Desafiando o governador: a trajetória de um soldado e os conflitos políticos entre a elite açucareira e os agentes régios em Pernambuco na segunda metade do século XVIII

Giovane Albino Silva, Kalina Vanderlei Silva

Resumo


O presente artigo examina os conflitos em torno de uma enriquecida família de comerciantes da elite açucareira, os Coelho da Silva, e os agentes régios na Capitania de Pernambuco durante as últimas décadas do século XVIII. O estudo de caso de Manoel Coelho da Silva, protagonista do texto, serve como fio condutor para temas como o recrutamento militar, os laços de solidariedade e redes de proteção, a falsificação de ordenamentos religiosos e as intrigas movidas por membros das elites no cotidiano colonial. Envolvido em diversas contendas, Manoel Coelho desafiou as normas portuguesas, contrariou as leis das esferas militar, civil e eclesiástica, tornando-se fugitivo do exército e padre acusado de adquirir falsas ordenações, episódios que colocaram sua família em conflito direto com o governador e o bispo da capitania.

Palavras-chave


Elite açucareira, Comerciantes, Conflitos coloniais, Recrutamento

Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLI, Vera Lúcia Costa. Jurisdição e Conflito: Aspectos da administração colonial Pernambuco século XVII. Recife: EDUFPE; EDUFAL, 1997.

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro; BEZERRA, J.S.A misericórdia de Olinda e a câmara minucipal: Caridade, conflitos e busca por privilégios régios no século XVIII. Revista Brasileira de História das Religiões, v. 8, p. 107-123, 2015.

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro; BEZERRA, J.S.“Pompa e circunstância” a um santo pardo: São Gonçalo Garcia e a luta dos pardos por inserção social no XVIII. História Unisinos, v. 16, p. 118-129, 2012.

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro; PEREIRA, J. N. A arte e o ofício de Luis Alves Pinto: uma trajetória de cores e tons mestiços da música entre Pernambuco e Portugal(1719-1789). Revista de História Regional, v. 17 1, p. 112-134, 2012.

COSTA, Fernando Dores. Insubmissão: aversão ao serviço militar no Portugal do século XVIII. Lisboa, ICS, 2010.

COSTA, Fernando Dores. Milícia e Sociedade: Recrutamento. In: HESPANHA, Antônio Manuel (org). Nova história militar de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004. V. 2, Op. Cit., 2004.

COSTA, Francisco Pereira da. Anais Pernambucanos. Recife: FUNDARPE, Diretoria de Assuntos Culturais, 1987.

FONSECA, Fernando Tavares da. The social and cultural roles of the university of Coimbra (1537­1820). Some considerations. e­ Journal of Portuguese History, vol. 5, number 1, Summer 2007.

GOMES, José Eudes. As milícias d’el Rey: tropas militares e poder no Ceará setecentista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

KRAUSE, Thiago Nascimento. Em busca da honra: a remuneração dos serviços da guerra holandesa e os hábitos das ordens militares (Bahia e Pernambuco, 1641-1683). São Paulo: Annablume, 2012.

LISBOA, B. A. V.; MIRANDA, B. R. F.; SOUZA, G. F. C. de; SILVA, H. N. (Orgs.). "Essa parte tão nobre do corpo da monarquia". Poderes, negócios e sociabilidades em Pernambuco colonial. Séculos XVI-XVIII. 1. ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2016.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano. Deserções e Privilégios: a Guerra ao Sul da América. Métis (UCS), v. 3, p. 175-192, 2004.

MELLO, Evaldo Cabral de. A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco, 1666-1715. São Paulo: Editora 34, 2012.

MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: o Paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

MENEZES, Jeannie da Silva.Sem embargo de ser femea: as mulheres e um estatuto jurídico em movimento no século XVIII. 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

PEREGALLI, Enrique. Recrutamento Militar no Brasil Colonial. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1986.

RAMINELLI, Ronald. Viagens Ultramarinas: monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo, Alameda, 2008.

REVEL, Jacques. Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

RIBEIRO, Marília de Azambuja. Marquês do Pombal e o fim do projeto educacional jesuítico em Portugal e seu império. Clio. Série História do Nordeste (UFPE), v. 27.2, p. 192-205, 2009.

SANTOS, Gustavo Augusto Mendonça. Transgressão e Cotidiano: a vida dos clérigos do hábito de São Pedro nas freguesias do açúcar em Pernambuco na segunda metade do século XVIII (1750-1800). Dissertação (Mestrado em História). Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2013.

SILVA, Gian Carlo Melo. Um só corpo, uma só carne: casamento, cotidiano e mestiçagem no Recife Colonial (1790-1800). Maceió: Editora Universitária da Universidade Federal de Alagoas, 2014.

SILVA, Giovane Albino. “Povo que foge e mostra prezentemente grande aversão à vida militar”: A deserção nas tropas regulares da Capitania de Pernambuco (1774-1808). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2015.

SILVA, Kalina Vanderlei. Fidalgos, capitães e senhores de engenho: o Humanismo, o Barroco e o diálogo cultural entre Castela e a sociedade açucareira (Pernambuco, séculos XVI e XVII). Varia hist. vol.28 no.47 Belo Horizonte Jan./June 2012a.

SILVA, Kalina Vanderlei. O miserável soldo & a boa ordem da sociedade colonial: História de homem, militarização e marginalidade na capitania de Pernambuco dos séculos XVII e XVIII. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2001.

SILVA, Kalina Vanderlei. O Recife em festa e a disputa pela representação do Império: o conflito de jurisdição entre Recife e Olinda pela festa de Corpus Christi no Século XVIII. In: Schurster, Karl; Silva, Giselda Brito. (Org.). Histórias do Recife, narrativas do passado e interpretações do presente. 1ed.Rio de Janeiro: Luminária Acadêmica, 2011, v. 01, p. 76-93.

SILVA, Welber Carlos Andrade da. As elites de Santo Antonio: poder, representações e relações sociais – o caso da irmandade do Santíssimo Sacramento (1791-1808), 2012b, Mestrado em História Social da Cultura Regional, UFRPE.

SOUZA, George Félix Cabral de. Elite y ejercicio de poder en el Brasil colonial. La Cámara Municipal de Recife (1710-1822). Tese (Doutorado em História). Universidade de Salamanca, Salamanca: 2007.

SOUZA, George Félix Cabral de. Tratos e Mofatras: o grupo mercantil do Recife colonial (c. 1654- c.1759). Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas