“Por dar notícia aos de fora”: os domínios ultramarinos na literatura justificativa da Restauração de Portugal (1641-1643)

Eduardo Henrique Sabioni Ribeiro

Resumo


Entre os anos 1641 e 1643, no intuito de defender os interesses portugueses no ultramar e recuperar as possessões perdidas para os holandeses, levou-se a cabo uma intensa campanha de mobilização da opinião pública dentro e fora de Portugal para conseguir apoio às embaixadas enviadas às potências inimigas de Castela. No mesmo período foram publicados livros de justificação do 1º de dezembro de 1640. Este artigo analisa as estratégias argumentativas destes livros e sua relação com a campanha voltada à opinião pública.


Palavras-chave


Restauração de Portugal; Império português; Política internacional; Opinião pública

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, José Emídio. Francisco de Lucena: sua vida, martírio e reabilitação. Lisboa: Ed. Instituto para a Alta Cultura, 1945.

ANÔNIMO. Copia da carta que o Principe de Orange escreveo a Sua Magestade o Serenissimo, & Potentissimo Senhor Rey Dom IOAM o IV. legitimo Rey de Portugal. Com outra carta, que os Estados de Olanda escrevéraõ a Sua Magestade, & hum Panegirico nos Estados de Olanda, &c. Lisboa: Jorge Rodrigues, 1641.

ANÔNIMO. Relaçam da aclamação que se fez na capitania do Rio de Janeiro do Estado do Brasil, & nas mais do Sul, ao Senhor Rey Dom João o IV por verdadeiro Rey, & Senhor do seu Reyno de Portugal, com a felicissima restituição, que delle se fez a sua Magestade que Deos guarde, &c. Lisboa: Jorge Rodrigues, 1641.

ANÔNIMO. Tregoas entre o prudentissimo Rey Dom IOAM o IV. de Portugal, & os Poderosos Estados das Provincias Unidas. Lisboa: Antônio Alvarez, 1642.

BARROS, Edval de Souza. "Negócios de tanta importância". O Conselho Ultramarino e a disputa pela condução da guerra no Atlântico e no Índico (1643-1661). Lisboa: CHAM, 2008.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. “Primero de diciembre de 1640: una revolución desprevenida?”. In: Manuscrits, nº 9, janeiro de 1991, p. 205-225.

BOXER, Charles R. O Império Colonial Português (1415-1825). Lisboa: Edições 70, 1981.

CALAFATE, Pedro. Da origem popular do poder ao direito de resistência. Doutrinas políticas no século XVII em Portugal. Lisboa: Esfera do Caos, 2012.

CARAMUEL LOBKOWITZ, Juan. Respuesta al manifiesto del reyno de Portugal. En Anberes: En la Oficina Platiniana de Balthasar Moreto, 1642.

CARDIM, Pedro. Portugal unido y separado. Felipe II, la unión de territorio y el debate sobre la condición política del Reino de Portugal. Madri: Marcial Pons, 2014.

CUNHA, Mafalda Soares. “Elites e mudança política. O caso da conspiração de 1641”. In: PAIVA, Eduardo França (org.). Brasil-Portugal: sociedades, culturas e formas de governar no mundo português (séculos XVI-XVIII). São Paulo: Annablume, 2006, p. 325-343.

DE LA PARRA, Adam. Apologetico contra el tirano y rebelde Verganza, y Conjurados, Arzobispo de Lisboa, y sus parciales, en respuesta a los doze fundamentos del padre Mascareñas. Zaragoça: Diego Dormer, 1642.

GODINHO, Vitorino Magalhães. “1580 e a Restauração”. In: Ensaios II. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1968.

LAÍNEZ, José. El privado christiano deducido de las vidas de Ioseph y Daniel que fueron valanzas de los validos en el fiel contraste del pueblo de Dios que escrivía al Exmo. Sor. Don gaspar de Guzmán, Conde Duque de Sanlúcar la mayor primero Ministro de Don Phelippe Quarto El Grande Rey Catholico de las Españas y Emperador de America. Madrid. En la Imprenta del Reyno, 1641.

LEITÃO, Francisco de Andrade. Discurso político sobre o se aver de largar a Coroa de Portugal, Angola, S. Thome, & Maranhão, exclamando aos Altos, & Poderosos Estados de Olanda. Lisboa: Antônio Alvarez, 1642

LEITÃO, Francisco de Andrade. Copia das proposições e segunda allegaçam, que o Doutor Francisco de Andrada Leitão Dzembargador do Paço, do Conselho do Sereníssimo Rey de Portugal, & seu Embaxador extraordinário aos Altos Senhores Ordens geraes, & Potentes Estados das Provincias unidas lhes presentou acerca da restituição da Cidade de S. Paulo de Loanda em Angola, & da ilha, & Cidade de Sa, Thome, acerca da Ilha, Cidade & districto do Maranham, & outros lugares, Cidades, & fortalezas, Naos, & navios guerreados, usurpados, & tomados por os vassalos delles, despois do tratado da paz renovada com os ditos Senhores Ordens geraes em 14 de Junho de 1642. Lisboa: Lourenço de Anveres, 1642.

MARCOS, David Martín, IÑURRITEGUI, José María e CARDIM, Pedro. Repensar a identidade. O mundo ibérico nas margens da crise da consciência europeia. Lisboa: CHAM, 2015.

MARQUES, João Francisco. A parenética portuguesa e a dominação filipina. Porto: INIC: Centro de História da Universidade do porto, 1986.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Brasil holandês (1630-1654). São Paulo: Penguin-Companhia das Letras, 2010.

MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda restaurada. Guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. São Paulo: Editora 34, 2007.

MELLO, Evaldo Cabral de. O negócio do Brasil. Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-1669. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

OLIVEIRA, Antônio. Poder e oposição política em Portugal no período filipino (1580- 1640). Lisboa: DIFEL, 1990.

PELLICER DE TOVAR ABARCA, José de. Sucessión de los Reynos de Portugal y el Algarbe, feudos antiguos de la Corona de Castilla. Dados en dote a Doña Teresa y Don Enrique de Borgoña. Tiranizados la primera vez por Don Iuan Maestre de Auís. Conmovidos luego por Don Antonio Prior de Ocrato. Incorporados después en la Monarquía de España por derecho de sangre, y otros ocho diuersos títulos, que justificaron la Vnión en la Real Persona del Rey Don Felipe Segundo el Prudente. Posseídos pacíficamente en el Reynado de su Hijo Don Felipe Tercero, el Piadoso, y últimamente sublevados por los cómplices en el leuantamiento de Don Iuan de Bragança, vsurpando la voz y título de Rey, y quebrantando la fe deuida, omenage hecho y iuramento prestado a su legítimo, verdadero, natural, y soberano Señor Don Felipe Quarto el Grande. Logroño: Pedro de Mongastón Fox, 1640.

PRESTAGE, Edgar. As relações diplomáticas de Portugal com a França, Inglaterra e Holanda de 1640 a 1668. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1928.

RIBEIRO, João Pinto. Discurso sobre os fidalgos, e soldados portugueses não militarem em conquistas alheas desta Coroa. Lisboa: Pedro Craesbeck, 1632.

RIBEIRO, João Pinto. Uzurpação, retenção e restauração de Portugal. Lisboa: Lourenço de Anveres, 1642.

ROZALES, Uziau. Panegyrico ao Excellente Senhor Tristaõ de Mendoça Furtado, digno Embaxador, em os Estados de Flandes pella Magestade Serenissima Del Rey Dom Joaõ IV de Portugal. Amsterdam: Paulo Matheo, 1641.

ROZALES, Uziau. Manifesto do Reyno de Portugal no qual se declara o direito, causas, e modo que teve para eximir-se da obediencia delRey de Castella, e tomar a voz do Serenissimo D. João o IV. do nome, e XVIII. entre os Reys verdadeiros deste Reyno. Lisboa: por Paulo Craesbeeck, 1641.

SOUSA, Jorge Pedro. A Gazeta “da Restauração”: Primeiro Periódico Português - Uma análise do discurso. Covilhã, Portugal: LabCom, 2011.

SUBRAHMANYAM, Sanjay. The Portuguese Empire in Asia, 1500-1700: a political and ecnomic history. [s/l]: Wiley-Blackwell, 2012.

TORGAL, Luís Reis. Ideologia política e teoria do Estado na Restauração. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1981, 2 vols.

VALLADARES, Rafael. “Sobre reyes de invierno. El diciembre portugués y los Cuarenta Fidalgos (o algunos menos, con otros más)”. In: “Por toda la tierra”. España y Portugal: globalización y ruptura (1580-1700). Lisboa: CHAM, 2017, p. 189-228.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.2.06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas