O rei distante, o império de papel e o Novo Mundo às avessas: luso governo, séculos XVII-XVIII

Thiago Enes

Resumo


Com a difusão da escrita e da cultura erudita a Idade Moderna assistiu a ereção de verdadeiras monarquias de papel. Discursos políticos, projetos de governo e relatórios administrativos circularam por entre uma intricada rede relacional centrada em intensa troca epistolar, unindo rei e suas possessões. Contudo, no império português, o poder se desdobrava em graus por entre uma vasta cadeia representativa de cargos e funções e, especialmente nos rincões ultramarinos, a distância e os poderes locais conferiram feições específicas à soberania régia e aos desígnios legislativos.


Palavras-chave


Distância; Império Português; Câmaras municipais; História política

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Capistrano de. Correspondência. Rio de Janeiro: INL, v. 2. 1954.

ALVES, Vítor Fernando da S.S. Sazes de Lorvão de 1600 a 1760: espaço, sociabilidade e poderes numa paróquia rural. Coimbra: [s.n.]. 1989.

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. 3. ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Brasiliense. 1998.

ARAÚJO, Emanuel. “Tão vasto, tão ermo, tão longe: o sertão e o sertanejo nos sertões coloniais”. In: PRIORE, Mary Lucy del (Org.) Revisão do Paraíso: os brasileiros e o Estado em 500 anos de história. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

BAIÃO, António. A Inquisição em Portugal e no Brasil: subsídios para a sua história. Lisboa, 1920.

BELLOTTO, Heloísa Liberali. “O Estado português no Brasil: sistema administrativo e fiscal”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). Nova História da Expansão Portuguesa. O Império Luso-Brasileiro. Lisboa: Editorial Estampa, 1986.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. “As Câmaras Municipais no império português: o exemplo do Rio de Janeiro”. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 18. nº 36, 1998.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. “Conquista, mercês e poder local: a nobreza da terra na América portuguesa e a cultura política do Antigo Regime”. Almanack Brasiliense. nº 2, 2005.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. FERLINI, Vera Lúcia Amaral (Orgs.) Modos de governar: ideias e práticas políticas no império português, séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.

BLACK, Antony. El Pensamiento Político en Europa. (1250 - 1450). Cambridge University Press. 1996.

BORREGO, Nuno Gonçalo Pereira. As Ordenanças e as Milícias em Portugal: subsídios para o seu estudo. Lisboa: Guarda-Mor. 2006.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Corre manuscrito: Una Historia cultural del Siglo de Oro. Madrid: Marcial Pons Historia, 2001.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Portugal no Tempos dos Filipes: política, cultura e representações (1580-1668). Lisboa: Edições Cosmos, 2000.

BOXER, Charles Ralph. A Idade do Ouro no Brasil: dores do crescimento de uma sociedade colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

BURTON, Richard. Supplementary Nights to the Thousand Nights and a Night. v. 6. Benares/USA. Kama Shastra Society/Burton Club for Private Subscribers Only, 1888.

BURTON, Richard. The Book of the Thousand Nights and a Night. v. 1. Benares/USA. Kama Shastra Society/Burton Club for Private Subscribers Only, 1885.

CÂMARA CASCUDO, Luís da. Locuções Tradicionais do Brasil. Recife: Editora Universitária, 1970.

CAPELA, José Viriato. A Câmara, e nobreza e o povo do Conselho de Barcelos: A administração do município nos fins do Antigo Regime. Separata da Barcelos - Revista, 1986.

CAPELA, José Viriato. O concelho de Barcelos do Antigo Regime à primeira República. Fontes para o seu estudo. Separata da Barcelos - Revista, 1983.

CARDIM, Pedro. “O quadro constitucional: os grandes paradigmas de organização política – a Coroa e a representação do reino. As Cortes”. In: HESPANHA, António Manuel; XAVIER, Ângela Barreto (Coords.). História de Portugal – volume quarto. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1992.

COLLIER, Stephen J. "Topologies of power: Foucault's analysis of political government beyond 'governmentality”. In: Theory, Culture & Society. Vol. 26, nº 6, 2009.

CONCEIÇÃO, Adriana Angelita da. Sentir, escrever e governar: a prática epistolar moderna e as cartas do vice-rei D. Luís de Almeida, o marquês do Lavradio (1768-1779). São Paulo: Alameda, 2013.

CORTESÃO, Jaime. Os factores democráticos na formação de Portugal. Lisboa: Portugália Editora - Obras Completas de Jaime Cortesão I - História: Volume 1, 1966.

COSENTINO, Francisco Carlos Cardoso. Governadores Gerais do Estado do Brasil (séculos XVI e XVII): ofício, regimentos, governação e trajetórias. Tese de doutorado em História. Niterói: UFF, 2005.

COSTA, Fernando Dores. Capitalistas e Serviços: empréstimos, contratos e mercês no final do século XVIII. In: Análise Social, nº 27. 1992.

COTTA, Francis Albert. No Rastro dos Dragões: Políticas da Ordem e o Universo Militar nas Minas Setecentistas. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

CROCE, Benedetto. La storia come pensiero e come azione. Bari: Laterza. 1938.

DAVIS, Natalie Zemon. O Retorno de Martin Guerre. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

DEAN, Warren. “The frontier in Brazil”. In: DEAN, Warren. Frontiers in comparative perspectives. Washington, DC: The Woodrow Wilson Center, 1990.

DUARTE, Regina Horta. “Sheherazade Tropical: narrativas e diálogos da história ambiental no Brasil”. In: Revista História (São Paulo). Vol. 32, nº 2, 2013.

ELLIOT, John H. A Espanha e a América nos séculos XVI e XVII. In: BETHEL, Leslie (org.). História da América Latina: América Latina Colonial, vol. 1, São Paulo: EDUSP, 1997.

ENES, Thiago. De como administrar cidade e governar impérios: almotaçaria portuguesa, os mineiros e o poder (1745-1808). Curitiba: Editora Prismas, 2017.

FERREIRA, Fátima Sá e Melo. Entre velhos e novos sentidos: “povo” e “povos” no mundo ibero-americano, 1750-1850. Anuário de História de América Latina. Band 45, 2008.

FONSECA, Maria Teresa do Couto. Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820. Lisboa, Colibri, 2002.

FRAGOSO, João. “A nobreza da República: notas sobre a formação da primeira elite senhorial do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII)”. Topoi, Rio de Janeiro, vol. 1, 2000.

FRAGOSO, João. GOUVÊA, Maria de Fátima Silva (Org.). Na trama das redes. Política e negócios no império português. Séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010;

GEREMEK, Bronislaw. A piedade e a forca: história da miséria e da caridade na Europa. Lisboa: Terramar, 1986.

GEREMEK, Bronislaw. Os Filhos de Caim: vagabundos e miseráveis na literatura europeia (1400-1700). Companhia das Letras: São Paulo, 1995.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela inquisição. 12ª ed. São Paulo: Companhia das Letras. 2002.

GOIS, Damião de. Elogio da cidade de Lisboa. Porto: Guimarães Editores, 2002.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. “Poder, Autoridade e o Senado da Câmara do Rio de Janeiro. ca. 1780-1820”. In: Tempo: Revista do Departamento de História da UFF. Vol. 7-nº13. Niterói: UFF, 2002.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. “Redes de poder na América Portuguesa – o caso dos homens bons do Rio de Janeiro, ca. 1790-1822”. In: Revista Brasileira de História. vol. 18. nº 36. São Paulo, 1998.

GOUVEIA, António Camões. “Estratégias de interiorização da disciplina”. In: HESPANHA, António Manuel; XAVIER, Ângela Barreto (coords.) História de Portugal – volume quarto. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1992.

HESPANHA, António Manuel. “A fronteira do poder. O mundo dos rústicos”. In: Revista Sequência: Estudos jurídicos e políticos. nº 51. Dez 2005.

HESPANHA, António Manuel. As Vésperas do Leviathan: Instituições e poder político. Portugal: século XVII. Coimbra: Almedina, 1994.

HESPANHA, António Manuel. "Centro e Periferia nas Estruturas administrativas do Antigo Regime." In: Ler História, n. 8, Lisboa, 1986.

HESPANHA, António Manuel. “Sábios e rústicos: a violência doce da razão jurídica”. In: Revista Crítica de Ciências Sociais. Nº 25-26. Dez. 1988.

HESPANHA, António Manuel. XAVIER, Ângela Barreto. “As Redes Clientelares”. In:

António Manuel; XAVIER, Ângela Barreto (Coords.). História de Portugal – volume quarto. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1992.

HESPANHA, António Manuel. XAVIER. Ângela Barreto. “A representação da sociedade e do poder”. In: HESPANHA, António Manuel; XAVIER, Ângela Barreto (Coords.). História de Portugal – volume quarto. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1992.

JANCSÓ, István. “A Sedução da Liberdade: cotidiano e contestação política no final do século XVIII.” In: NOVAIS, Fernando, SOUSA, Laura de Mello, et alli. História da Vida Privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América Portuguesa, vol. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

JAROUCHE, Mamede Mustafa. O livro das mil e uma noites. Rio de Janeiro. Biblioteca Azul/Globo Livros. 2012.

LADURIE, Emmanuel Le Roy. Montaillou: cathars and catholics in a french village. (1294-1324). London: Scolar Press. 1985.

LARA, Silvia Hunolt (Org.). Ordenações Filipinas: Livro V. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

LEMES, Fernando Lobo. “Governo colonial, distância e espera nas minas e Capitania de Goiás”. In: Topoi: Revista de História. Vol. 13, nº 25. Jul/Dez 2002. p. 112-129.

LUCHETI, Nayara Vignol. “Administração por escrito: a circulação de notícias entre Brasil e Portugal (XVII-XVIII)”. In: Temporalidades – Revista de História. Belo Horizonte. Vol. 9, nº 3, 2017.

MAGALHÃES, Joaquim Romero Antero de. “As origens”. In: COELHO, Maria Helena da Cruz; MAGALHÃES, Joaquim Antero Romero (Coords.). Poder Concelhio: das origens às Cortes Constituintes. Notas da História Social. Coimbra: CEFA, 1986.

MARCOCCI, Giuseppe. A consciência de um império: Portugal e seu mundo (séc. XV-XVII). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. 2012.

MARQUES, A. H. de Oliveira. “D. Afonso Henriques: rei portucalense ou rei português? D. Afonso Henriques e a sua época”. In: Actas do 2º Congresso Histórico de Guimarães. Vol. 1, Câmara Municipal/ Universidade do Minho. Guimarães. 1997.

MAUSS, Marcel. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1981.

MAXWELL, Kenneth. A Devassa da Devassa: a inconfidência mineira, Brasil e Portugal. 1750-1808. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1985.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. “A guerra e o pacto: a política de intensa mobilização militar nas Minas Gerais”. In: CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik. Nova história militar brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

MELLO. Evaldo Cabral de. A Fronda dos mazombos: Nobres contra mascates. Pernambuco (1666-1715). São Paulo, Cia. das Letras, 1995.

MENDES, Caroline Garcia. “A escrita e o envio de cartas do governador-geral Francisco Barreto (1657-1663)”. In: Clio: Revista de Pesquisa Histórica. UFPE. nº 32.1, 2014.

MOLLAT, Mollat. Os pobres da Idade Média. Campus: Rio de Janeiro, 1989.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. “Elites locais e mobilidade social em Portugal nos finais do Antigo Regime.” In: Análise Social, vol. XXXII, (41), 1997.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. “Os Concelhos e as Comunidades. In: MATTOSO. José (Dir.) História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Ed. Estampa, 1998.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. “Poderes municipais e elites locais (séculos XVII-XIX): estado de uma questão”. In: História do Município no Mundo Português: Seminário Internacional. Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico, 1998.

NICOLAZZI, Norton Frehese Jr. Almotacés: administração e ordem urbana na Curitiba setecentista. Dissertação de mestrado em história. Curitiba: UFPR. 2002.

OLIVAL, Fernanda. As Ordens Militares e o Estado Moderno: Honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789). Lisboa: Estar Editora, 2001.

OLIVEIRA, Ricardo de. “As metamorfoses do império e os problemas da monarquia portuguesa na primeira metade do século XVIII”. In: Varia História. Vol. 26, nº 43. Belo Horizonte, 2010.

PAGDEN, Antony. Lords of all the worlds, ideologies, of empire of Spain, Britain and France c.1550 – c.1800. New Haven: Yale University Press, 1995.

PEREIRA, Magnus Roberto de Mello. “Alguns aspectos da questão sanitária das cidades de Portugal e suas colônias: dos saberes olfativos medievais à emergência de uma ciência de salubridade iluminista”. In: Topoi: Revista de História Vol. 06, nº 10 – jan – jun. 2005.

PIRES, Maria do Carmo. Em testemunho de verdade: juízes de vintena e o poder local na Comarca de Vila Rica (1736-1808). Tese de doutorado em história. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo (Colônia). São Paulo: Brasiliense, 1999.

RAMINELLI, Ronald. “Monarcas e súditos ‘sem qualidades’: perdão régio e defeito de sangue no mundo luso-brasileiro”. In: CORRÊA, Helidacy Maria Muniz; ATALLAH, Cláudia Cristina Azeredo (Orgs.) Estratégias de poder na América portuguesa: dimensões da cultura política (séculos XVII-XIX). Niterói. PPGH/UFF, 2010.

RAMINELLI, Ronald. Viagens Ultramarinas. Monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo: Alameda, 2008.

ROCHE, Daniel. O povo de Paris: ensaio sobre a cultura popular no século XVIII. São Paulo: EdUSP, 1998.

ROMEIRO, Adriana. “O governo dos povos e o amor ao dinheiro”. In: Revista do Arquivo Público Mineiro. Ano LI, nº 1, jan-jun, 2015.

ROSSA, Walter. “Ensaio sobre a itinerância da capitalidade em Portugal”. In: LIBBY, Douglas Cole (Org.) Cortes, Cidades, Memórias: trânsitos e transformações na modernidade. Centro de Estudos Mineiros: Belo Horizonte. 2010.

RUDÉ, George. A Multidão na História: Estudos dos movimentos populares na França e na Inglaterra 1730-1848. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. “O governo local na América portuguesa: um estudo de divergência cultural”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 55, n. 109, 1977.

SALGADO, Graça. Fiscais e Meirinhos: a administração no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

SANTOS, Marília Nogueira. “O império na ponta da pena: cartas e regimentos dos governadores-gerais do Brasil”. In: Tempo: Revista de História. Niterói: EdUFF. vol. 14. Ano 27. 2009.

SANTOS, Marília Nogueira. Escrevendo cartas, governando o império: a correspondência de Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho no governo geral do Brasil, 1690-1694. Dissertação de mestrado em história. Niterói: UFF, 2007.

SCHIERA, Pierangelo. “Absolutismo”. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Giafranco. Dicionário de Política. Brasília: UNB, 1998.

SCHULTZ, Kirsten. Versalhes Tropical: império, monarquia e a Corte real portuguesa no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2008.

SCHWARTZ, Stuart B. “Gente da terra braziliense da nasção”. Pensando o Brasil: a construção de um povo. In: MOTA, Carlos Guilherme (Org.). Viagem incompleta: a experiência brasileira (1500-2000). Formação: histórias. 2.ed. São Paulo: SENAC, 2000.

SCHWARTZ, Stuart B. De la plèbe au “peuple” dans le Brésil du XVIIIe siècle. In: Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-bresilien (Plèbes urbaines d´Amerique Latine). Toulouse: Presses Universitaires du Mirail, nº 84, 2005.

SCHWARTZ, Stuart. Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial: a suprema corte da Bahia e seus juízes (1609-1751). São Paulo: Perspectiva, 1979.

SILVA, Flávio Marcus. Subsistência e Poder: a política de abastecimento alimentar nas Minas setecentistas. Tese de doutorado em história. Belo Horizonte: UFMG. 2002.

SILVA, Francisco Ribeiro da. O Porto e Seu Termo (1580-1640): os homens, as instituições e o poder. Porto: Arquivo Histórico da Câmara Municipal do Porto, 1988.

SILVEIRA, Marco Antônio da. O Universo do Indistinto: Estado e sociedade nas Minas setecentistas (1735-1808). São Paulo: Hucitec, 1997.

SOUSA, Avanete Pereira. Poder Local, cidade e atividades econômicas (Bahia, século XVIII) Tese de doutorado em história. São Paulo: USP, 2003.

SOUZA, Laura de Mello; FURTADO, Júnia Ferreira; BICALHO, Maria Fernanda (Orgs.) O governo dos povos: relações de poder no mundo ibérico da Época Moderna. São Paulo: Alameda, 2009.

SOUZA, Laura de Mello; FURTADO, Júnia Ferreira; BICALHO, Maria Fernanda (Orgs.) O sol e sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes e comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TODOROV, Tzvetan. The Poetics of prose. 2ª ed. New York: Cornell University Press, 1980.

VIDIGAL, Luís. Câmara, Nobreza e Povo: poder e sociedade em Vila Nova de Portimão (1755-1834). Câmara Municipal de Portimão, 1993.

VILARDAGA, José Carlos. Revista de História. Universidade de São Paulo. Nº 162, 2010.

WEHLING, Arno & WEHLING, Maria José. “O funcionário colonial entre a sombra e o rei”. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). Revisão do Paraíso: os brasileiros e o Estado em 500 anos de história. Rio de Janeiro: Campus, 2000.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.2.14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas