Quando a explicação do divino denuncia os atos humanos: o mistério do incêndio da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. Freguesia de São Miguel das Alagoas, 1801.

Alex Rolim Machado

Resumo


Em 1801, um livro foi escrito em São Miguel das Alagoas. O assunto: a destruição da Igreja que servia de Matriz na freguesia. No intuito de explicar o ocorrido, o autor do livro atribui às ações divinas a responsabilidade de incendiar o prédio religioso. A motivação não poderia ser outra: castigo pelas ações dos homens terrenos. No entanto, os diálogos, rituais e explicações para tal catástrofe, dão pistas de que o ato fora o menos espontâneo possível. A partir da análise do contexto das relações sociais entre os grupos de São Miguel das Alagoas, pretende-se decifrar parte do mistério do incêndio e o que fundamentou o mesmo.

Palavras-chave


Igreja Colonial, Escravismo Colonial, Alagoas Colonial.

Texto completo:

PDF

Referências


Arquivo Histórico Ultramarino. Pernambuco Avulsos. Doc. 5029. 5384. 7522. 10246

Arquivo Histórico Ultramarino. Alagoas Avulsos. Doc. 1. 226

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico .... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712 – 1728, Disponível em Acessado em 27/07/2018.

Fundação Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Manuscritos. 02, 1, 006. MACEDO, José Vincente. Memorial histórico sobre um incêndio... 1801.

MACHADO, Alex Rolim. Anexo. Cinco documentos para a História da Comarca das Alagoas. Documento 01. Documento 04. Documento 05. Disponível em

Livro quarto das constituições primeiras do Arcebispado da Bahia. Título XXVII. In: VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Estudo introdutório e edição Bruno Feitler, Evergton Sales Souza; Istvan Jancsó, Pedro Puntoni (organizadores.). – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

VIEIRA, Padre Antônio. “Sermão de Nossa Senhora do Ó (1640)”. Disponível em: Acessado em 27/07/2018

ARAÚJO, Roberto Jorge Chaves. As normas técnicas para transcrição e edição de documentos manuscritos e alguns fatos gráficos da história da escrita nelas normatizados. – Universidade Estadual da Paraíba. [s/d]. Disponível em Acessado em 30/03/2019.

BAKHTIN, Mikhail. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. – São Paulo: Editora 34, 2017.

BARROS, Francisco Reinaldo Amorim de. ABC das Alagoas: dicionário Histórico e Geográfico de Alagoas. 2 Tomos. Brasília: Senado Federal, 2005.

BERWANGER, Ana Regina, LEAL, João Eurípedes Franklin. Noções de Paleografia e Diplomática. 3 ed. revista e ampliada. Santa Maria: Editoraufsm, 2008.

BLOCH, Marc. Apologia da história, ou, O ofício de historiador. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BOXER, Charles. O império marítimo Português. 1415-1825. – São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CARVALHO, Joaquim Ramos de. “Confessar e devassar: a Igreja e a vida privada na Época Moderna”. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo (coord.). História da vida privada em Portugal: A idade moderna. Direcção de José Mattoso. – Lisboa: Temas e Debates: Círculo de Leitores, 2011.

GINZBURG, Carlo. “Sinais: Raízes de um paradigma indiciário”. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. – São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HESPANHA, António Manuel. NOGUEIRA, Ana Cristina. “O quadro espacial”. In: HESPANHA, António Manuel (coord.). História de Portugal, o antigo regime (vol. IV). Dir. José Mattoso. Lisboa: editorial estampa, 1992.

HESPANHA, António Manuel. “A monarquia: a legislação e os agentes”. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo (coord.). História da vida privada em Portugal: A idade moderna. Direcção de José Mattoso. – Lisboa: Temas e Debates: Círculo de Leitores, 2011.

Highlights from the UnDisciplined Library of Guita and José Mindlin: Volume I. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/ Fapesp; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2005.

HOORNAERT, Eduardo (org.). História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo: primeira época, Período colonial. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MACHADO, Alex Rolim. Os poderes além da inquisição: a sociabilidade dos familiares e comissários do Santo Ofício nas atividades seculares e administrativas locais (Alagoas Colonial, 1674-1820). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Alagoas. Instituto de Ciências humanas, Comunicação e Artes. Programa de Pós-Graduação em História. Maceió, 2016.

MARAVALL, Antonio. A cultura do barroco: análise de uma estrutura histórica. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

MELLO E SOUZA, Laura de. O diabo e a terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. – São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MÉRO, Ernani. Santa Maria Madalena. – Maceió: Sergasa, 1994.

CABRAL, João Francisco Dias. “Exquisa Rapida A‟cerca da fundação de alguns templos da villa de Santa Maria Magdalena da Lagóa do Sul, agora cidade das Alagóas”. Revista do Instituto Archeológico e Geographico Alagoano. Nº 11, do volume II, 1879.

MOTT, Luiz. “Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu”. In: SOUZA, Laura de Mello e (coord.). História da vida privada no Brasil: Cotidiano e vida privada na América portuguesa. Direção de Fernando A. Novais. – São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

QUEIROZ, Álvaro. Os carmelitas na história de Alagoas. – Maceió: Sergasa, 1994.

ROLIM, Alex. “Por via da administração para salvação das almas: o Clero Secular e a comarca das Alagoas (Século XVII-XVIII)”. In. CAETANO, Antonio Filipe Pereira (org.). Alagoas e o império colonial português: ensaios sobre poder e administração (séculos XVII – XVIII). Maceió: Cepal, 2010.

ROLIM, Alex. “Caos administrativo e atuação eclesiástica. Vila das Alagoas (c. 1770)”. In: CAETANO, Antonio Filipe Pereira (org.). Alagoas Colonial: Construindo Economias, Tecendo Redes de Poder e Fundando Administrações (Séculos XVII-XVIII). Recife: Editora Universitária UFPE, 2012

SÁ, Isabel de Guimarães. As Misericórdias Portuguesas, séculos XVI a XVIII. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

VAINFAS, Ronaldo. Ideologia e Escravidão. – Petrópolis: Vozes, 1986.

VAINFAS, Ronaldo. “Moralidades brasílicas: deleites sexuais e linguagem erótica na sociedade escravista”. SOUZA, Laura de Mello e (coord.). História da vida privada no Brasil: Cotidiano e vida privada na América portuguesa. Direção de Fernando A. Novais. – São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: moral, Sexualidade e inquisição no Brasil. – Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 2010.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Lisboa: Edições 70, 1987.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas