Professores de História sob a perspectiva de estética e política em Jacques Rancière

Rafael Monteiro de Oliveira Cintra

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de apresentar uma perspectiva de análise sobre aulas de História a partir das noções de “Estética” e “Política” tal como são (re)definidas por Jacques Rancière. No primeiro momento, faremos uma apresentação dos conceitos, situando-os dentro dos estudos do filósofo e buscando uma primeira articulação com o nosso objeto. No segundo momento, analisaremos práticas de uma professora de História do ensino básico de uma escola pública da região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, percebendo tais estudos como metodologia potente para pensarmos aspectos prementes do ensino de História.


Palavras-chave


Estética; Política; Ensino de história

Texto completo:

PDF

Referências


BIESTA, Gert. Boa educação na era da mensuração.Cadernos de pesquisa, v. 42, n. 147, p. 808-825.2012.

BIESTA, Gert. Para Além da Aprendizagem: uma educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

CINTRA, Rafael M. O. Hoje a aula vai ser um filme: o cinema na tessitura dos saberes docentes e na aula de História. 2019. 170f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Centro de Educação e Humanidades, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2014.

FRESQUET, Adriana. Cinema e Educação: reflexões e experiências com professores e estudantes deeducação básica, dentro e fora da escola. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 1, p. 9-43, 2001.

JALAVA, Marja. Emoções na historiografia. O caso da comunidade finlandesa de historiadores do início do século XX. História da historiografia, v.12, n. 31, p. 113-143, 2019.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo

Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. Mas não somente assim! Leitores, autores, aula como texto e o ensino-aprendizagem de História. Tempo - Revista do Departamento de História da UFF, v. 11, n. 21, p. 15-26, 2007.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In:

NÓVOA, António. (Org.). Vida de Professores.Portugal: Porto Editora LTDA. p. 11-30.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. El malestar en la estética. Buenos Aires: Capital Intelectual, 2011a.

RANCIÈRE. Jacques. O que significa estética. Disponível em: http://www.proymago.pt/Ranciere-Txt-2. 2011b. Acesso em 05/09/2019.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

TARDIF, Maurice.; LESSARD, Claude. O trabalho docente:elementos para uma teoria da docência comoprofissão de interações humanas. Rio De Janeiro: Editora Vozes, 2014.

VOIGT, André. O conceito de “cena” na obra de Jacques Rancière: a prática do “método da igualdade”. Kriterion – Revista de Filosofia, v. 60, n. 142, 2019, p. 23-41, 1995.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas