As “várias independências”: a contrarrevolução em Portugal e em Pernambuco e os conflitos antilusitanos no período do constitucionalismo (1821-1824)

Andréa Lisly

Resumo


Este artigo discute algumas das abordagens propostas sobre a questão da manutenção das forças militares, estacionadas em Pernambuco, a fim de assegurar a fidelidade da província às Cortes de Lisboa, entre 1821 e 1823. As tomadas de decisão foram marcadas por conflitos que opuseram, grosso modo, naturais de Pernambuco e portugueses. Discute, também, aspectos do posicionamento de grupos políticos pernambucanos em relação à contrarrevolução em Portugal, em 1824. O objetivo é refletir sobre a complexidade das opções políticas, na província, na conjuntura da independência do Brasil, que não se esgotam com o debate historiográfico sobre o alinhamento com Lisboa (“a outra independência”) ou com o Rio de Janeiro (“a mesma independência”).


Palavras-chave


Pernambuco; Constitucionalismo; Batalhão do Algarve; Contrarrevolução; Pernambuco

Texto completo:

PDF

Referências


ACCIOLY, Hildebrando Pompeo Pinto. O reconhecimento da independência do Brasil. Imprensa Nacional, 1945.

ACCIOLY, Hildebrando Pompeu Pinto. Os movimentos miguelistas de 1823 e 1824. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, vol. 194, janeiro – março, 1947, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, p.5-18.

ANDRADE, Breno Gontijo. A guerra das palavras: cultura oral e escrita na Revolução de 1817. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte: FAFICH/UFMG, 2012.

ANDRADE, Manuel Correia de. As sedições de 1831 em Pernambuco. São Paulo, Revista de História, USP, v. 13, n.28. 1956.

BARBOSA, Maria do Socorro Ferraz. Liberais constitucionalistas entre dois centros de poder: Rio de Janeiro e Lisboa. Tempo, v.12, n.24, Niterói, 2008.

BERNARDES, Denis Antônio de Mendonça. O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: Fapesp/Hucitec; Pernambuco: UFPE, 2006.

BITTENCOURT, Vera Lúcia Nagib. De Alteza Real a Imperador: o governo do Príncipe D. Pedro, de abril de 1821 a outubro de 1822. Tese de Doutorado. São Paulo: FFLCH/USP, 2006.

CALDAS, José. História de um fogo morto: subsídios para uma História Nacional. Porto: Renascença Portuguesa; Rio de Janeiro: Luso-Brasiliana, 1929, p.602. https://ia800500.us.archive.org/5/items/histriadeumfog00cald/histriadeumfog00cald_bw.pdf

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas. O “retalho do comércio”: a política partidária, a comunidade portuguesa, e a nacionalização do comércio a retalho, Pernambuco, 1830-1870. Tese de Doutorado. Recife: UFPE, 2012.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Cavalcantis e Cavalgados: a formação das alianças políticas em Pernambuco, 1817-1824. Revista Brasileira de História, São Paulo, vol.18, n.36, 1998. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881998 000200014

CARVALHO, Marcus J. M.. A insurreição Praieira. Almanack Braziliense, n.8, novembro de 2008.

CARVALHO, Marcus J. M. O antilusitanismo e a questão social em Pernambuco, 1822-1848”. In: PEREIRA, Miriam Halpern (org.) Atas do Colóquio internacional sobre emigração e imigração em Portugal (sécs. XIX e XX). Lisboa: Fragmentos, 1993, p.145-162.

DIAS, Maria Odila Silva. A interiorização da Metrópole (1808-1853). In: MOTA, Carlos Guilherme. 1822: Dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1986, p.160 a 184.

FELDMAN, Ariel. A mesma independência: A atuação pública de um unitário pernambucano (1822-1823). Niterói, Tempo, v.20, 2014.

FERNANDES, Paulo Jorge da Silva. Elites locais e poder municipal. Do Antigo Regime ao liberalismo. Análise social, vol. XII (178), 2006, 55-73.

GONÇALVES, Andréa Lisly. “Contra a Pessoa de El Rei e a Segurança do Estado”: brasileiros na resistência ao miguelismo em Portugal (1828-1834). Revista do Arquivo Publico Mineiro, v. LI, 2015, p. 132-143.

GONÇALVES, Andréa Lisly. A luta de brasileiros contra o miguelismo em Portugal (1828-1834): o caso do homem preto Luciano Augusto. Revista Brasileira de História: São Paulo., v. 33, 2013, p. 211-234..

GONÇALVES, Andréa Lisly. Aspectos da história e da historiografia sobre o Brasil e Portugal das primeiras décadas do século XIX. História da historiografia, v.10, 2012, p.32-55.

GUIMARÃES, Nívea Carolina. O movimento miguelista nas páginas d'Aurora Fluminense (1828-1834). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Departamento de História. Programa de Pós-Graduação em História, 2016.

HESPANHA, António Manuel. Guiando a mão invisível. Direitos, Estado e lei no liberalismo monárquico português. Coimbra: Almedina, 2004.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Capítulos de história do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

JANCSÓ, István (Org.). Brasil: formação do Estado e da Nação. São Paulo: Hucitec; Unijuí; Fapesp, 2003.

JANCSÓ, István (Org.). Independência do Brasil: História e Historiografia. São Paulo: HUCITEC/FAPESP, 2006

LEITE, Glacyra L. A Insurreição Pernambucana de 1817. São Paulo: Brasiliense, 1984.

LOUSADA, Maria Alexandre; FERREIRA, Maria de Fátima Sá e Melo. D. Miguel. Rio de Mouro: Printer Portuguesa, 2009, p. 50.

MACHADO, André Roberto de Arruda. As esquadras imaginárias. No extremo norte, episódios do longo processo de independência do Brasil. In: JANCSÓ, István (org.). Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2005, p.303-343.

MACHADO, André Roberto de Arruda. Redesenhando caminhos. O papel dos representantes do Grão-Pará na primeira legislatura do Império do Brasil (1826-1829). Almanack Braziliense, São Paulo, n.10, nov. 2009, p.75-97

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema: a formação do Estado imperial. Rio de Janeiro: Access, 1999.

MELLO, Evaldo Cabral de. (organização e introdução) Frei Joaquim do Amor Divino Caneca, 1779-1825. São Paulo: Ed. 34, 2001.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824. São Paulo: 34, 2004, p.67.

MELO FRANCO, Afonso Arinos de. O constitucionalismo de D. Pedro I no Brasil e em Portugal. Brasília: Senado Federal, 2003.

MOTA, Carlos Guilherme (org.) 1822: dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1986.

MOTA, Carlos Guilherme. Nordeste 1817: estruturas e argumentos. São Paulo: Perspectiva, 1972.

MOURA, Clóvis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo, EDUSP, 2004, p. 360, verbete A revolução do Haiti.

NEVES, Guilherme Bastos Pereira das. Ilusões acalentadas: Miguel Antônio de Melo e seu projeto de uma Lei fundamental para Portugal em 1827/1828. In: RIBEIRO, Gladys Ribeiro;

FERREIRA, Tânia Maria Tavares Bessone da Cruz. Linguagens e práticas da cidadania no século XIX. São Paulo: Alameda, 2010, p.25-44.

PEDREIRA, Jorge; COSTA, Fernando Dores. D. João VI. Lisboa: Círculo de Leitores/Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa, 2006, p18.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Tese de doutorado. Campinas: UNICAMP, 1997, v.1.

SILVA, Ana Rosa Cloclet Apropriações do constitucionalismo nas Minas Gerais (1820-22). In: BERBEL, Márcia; OLIVEIRA, Cecília Helena de Salles (orgs.). A experiência de Cádis: Espanha, Portugal e Brasil. São Paulo: Alameda, 2012, p.137-166.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Identidades em construção: o processo de politização das identidades coletivas em Minas Gerais. São Paulo, Almanack Braziliense, n.1, maio de 2005.

SILVA, Luiz Geraldo. “Pernambucanos, sois portugueses”! Natureza e modelos políticos das revoluções de 1817 e 1824. Almanack Braziliense, São Paulo, n.1, maio de 2005, p.67-79.

TORGAL, Luís Reis. A contrarrevolução e a sua imprensa no vintismo: notas de uma investigação. Análise Social, vol. XVI (61-62) t 1980-l.º-2.º, 279-292.

VASCONCELOS, Maria Emília de. Miguelismo no Alto-Minho. Cadernos Vianenses, Viana do Castelo, 12, 1982, p.271.

VILLALTA, Luiz Carlos. Pernambuco, 1817, “encruzilhada de desencontros” do Império luso-brasileiro. Notas sobre as ideias de pátria, país e nação. Revista USP, São Paulo (58): jun./jul./ago. 2003.

XAVIER-GUERRA, François. A nação na América espanhola: a questão das origens. Rio de Janeiro, Revista Maracanan, v.1, n.1, 1999.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas