Esfinge ou Caleidoscópio? O desafio da pesquisa em livros didáticos de História

Helenice Aparecida Bastos Rocha

Resumo


Situamos o problema da pesquisa do livro didático no Brasil, a partir do desafio colocado a sua análise em diversas partes do mundo. Tomamos o livro didático como repositório material de discursos didatizados sobre conhecimentos relativos a um campo específico de saber, com leitura mediada ou não, destinado ao público escolar.  Na primeira parte, nos interessa “re”apresentar advertências trazidas a público por Alain Choppin, ao classificar os tipos de pesquisas sobre tais livros. Na segunda apresentaremos algumas alternativas teórico-metodológicas no escopo de uma parte dessas pesquisas e, entre elas, o percurso do projeto “Narrativa Histórica nos livros didáticos: tradição e rupturas.” 


Palavras-chave


Livro didático; Ensino de história; Narrativa; Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKTHIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 5ª ed. São Paulo: Ed. HUCITEC, 1999.

BAKTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4ª ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2003.

BAKTIN, Mikhail. Contribuições para a filosofia da Linguagem e Estudos Discursivos. Porto Alegre: Ed. Sagra Luzzatto, 2005.

BARDIN, Laurence. A análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de

pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004.

CHOPPIN, Alain. O manual escolar: uma falsa evidência histórica. História da Educação, ASPHE, Pelotas, v. 13, n. 27 p. 9-75, 2009.

COELHO, Mauro Cezar; ROCHA, Helenice Aparecida Bastos. Paradoxos do protagonismo indígena na escrita escolar da História do Brasil. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 25, p. 464 - 488, jul./set. 2018.

CUESTA FERNÁNDEZ, Raimundo. Sociogénesis de una disciplina escolar: laHistoria. Barcelona: Ediciones Pomares-Corredor S.A. 1997.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Ideologia no livro didático. Coleção Questões da Nossa Época. São Paulo: Cortez, 1984.

FREITAG, Barbara. O livro didático em questão. São Paulo: Cortez, 1993.

GREVER, Maria; VAN DER VLIES, Tina. Why national narratives are perpetuated: A literature review on new insights from history textbook research. London Review of Education.Londres, Volume 15, Number 2, p.286-301, 2017.

JOHNSEN, EgilBorre. Textbooks in the Kaleidoscope. A Critical Survey of Literature and Research on Educational Texts. Translatedby Linda Sivesind. Tønsberg: VestfoldCollege, 2001.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: Contribuição à semântica dos tempos históricos.Rio de Janeiro: Contraponto, Puc-Rio, 2006.

LORIGA, Sabina. O eu do historiador. História da historiografia, Ouro Preto, número 10, p. 247-259, 2012.

MINISTERIO DE EDUCACIÓN. Primer Seminário de textos escolares 2006. Gobierno de Chile, Santiago de Chile, 2007.

MOREIRA, K. H., SILVA, M. Um inventário: o livro didático de história em pesquisas. São Paulo: Ed. da Unesp, 2010.

MORGAN, KatalinEszter, HENNING, Elizabeth. Designing a tool for historytextbook analysis. ForumQualitativeSozialforschung/Forum: Qualitative SocialResearch, 14(1), 2013.

NOSELLA, Maria de Lourdes C. D. As belas mentiras: a ideologia subjacente aos textos didáticos. São Paulo: Cortez, 1978.

PROST, Antoine. As palavras. In RÉMOND, René. Por uma história política. (trad. Dora Rocha), 2ª ed. Rio de Janeiro, FGV, 2003.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François. Ed. Unicamp, 2008.

ROCHA, Helenice. Livros didáticos de história: a diversidade de leitores e de usos. In: ROCHA, H.A. B; REZNIK, L.;MAGALHÂES, M. S..(Org.). A história na escola: autores livros e leituras. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2009, p. 201-226.

ROCHA, H.; REZNIK, L.; MAGALHÃES, M. de S. (org.). Livros didáticos de história: entre políticas e narrativas.Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017.

ROQUE, Isabel Rebelo. Sobre girafas, mariposas, corporativismo científico e anacronismos didáticos. In Ciencia Y Tecnologia, La Insignia, setembro, 2002.

UNESCO, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization and Georg Eckert Institute for International Textbook Research. Guidebook on Textbook Research and TextbookRevision. Place de Fontenoy, Paris, Braunschweig, 2009.

VAN DER VLIES, T. ‘Multidirectional war narratives in history textbooks’. PaedagogicaHistorica: InternationalJournaloftheHistoryofEducation, 52 , 300–14, 2016.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas