A História entre a Ciência e a Espada: As academias literárias em Lisboa e seus escritores na Restauração de Portugal (1640-1668))

Eduardo Martins

Resumo


O artigo analisa as ações políticas dos membros das academias literárias na Restauração de Portugal. A proposta é identificar padrões conceituais na escrita da história desses membros e articular com as suas ações políticas durante a guerra. A ideia é mostrar quão importante foi a organização de grupos intelectuais pensando e trabalhando em teorias do discurso para resolver problemas políticos.

Palavras-chave


Restauração de Portugal, Academias literárias, Discursos políticos, Academia dos generosos

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSIUS, J. Politica. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1990.

ALVAREZ, F. B. Portugal no Tempo dos Felipes. Política, cultura, representações. Lisboa: Cosmos, 2000.

BEBIANO, R. A Pena de Marte:A escrita da guerra em Portugal e na Europa (sécs. XVI-XVIII). Coimbra: Edições Minerva, 2002.

BLOCH, E. Thomas Muntzer. O teólogo da Revolução. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1973.

BOTERO, G. Da Razão do Estado. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1992.

CAMENIETZKI, C. Z. Paraíso Proibido:A censura ao paraíso brasileiro, a Igreja portuguesa e a Restauração de Portugal entre Salvador, Lisboa e Roma. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

CAMENIETZKI, C. Z.; SARAIVA, D; SILVA, P.F. O Papel da Batalha. A disputa pela vitória da batalha de Montijo na publicística do século XVII. Revista Topoi, v.13, n. 24, janeiro-junho, 2012, pp.10-28.

CAMÕES, L. Os Lusíadas. Porto: Porto Editora, 2015.

COSTA, F. D. A Guerra de Restauração (1641-1668). Lisboa: Livros Horizonte, 2004.

CUNHA, A. A. Certamen Epithalamico Publicado na Accademia dos Generosos de Lisboa:ao felicissimo cazamento do invicto e sempre augusto monarcha, D. Afonso VI ... Lisboa: Oficina de João da Costa, 1666, p. 5.

CUNHA, A. A. Obelisco Português. Lisboa: Oficina de António Craesbeeck de Melo, 1669.

CUNHA, J. N. Epítome sobre a Vida e as Ações de D. Pedro. Lisboa: Oficina de António Craesbeeck de Melo, 1666.

CUNHA, M. S.; COSTA, L. F. D. João IV. Lisboa: Círculo de leitores, 2006.

CURTO, D. R. Cultura Imperial e Projetos Coloniais (séculos XV a XVIII). São Paulo: Unicamp, 2009, p. 159.

DELUMEAU, J. O Nascimento e a Afirmação da Reforma. São Paulo: Pioneira, 1989.

DESCENDRE, R. A Politização do Mundo. São Paulo: Unicamp, 2016.

DIAS, J. S. S. Camões e a Universidade Portuguesa do Século XVI. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1988.

ESPÍRITO SANTO, G. A Grande Estratégia de Portugal na Restauração. Casal de Cambra: Caleidoscópio, 2006.

FERREIRA, N. A. M. Luis Serrão Pimentel(1613-1679): Cosmógrafo Mor e Engenheiro Mor de Portugal. Ano de defesa 2009. 205 fls. Dissertação de Mestrado em História dos descobrimentos e da expansão – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009.

FEBVRE, L. Martinho Lutero:Um destino. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

GESTEIRA, M. H; CAROLINO, L. M.; MARINHO, P. As Formas do Império: Ciência, Tecnologia e política em Portugal e no Brasil. Séculos XVI ao XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GUIMARÃES, P. I. A Palavra e o Império:a Arte da Língua Brasílica e a conquista do Maranhão. São Paulo: Revista de História, nº 165, 2011, p. 367-401.

HESPANHA, A. M. As Vésperas do Leviathan – Instituições e poder político em Portugal no século XVII. Lisboa: Almedina, 1994.

HILL, C. A Bíblia Inglesa e as Revoluções do Século XVII. Civilização Brasileira, 2003.

KANTOR, Iris. Esquecidos e Renascidos: historiografia acadêmica luso-americana 1724-1759. São Paulo: Hucitec, 2004.

LEITE, B. M. B. Que não Seja Esmalte Mais que Ouro: A teoria do discurso histórico em D. Francisco Manuel de Melo. Revista Clio, n.3.1, janeiro-junho, 2019, pp. 107-127.

LIPSIUS, J. Los Seis Libros de la Politica o Doctrina Civil. Madrid: Imprensa Real, 1604.

LIVIO, T. História de Roma. São Paulo: Paumape, v.4. 1990.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

MARAVALL, J. A. La Cultura del Barroco. Madrid: Ed. Ariel, 1975.

MARAVALL, J. A. La Oposicíon Politica Bajo Los Austrias. Madrid: Ed. Ariel, 1974.

MARQUES, A.O. A História de Portugal.Lisboa: Palas editores, vol. 1, 7ª ed., 1977.

MATHIAS, Elze Maria Vonk. A Academia dos Generosos: uma academia ou uma sequência de academias?Lisboa: Revista da Biblioteca Nacional, 2 (2), 1982, pp. 223-241.

MELO, F. M. Cartas Familiares. Lisboa, Estampa, 1985.

MELO, F. M. Tratado da Ciência Cabala. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

MENESES, L. o Conde de Ericeira. A História de Portugal Restaurado. Porto: Oficina de Domingos de Oliveira, 1945. Publicado em Lisboa pela primeira vez no ano 1679.

MIRANDA, J. C. Ecos do Torquato Tasso, Gerusalemme liberada, na Academia dos Generosos de Lisboa. Coimbra: Biblioteca Univ. Coimbra, vol. 37, 1982, p. 189-200.

OLIVEIRA, A. Movimentos Sociais e Poder em Portugal no Século XVII. Coimbra: IHES – Faculdade de Letras, 2002.

ORTIZ, A. D. Politica y Hacienda de Felipe IV. Madrid: Editorial de Derecho Financero, 1960.

PALMA-FERREIRA, J. Academias Literárias dos séculos XVII e XVIII. Lisboa: Estampa, 1982.

REDONDI, P. Galileu Herético. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

SACROBOSCO, J. O Tratado da Esfera. São Paulo: Unesp, 2011.

SANTOS, C. M. R. O Académico Ambicioso: António Alvarez da Cunha e o aparecimento das academias literárias em Portugal. Ano de defesa 2012. 344 fls. Tese de Doutorado em Literaturas e Culturas Românicas – Faculdade de Letras, Universidade do Porto. Porto, 2012.

SARAIVA, D. A Luz Comum do Universo: tipografia, publicidade e opinião no Portugal moderno. O caso da aclamação de D.João IV em Barcelos (1640-1642). Revista Clio, n.3.1, janeiro-junho, 2019, pp.42-65.

SÊNECA. L. Tratado sobre a Clemência. Petrópolis: Vozes, 2013.

TÁCITO, C.Anais. Rio de Janeiro: Ediouro, 1987.

WEBER, M. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas