Uma discreta controvérsia? Acerca de duas licenças presentes na História da América Portuguesa de Rocha Pitta

Marcone Zimmerle Lins Aroucha

Resumo


Este artigo empreende um exercício interpretativo a propósito de duas licenças presentes na História da América Portuguesa, de Sebastião da Rocha Pitta. Licenças escritas por António Rodrigues da Costa e de D. António Caetano de Souza (membros da Academia Real da História Portuguesa). A partir destas construções textuais, buscamos analisar parte do processo de aprovação da referida obra na tentativa de compreender as expectativas de adequação da prosa historiográfica no âmbito da Academia Real da História.


Palavras-chave


Academia real da História; Historiografia moderna; Prosa historiográfica; Império português

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR PERDOMO, María del Rosario. La recepción de los libros de caballerías en el siglo XVI: a propósito de los lectores en el Quijote. Literatura: teoría, historia, crítica 7 (2005): pp. 45-67.

ALEXANDRE JÚNIOR, Manuel. Introdução in ARISTÓTELES. Retórica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

BERRIO, Antonio García. El “patrón” renacentista de Horacio y los tópicos teórico-literarios del Siglo de Oro español. Actas del cuarto Congreso Internacional de Hispanistas, 1971.

ARISTÓTELES. Retórica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.BOUZA, Fernando. Del Escribano a la Biblioteca – La Civilización Escrita Europea en la Alta Edad Moderna (Siglos XV-XVII). Madrid: Editorial Síntesis, 1997.

BARBOSA MACHADO, Diogo. Bibliotheca lusitana historica, critica, e cronologica. Na qual se comprehende a noticia dos authores portuguezes, e das obras, que compuseraõ desde o tempo da promulgação da Ley da Graça até o tempo prezente (Volume 1). Lisboa, 1682.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulario portuguez e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico, brasilico, comico, critico, chimico, dogmatico, dialectico, dendrologico, ecclesiastico, etymologico, economico, florifero, forense, fructifero... autorizado com exemplos dos melhores escritores portugueses, e latinos... 10 Vols. Coimbra: no Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728.

BOUZA, Fernando. Para qué imprimir. De autores, público, impresores y manuscritos en el Siglo de Oro. Cuadernos de Historia Moderna, número 18, Servicio de Publicaciones. Universidad Complutense. Madrid, 1997.

BURKE, Peter. As fortunas d’O cortesão: a recepção europeia a O Cortesão de Castiglione. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997.

CARDIM, Pedro; MONTEIRO, Nuno Gonçalo; FELISMINO, David. A diplomacia portuguesa no Antigo Regime. Perfil sociológico e trajectórias in MONTEIRO, Nuno Gonçalo, CARDIM, Pedro & CUNHA, Mafalda Soares da (coord.). Optima Pars: Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. Lisboa: ICS. Imprensa de Ciências Sociais, 2005.

CASTRO, Ivo. Sobre a data da introdução na Península Ibérica do ciclo arturiano da Post-Vulgata. Bulletin of Hispanic Studies, 1975.

CERQUEIRA, André Sekkel. A Donzela Alada: Reflexão sobre retórica e história em Portugal no século XVII. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para a obtenção do título de Mestre em História. São Paulo, 2017.

CLEMENTINO, Kleber. Política e historiografia nas narrativas lusocastelhanas seiscentistas da guerra holandesa no Atlântico Sul. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco como requisito para a obtenção do grau de doutor em História. Recife, julho de 2016.

COLEÇÃO DOS DOCUMENTOS, estatutos e memórias da Academia Real da História Portuguesa, que neste ano de 1721, se compuseram e se imprimiram por ordem dos censores, dedicada a el rei nosso senhor, seu augustissímo protetor e ordenada pelo conde de Villamayor, secretário da mesma academia. Lisboa Ocidental, na oficina de Pascoal da Sylva, Impresso de S. Magestade Real. MDCCXXI.

CLUNY, Isabel. A Guerra de Sucessão de Espanha e a Diplomacia Portuguesa. Penélope, nº 26, 2002, pp. 63-92.

CORTESÃO, Jaime. Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid – parte 1, tomo 1 (1695-1735). Ministério das Relações Exteriores – Instituto Rio-Branco. Rio de Janeiro.

CURTIUS, Ernest Robert. Literatura Europeia e Idade Média Latina. São Paulo: Hucitec: Edusp, 1996.

DÍAZ-TOLEDO, Aurelio Vargas. Os livros de cavalarias renascentistas nas histórias da literatura portuguesa. Universidad Complutense de Madrid/Centro de Estudios Cervantinos. Península. Revista de Estudos Ibéricos, no 3, 2006: 233-247.

FORTES, Manuel de Azevedo. O Engenheiro Portuguez (2 tomos). Lisboa Ocidental: Na Oficina de Manoel Fernandes da Costa, 1728.

FURTADO, Júnia Ferreira. Guerra, diplomacia e mapas: a Guerra da Sucessão Espanhola, o Tratado de Utrecht e a América portuguesa na cartografia de D’ Anville. Topoi, v. 12, n. 23, jul-dez. 2011, p. 66-83.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GRIGERA, Luisa López. Anotações de Quevedo à Retórica de Aristóteles. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008.

GRIGERA, Luisa López. Sobre el realismo literário Del Siglo de Oro. Actas del VIII Congreso de la Asociación Internacional de Hispanistas, 1986.

KAGAN, Richard. Los cronistas y la Corona: la política de la historia en España en las Edades Media y Moderna. Madri: Centro de Estudios Europa Hispánica, 2010.

KANTOR, Iris. Esquecidos e Renascidos: historiografia acadêmica luso-americana (1724-1759). São Paulo: Hucitec; Salvador, BA: Centro de Estudos BaianosUFBA, 2004.

LAÍLLA, Luis Sánchez. “Dice Aristóteles”: la reescritura de la Poética en los Siglos de Oro. CRITICÓN. Número 79 (2000).

MARCOS, David Martín. Península de recelos – Portugal y España, 1668-1715. Madrid: Marcial Pons Ediciones de Historia, 2014.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Negócio do Brasil: Portugal, os Países baixos e o Nordeste (1641-1669). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MONGELLI, Lênia Márcia; GOUVEIA FERNANDES, Raúl Cesar & MAUÉS, Fernando. Introdução – Pela Fé, Pelo Império, Por Amor in MORAES, Francisco de. Palmeirim de Inglaterra. Cotia: Ateliê Editorial; Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

MORETTI, Franco. Romance: história e teoria. São Paulo: Novos estudos – CEBRAP número 85, 2009.

MOTA, Isabel Ferreira da. A Academia Real da História – os intelectuais, o poder cultural e o poder monárquico no séc. XVIII. Coimbra: Edições Minerva, 2003.

OLIVAL, Fernanda. As Ordens Militares e o Estado Moderno – honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789). Estar, 2001.

PÉCORA, Alcir. A história como colheita rústica de excelências in SCHWARTZ, Stuart e

PÉCORA, Alcir (org.) As excelências do governador: O panegírico fúnebre a d. Afonso Furtado, de Juan Lopes Sierra (Bahia, 1676). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

PESSOTI, Bruno Casseb. Ajuntar manuscritos, e convocar escritores: o discurso histórico institucional no setecentos luso-brasileiro. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em História. Salvador, 2009.

PITTA, Sebastião da Rocha. História da América Portuguesa, desde o anno de mil e quinhentos do seu descobrimento, até o ano mil e setecentos e vinte e quatro. Lisboa Ocidental, na Oficina de Joseph Antonio da Silva, impressor da Academia Real, 1730.

REDONDO, Fernando Gómez. Historia de la Prosa Medieval Castellana, I - La creación del discurso prosístico: el entramado cortesano. Madrid: Cátedra, 1998.

RIO-BRANCO, Miguel Paranhos. Alexandre de Gusmão e o Tratado de 1750. Brasília: FUNAG, 2010.

SILVEIRA, Pedro Telles da. O cego e o coxo: Crítica e retórica nas dissertações históricas da Academia Brasílica dos Esquecidos (1724-1725). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre. Mariana, maio de 2012.

SINKEVISQUE, Eduardo. Historiarum Copia, História Seleta: O Tratado Político (1715) de Sebastião da Rocha Pita in Pita, Sebastião da Rocha. Tratado Político (1715). Estudo introdutório, transcrição, índices, notas e estabelecimento do texto por Eduardo Sinkevisque; prefácio de João Adolfo Hansen. São Paulo: Edusp.

SOARES, Sérgio Cunha. Nobreza e Arquétipo Fidalgo – A propósito de um Livro de Matrículas de Filhamentos (1641-1724). Revista de História das Ideias. Vol. 19, 1997.

TORGAL, Luís Reis. Ideologia Política e Teoria do Estado na Restauração (2 vols.). Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade, 1981.

TRATADO DE LIMITES das conquistas entre os muito altos e poderosos senhores d. João V, Rei de Portugal, e d. Fernando VI, rei de Espanha, assinado em 13 de janeiro de 1750, em Madrid, e ratificado em Lisboa a 26 do dito mês, e em Madrid a 8 de fevereiro do mesmo ano in Sousa, Octávio Tarquínio. Colecção documentos brasileiros, vol. 19, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1939.

XAVIER, Ângela Barreto & HESPANHA, António Manuel. Redes Clientelares in MATTOSO, José & HESPANHA, António Manuel. História de Portugal – O Antigo Regime. Editorial Estampa, 1998.

YATES, Frances Amelia. A Arte da Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.2.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas