ENTRE A RINHA E A ARQUIBANCADA: A AUTORIA IMPRECISA DO MOVIMENTO ESTUDANTIL NOS INTERSTÍCIOS DE 19681.

Edwar de Alencar Castelo Branco, Idelmar Gomes Cavalcante Júnior

Resumo


Este texto reflete sobre o movimento estudantil brasileiro em termos de sua constituição enquanto categoria histórica. O foco do trabalho é centrado no ano de 1968 e no capital simbólico que o mesmo produziu e implicou em outras épocas. Procurando entender os eventos constitutivos do objeto em estudo em sua ordem acontecimental, colocou-se sob suspeição os episódios ocorridos no período, procurandose operar uma desconstrução dos discursos que constituíram aquela categoria histórica e a significaram como a grande referência para os movimentos juvenis dos anos posteriores. Trata-se, portanto, de uma

contra-história, operada com a intenção de desorganizar os discursos incidentes sobre o Movimento Estudantil e retornar os eventos à sua desordem acontecimental, necessariamente surpreendente.

 

Palavras-Chave: História, Movimento estudantil, 1968.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291