JÚLIO BELLO: UM HOMEM VELHO FALA SOBRE AS VELHICES QUE VIU E VIVEU

Alarcon Agra do Ó

Resumo


Inventada, no Brasil, enquanto os séculos XIX e XX ainda se misturavam, a experiência moderna da velhice não teria o rosto que acabou por assumir sem o concurso de uma série de práticas históricas, entre as quais a produção memorialística nordestina. Ali, naquelas páginas cheias de recordações e de avaliações do tempo, passado ou presente, corpos traduziam-se como envelhecidos e desde aí se punham a pensar (sobre) o mundo. Neste texto exploro a narrativa de um dos memorialistas nordestinos mais célebres, o pernambucano Júlio Celso de Albuquerque Bello (1873-1951), em busca de, nela, discernir o perfil de uma modalidade nova de se experimentar as idades, especialmente no que tangia ao que então passou a se nomear como a velhice.

Palavras-Chave: História da Velhice – Memória – História


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291