78-94, jan.-jun., 2014. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2015.

COSTA, Manuela Areias. A trajetória de Manoel Tranquilino Bastos: um maestro abolicionista no Recôncavo baiano (1884-1935). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23., 2013, Natal. Anais eletrônicos... Natal: ANPUH, 2013. Disponível em: . Acesso em 13 jun. 2017.

DIA da árvore, na Feira, sob os auspícios do núcleo torreano local. Folha do Norte, Feira de Santana, 21 set. 1935, p. 1.

ERISMANN, Georgina. (Org.) Hino à Feira. In: Hinário escolar para o orfeão da escola normal da Feira de Santana. Livraria Silva e Irmãos: Feira de Santana, 1928.

ESCOLA normal de Feira de Santana: Comemoração do seu primeiro aniversário. Folha do Norte, Feira de Santana, 9 jun. 1928, p. 1.

FEIRA DE SANTANA. Câmara Municipal de Feira de Santana. Lei n. 37 de 5 de abril de 1990. Dispõe sobre a lei orgânica do município de Feira de Santana e dá outras providências. Feira Hoje. Feira de Santana, 10 abr. 1990. (Caderno especial).

FEIRA DE SANTANA, Lei complementar n. 31, de 15 de setembro de 2006. Dispõe sobre os símbolos municipais e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2016.

GALINARI, Melliandro Mendes. Os hinos de Villa-Lobos e o governo Vargas: estratégias político-discursivas de persuasão ideológica. Letras& Letras. Uberlândia. n. 2, v. 2, pp. 85-103, jul./dez.,2006

GEORGINA ERISMANN. In. Dicionário Cravo Albim da música popular brasileira. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: Europa 1789-1848. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativa da população 2017 - população estimada - comparação entre os municípios: Bahia. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2017

LABURTHE-TOLRA, Philippe; WARNIER, Jean-Pierre. Etnologia-antropologia. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

LIMA, Maria Helena Palmer (Org.) Divisão territorial brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2002. Disponível em: . Acesso em: 6 jan. 2016

LIMA, Roberto Kant de. Ritual. In: SILVA, Benedito. (Org.). Dicionário de ciências sociais. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1987.

MACHADO, Franklin. Álbum da Feira de Santana – Bahia. São Paulo: Cacimba: 1966.

MELLO, Carlos. Intendentes e prefeitos de Feira de Santana. Feira de Santana, 2011, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2011.

MELLO, Josué da Silva. Feira de Santana: cidade do futuro. Sitientibus, Feira de Santana. Ano. 2, n. 4, p. 77-84, jan./jun., 1984.

MONTI, Eduardo Monteiro Gonzaga do. Canto orfeônico: os ideais cantados do estado novo. Travessias. Cascavel. v. 2, n. 1, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2011

MORAIS, Ana Angélica Vergner de. Sant’Anna dos Olhos D’Água: resgate da Memória cultural e literária de Feira de Santana (1890-1930). Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1998. O 1º aniversário da escola normal. Folha do Norte, Feira de Santana, 2 jun. 1928, p. 1.

MOREIRA, Vicente Deocleciano. Quem é você, Feira de Santana? Feira Hoje. Feira de Santana, 4 set. 1988, caderno 3, p. 2.

O 2º ANIVERSÁRIO da escola normal – A festa comemorativa. Folha do Norte, Feira de Santana, 8 jun. 1929, p. 1.

OLIVEIRA, Ana Maria Carvalho dos Santos. Feira de Santana em tempos de modernidade: olhares, imagens e práticas do cotidiano (1950-1960). 2008. Tese (Doutorado em História). Centro de Filosofia e Ciências Humanas – Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2008.

PINTO, Raimundo A. C. Pequena História de Feira de Santana. Feira de Santana: SICLA, 1971

PRIMEIRO centenário da autonomia de Feira. Folha do Norte. Feira de Santana, 16 set. 1933. p. 1.

RAMOS, Cristiana Barbosa de Oliveira. Timoneiras do bem na construção da cidade princesa: mulheres de elite, cidade e cultura (1900-1945). 2007. Dissertação (Mestrado em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional). Universidade do Estado da Bahia, Santo Antônio de Jesus, 2007.

SADIE, Stanley (Edit.). Dicionário grove de música. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

SAMPAIO, Gastão. Feira de Santana e o vale do jacuipe. Salvador: Bereau, 1977.

SETE de setembro – A comemoração cívica da Escola Normal. Folha do Norte. Feira de Santana, 14 set. 1929, p. 1.

SILVA, Aldo José Morais. De terra sã a berço da micareta: estratégias constitutivas da identidade social em Feira de Santana. Revista de história regional. Ponta Grossa, n. 13, v. 2, p. 104-133, 2008.

SITE DO DICIONÁRIO CRAVO ALBIN DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA. In. Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro. 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

UNGLAUB, Tânia Regina da Rocha. A prática do canto orfeônico e cerimônias cívicas na consolidação de um nacionalismo ufanista em terras catarinenses. Revista Linhas. Florianópolis. v. 10, n. 01, pp. 105-127, jan./jun. 2009

VEJA a lista das cidades mais populosas do Brasil. R7 Brasil. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2017




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2017.35.2.do.03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas