A arte das corporações de ofícios: as irmandades e o trabalho no Rio de Janeiro Colonial

Mônica de Souza Nunes Martins

Resumo


O artigo apresenta como interagiam as corporações de ofícios na colônia portuguesa na América - com ênfase na realidade social e econômica do Rio de Janeiro -, mostrando como elas proliferaram em diferentes regiões da colônia e apresentando formas diferenciadas de organização dos ofícios mecânicos. Analisando a proeminência da Casa dos Vinte e Quatro de Lisboa e os aspectos gerais das guildas portuguesas foi possível verificar a forte influência delas sobre as corporações de ofícios na colônia, levando em conta sua considerável atuação política no Brasil até a primeira metade do século XIX. Ressalta-se a ingerência fundamental desempenhada pelas irmandades leigas, tanto nas associações portuguesas quanto em suas congêneres na colônia, destacando-se como importantes instituições na consolidação das relações de trabalho entre mestres e aprendizes, além de fortes canais de interação com a vida política da cidade.


Palavras-chave


Corporações de Ofícios; Mestres e Aprendizes; Brasil colônia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291