A MICROANÁLISE COMO SUPORTE TEÓRICO-METODOLÓGICO PARA O ESTUDO DO SISTEMA ESCRAVISTA BRASILEIRO A PARTIR DA RECONSTITUIÇÃO DE TRAJETÓRIAS DE ESCRAVOS (ALEGRETE, SÉCULO XIX)

Paulo Roberto Staudt Moreira, Marcelo Santos Matheus

Resumo


p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 12.0px 'Times New Roman'; min-height: 15.0px} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 11.0px 'Times New Roman'} span.s1 {font: 12.0px 'Times New Roman'}

O objetivo do presente artigo é discutir algumas das possibilidades que o aporte teórico-metodológico da micro-história italiana fornece aos pesquisadores da escravidão no Brasil. Para isto, selecionamos algumas trajetórias que puderam ser mais bem documentadas, tendo como foco dessa experimentação o município de Alegrete. Apesar de ser um artigo essencialmente teórico, decidimos por relacionar metodologia, teoria e pesquisa empírica para que a análise ganhasse contornos mais concretos. Neste sentido, podemos apontar que ferramentas como o a diminuição da escala de análise e a busca pelo nome de um mesmo indivíduo em diferentes fontes, além de revelar estruturas sociais diferentes e imperceptíveis a um estudo macro, também têm implicações teóricas para o entendimento do processo escravista como um todo. 

Palavras-chave: Escravidão; Micro-história; Alegrete. 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

                          

             

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                  contador inserido em 14. Junho. 2018   hits counter html