Lembrar os mortos em combate pela terra: o MST reivindica a memória das vítimas da ditadura.

Alberto Rafael Ribeiro Mendes

Resumo


Este artigo trata da atuação do MST no processo de construção social da memória dos camponeses mortos durante a ditadura militar brasileira, a partir da publicação, em 1985, do dossiê Assassinatos no campo: crime e impunidade - 1964-1985. Publicado em meio ao processo de transição democrática, o dossiê expôs nacionalmente as violações de direitos humamos, lançando luz não somente sobre a violência da ditadura, mas também sobre a permanência dos crimes contra os trabalhadores rurais na Nova República. Com o dossiê, o MST evocava a memória dos camponeses, colocando-se como herdeiros de suas lutas, ao mesmo tempo em que reforçava sua imagem como representante dos trablhadores rurais.

Palavras-chave


MST, Memória, Violência no campo, Ditadura Militar

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado. Bauru, SP: Edusc, 2007.

AZEVEDO, Fernando. As ligas camponesas. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1982.

CARDIA, Nancy; SALLA, Fernando. Um panorama da tortura no Brasil. In: CARDIA, Nancy; ASTOLFI, Roberta. (Orgs.).Tortura na era dos direitos humanos. São Paulo: Edusp, 2014, pp. 315 – 358.

CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

BRASIL: NUNCA MAIS. Arquidiocese de São Paulo: Petrópolis: RJ: Vozes, 2011.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório: textos temáticos/ Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2011.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ, 2012.

COUTO, Mia. Vozes anoitecidas. São Paulo: Companhia da Letras, 2013.

CORREIO BRAZILIENSE. Brossard deixa a Igreja assustada. Brasília, 26 de junho de 1986, p. 5.

CPT. Intervenção perante a Sub-comissão de Reforma Agrária e Política Agrícola do Congresso Constituinte. Goiânia, 06/05/1987.

CPT. Conflitos de terra no Brasil, 1986.

FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. O preço de uma reconciliação extorquida. In: SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010, pp. 177 – 186.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

JELIN, Elizabeth. La lucha por el passado: como construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2017.

JORNAL DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA, Ano III, nº 42, fevereiro, 1985.

JORNAL DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA, nº 52, ano V, 1986.

JORNAL DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA, nº 63, ano VI, 1987.

JORNAL DO BRASIL. Dossiê registra conflitos.Rio de Janeiro, 27 de abril de 1986.

JORNAL DO BRASIL. Presidente do Incra não crê em violência contra a reforma agrária. Rio de Janeiro, 07 de maio de 1986.

KHEL, Maria Rita. Tortura e sintoma social. In: SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010, pp. 123 – 132.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARTINS, José de Souza. A reforma agrária e os limites da democracia na “nova república”. São Paulo: Editora HUCITEC, 1986.

MAUÉS, Flamarion. A tortura denunciada sem meias-palavras: um livro expõe o aparelho repressivo da ditadura. In: SANTOS, Macdowell; TELES, Edson; TELES, Janaína de Almeida. (Orgs.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. Vol. 1. São Paulo: Editora HUCITEC, 2009, pp. 110-134.

MAUÉS, Flamarion. Livros, editoras e oposição à ditadura. Estudos Avançados. São Paulo, vol. 28, nº 80, p. 91-104, 2014.

MEDEIROS, Leonilde Servolo de. História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989.

MEDEIROS, Leonilde Servolo. (Org.). Ditadura, conflito e repressão no campo: a resistência camponesa no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, p. 3-15,1989.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura, Anistia e Reconciliação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 23, nº 45, p. 171-186, jan./jun. 2010.

REIS, Daniel Aarão. As armadilhas da memória e a reconstrução democrática. In: ALONSO, Ângela; GOMES, Angela de Castro. et al. Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ROBIN, Régine. A memória saturada. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2016.

SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

SILVA, José Gomes da. Buraco negro: a reforma agrária na Constituinte. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

SOUSA, Reginaldo Cerqueira. Guerrilha do Araguaia: violência, memória e reparação. Projeto História, São Paulo, v. 66, pp. 178 – 219, Set./Dez., 2019.

STÉDILE, João Pedro. MST 20 anos: o significado da celebração. MST. Educação no MST: balanço 20 anos. Boletim da educação, nº 9, nov. 2004, pp. 9-10.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona; Buenos Aires; México: Paidós, 2008.

VEJA. O cerco da Igreja. 09 de julho de 1986.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.19

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas