Esquecidos, desclassificados e sem razão de ser? Revisitando a historiografia para localizar o pobre no mundo rural

Júlia Leite Gregory

Resumo


O objetivo do presente trabalho é revisitar algumas obras importantes da historiografia brasileira que se dedicaram ao estudo dos pobres no mundo rural, principalmente nos séculos XVIII e XIX, enfatizando aqueles que se detiveram sobre os chamados lavradores nacionais no Rio Grande do Sul. Apesar do grupo ter recebido uma variedade de análises desde meados do século XX, sobretudo dentro dos campos das histórias agrária e social, e os pesquisadores terem alcançado avanços a respeito do tema, novos problemas continuam a provocar a ciência histórica na tarefa de desvendar a sociedade do mundo rural.

Palavras-chave


Historiografia, Mundo rural, Pobre, Lavradores nacionais

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, Hebe Maria Mattos de. Ao sul da história: lavradores pobres na crise do trabalho escravo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

CHRISTILLINO, Cristiano Luís. Estranhos em seu próprio chão: o processo de apropriações e expropriações de terras na província de São Pedro do Rio Grande do Sul (o Vale do Taquari no período de 1840-1889). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2004. 374 p.

ECKERT, José Paulo. O povo dos hervaes – entre o extrativismo e a colonização (Santa Cruz, 1850-1900). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2011. 187 p.

EISENBERG, Peter. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – séc. XVIII e XIX. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

FARINATTI, Luís Augusto Ebling. Sobre as cinzas da mata virgem: Os lavradores nacionais na Província do Rio Grande do Sul (Santa Maria: 1845-1880). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, 1999. 183 p.

FARINATTI, Luís Augusto Ebling. Confins meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na Fronteira Sul do Brasil (1825-1865). Tese (Doutorado em História Social) - Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2007. 421 p.

FRAGOSO, João Luís. O Império Escravista e a República dos Plantadores. Parte A: Economia brasileira no século XIX: mais do que uma plantation escravista-exportadora. In: LINHARES, Maria Yedda (Org.). História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p. 145-196.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, [1969]1997.

GARCIA, Graciela Bonassa. O domínio da terra: conflitos e estrutura agrária na campanha rio-grandense oitocentista. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2005. 195 p.

GERHARDT, Marcos. História ambiental da erva-mate. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2013. 290 p.

GOMES, Luciano Costa. Camponeses e pequenos escravistas: estrutura econômica, reprodução social e vínculos extradomiciliares de produtores rurais em Porto Alegre e Viamão, décadas finais do século XVIII. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2018. 332 p.

LEIPNITZ, Guinter Tlaija. “Vida independente, ainda que modesta”: dependentes, trabalhadores rurais e pequenos produtores na fronteira meridional do Brasil (c. 1884 – c. 1920). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2016.285 p.

MARTINS, Valter. Nem senhores, nem escravos: os pequenos agricultores em Campinas na primeira metade do século XIX. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 1995.285 p.

MARQUES, Rachel dos Santos. Para além dos extremos: homens e mulheres livres e hierarquia social (Rio Grande de São Pedro, c. 1776 – c. 1800). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.256 p.

OSÓRIO, Helen. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

SILVA, Marcio Antônio Both da. Por uma lógica camponesa: caboclos e imigrantes na formação do agro do planalto rio-grandense – 1850-1900. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2004. 183 p.

SILVA, Marcio Antônio Both da. Babel do Novo Mundo: povoamento e vida rural na região de matas do Rio Grande do Sul (1889-1925). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2009.274 p.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do Ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.

ZARTH, Paulo Afonso. História agrária do planalto gaúcho (1850-1920). Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1997.

ZARTH, Paulo Afonso. Do arcaico ao moderno: o Rio Grande do Sul agrário do século XIX. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.2.14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas