Entre homens de saber, de letras e de ciência: médicos e outros agentes da cura no Brasil colonial

Ana Carolina de Carvalho Viotti

Resumo


A pluralidade de agentes e saberes curativos é traço marcante dos séculos que antecederam o estabelecimento da Corte portuguesa e, com ela, o ensino e prática essencialmente médicas no Brasil. Este artigo tem como mote examinar a formação dos saberes curativos no cenário colonial, saberes esses que se fizeram a partir do intercâmbio entre as ideias advindas do Velho Mundo e as necessidades – e possibilidades – dos trópicos. 


Palavras-chave


Medicina; práticas de cura; Brasil colonial

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Laurinda. O papel das misericórdias dos "lugares de além-mar" na formação do império português. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, pp. 591-611, 2001.

ABREU, E. A. P. de. A Fiscatura-mor e o Cirurgião-mor dos Exércitos no Reino de Portugal e Estados do Brasil. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo LXIII, parte 1, 1901.

ACL, Manuscrito azul n. 374, fl. 341, v-342.

ALGUNAS cosas que de la Provincia del Brasil se proponen nuestro Padro General este anno de 1579 y respuestas a ellas. Coleção Brasiliana 2, v. 29.

ALMEIDA, Manuel Lopes de. (org) Notícias históricas de Portugal e Brasil (1715-1750).Coimbra: Universidade de Coimbra, 1961, v. 1.

ANCHIETA, José de. Cartas: correspondência ativa e passiva. Pesquisa, introdução e notas do Pe. Hélio Abranches Viotti. São Paulo: Edições Loyola: Vice Postulação da Causa de Canonização do Beato José de Anchieta, 1984.

ANÔNIMO. Journal d’um Voyage. In: FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. Visões do Rio de Janeiro colonial. Antologia de textos (1531-1800). São Paulo: Ed. José Olympio, 2008.

ANTT, RMC, Caixas, 151, 153-163.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Medicina rústica. Brasiliana vol. 300. São Paulo, Ed. Nacional, Brasília, INL, 1977.

ARAÚJO, J. S. Perfil do leitor colonial. Ilhéus (BA): Editus, 1999.

ARCHIVO Pittoresco. Seminario illustrado. Lisboa: Typographia de Castro Irmão, 1866. v. 9.

BASTIDE, Roger. Medicina e magia nos candomblés. In: _______. Negros no Brasil: religião medicina e magia. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes/USP, 1971.

BLUTEAU, Raphael. Diccionario da Lingua portugueza, composto pelo Padre D. Rafael Bluteau, e reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva, natural do Rio de Janeiro. Tomo segundo. L-Z. Lisboa, na Officina de Simao Thaddeo Ferreira, 1789. Disponível em http://www.ieb.usp.br/online/dicionarios/bluteau/buscaDicionarioPlChave.asp BNL, mss.Cód.630, fl. 241v.

BOTO, C. A escola do homem novo. Entre o iluminismo e a Revolução Francesa. São Paulo: Ed. da UNESP, 1996.

BUCHAN, G. Medicina doméstica ou tratado completo dos meios de conservar a saúde, e de curar, e precaver as enfermidades por via dos remédios simples. 10 vols. Tradução de Francisco Pujol. Lisboa: Tip. Rollandiana, 1801.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 6 ed. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1981.

CARTA dos oficiais da Câmara de São Paulo representando a grande falta que têm de médicos e medicamentos. In: Documentos históricos, v. 93, 1698.

CARTAS do Rio de Janeiro (1769-1776) – Marques de Lavradio. Rio de Janeiro: Instituto Estadual do Livro, 1978.

CASTELLO, José Aderaldo. Manifestações Literárias do Período Colonial. In: CASTELLO, José Aderaldo. A Literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, v.1, 1972.

COMPENDIO historico do estado da universidade de Coimbra no tempo da invasão dos denominados Jesuitas e dos estragos feitos nas sciencias e nos professores, e directores que a regiam pelas maquinaçōes, e publicaçōes dos novos estatutos por elles fabricados. Lisboa: Universidade de Coimbra, 1772.

COSTA, Affonso da. Árvore da Vida dilatada em vistosos e salutiferos ramos ornados de muitas aprasiveis e saudaveis folhas em que se deixão ver muitos e singulares remedios assim simplices como compostos, que a Arte, a experiencia, industria e a curiosidade descobrio para curar com facilidade quase todas as doenças e queixas a que o corpo humano está

sujeito principalmente em terras distituidas de Medicos e Boticas. Província de Goa, c. 1720.

COSTA, Jaime Celestino. O estudo da medicina até ao fim do século XIX. In: Academia de Ciências de Lisboa. História e desenvolvimento da ciência em Portugal. Lisboa: Publicações do II Centenário da Academia de Ciências de Lisboa. v. 1, 1986.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Aspectos da Ilustração no Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 278, 1969.

EDLER, Flávio C.; FONSECA, Maria Raquel F. da. Saber Erudito e Saber Popular na Medicina Colonial. Cadernos ABEM, Volume 2, Novembro 2005. Disponível em http://www.ensp.fiocruz.br/observarh/arquivos/med_brasil_sex_xx1.pdf

EDLER, Flavio Coelho and FREITAS, Ricardo Cabral de. O "imperscrutável vínculo": corpo e alma na medicina lusitana setecentista. Varia hist. [online]. 2013, vol.29, n. 50, pp. 435-452. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=en&nrm=iso

EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro do tempo dos vice reis. Brasília: Senado Federal, 2000.

FALCÃO, Rubens. Academias Literárias. Contribuição para a história das que se fundaram no Brasil antes da Independência. Autores e livros. v. XI, n. 6, junho de 1950. http://memoria.bn.br/pdf/066559/per066559_1950_00006.pdf.

FERREIRA, Luís Gomes. Erario mineral dividido em doze tratados, dedicado, e offerecido à purissima, e serenissima Virgem Nossa Senhora da Conceyção. Lisboa Occidental: Na Officina de Miguel Rodrigues, 1735.

FLECK, Eliane Cristina Deckmann; POLETTO, Roberto. Circulação e produção de saberes e práticas científicas na América meridional no século XVIII: uma análise do manuscrito Materia medica misionera de Pedro Montenegro (1710). História, Ciências, Saúde Manguinhos (Impresso), v. 19, p. 1121-1138, 2012.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 2001.

FRANCO, Francisco de Melo. Medicina Teológica. São Paulo: Ed. Giordano, 1994. Coleção Memória.

GESTEIRA, Heloisa Meireles. TEIXEIRA, Alessandra dos Santos. As Fazendas Jesuíticas em Campos dos Goiatacazes: práticas médicas e circulação de idéias no império português (séculos XVI ao XVIII). Clio – Série Revista de Pesquisa Histórica, n. 27.2, 2009.

GUIMARAES, Maria Regina Cotrim. Chernoviz e os manuais de medicina popular no Império. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, Aug. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=en&nrm=iso

KANTOR, Iris. Esquecidos e renascidos. Historiografia acadêmica luso-americana (1724-1759). São Paulo: Ed. Hucitec/ Centro de Estudos Baianos da Universidade Federal da Bahia, 2004.

KURY, Lorelai. Homens de ciência no Brasil: impérios coloniais e circulação de informações (1780-1810). Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, 2011.

LEITE, Serafim. Artes e ofícios dos jesuítas no Brasil. Lisboa: Brotéria, 1953.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Civilização Brasileira,

,Tomo 4.

LEITE, Serafim. Serviços de saúde da Companhia de Jesus no Brasil (1544-1760). Lisboa: Typografia do Porto, 1956.

MACHADO, Roberto et. al. Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1978.

MARTINS E SILVA, J. Anotações sobre a história do ensino da Medicina em Lisboa, desde a criação da Universidade Portuguesa até 191. RFML 2002; Série III; 7 (5), p. 237-249.

MARQUES, V. R. B. Educar para a saúde em manuais domésticos do Setecentos. In: 28 Reunião Anual da ANPEd, 2005, Caxambú. 40 Anos de Pós-graduação em Educação no Brasil, 2005.

MARQUES, V. R. B. . Medicinas secretas. Magia e ciência no Brasil setecentista. In: CHALOUB, S.; MARQUES, V. R. B.; SAMPAIO, G. R. e SOBRINHO, C. R. G. Artes e ofícios de curar no Brasil. Capítulos de história social. Campinas: Ed. Unicamp, 2003.

MARQUES, V. R. B. Natureza em boiões. Medicinas e boticários no Brasil setecentista. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

MENDES, José Antonio. Governo de mineiros mui necessario para os que vivem distantes de professores seis, oito dez, e mais legoas, padecendo por esta causa os seus domésticos e escravos queixas, que pela dilação dos remédios se fazem incuráveis, e a mais das vezes mortais. Lisboa: Off Antonio Rodrigues Galhardo, 1770.

MONTEIRO, Paula. Da doença à desordem. A magia na umbanda. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

MORAES, Rubens Borba de. Livros e Bibliotecas no Brasil Colonial. São Paulo: Edusp, 1979.

MORÃO, Simão Pinheiro. Queixas repetidas em ecos dos arrecifes de Pernambuco contra os abusos médicos que nas suas capitanias se observam tanto em dano das vidas de seus habitadores. Leitura, explicação e nótulas do Dr. Jaime Walter. Lisboa: Junta de investigações do Ultramar, 1965.

MORÃO, Simão Pinheiro. Trattado Unico das Bexigas, e Sarampo. Lisboa: Of. de João Galrao, 1683. In: MORÃO, ROSA & PIMENTA. Notícias dos três primeiros livros em vernáculo sobre a medicina no Brasil. Recife: Arquivo Público Estadual de Pernambuco, 1956.

PAIVA, Manuel Joaquim Henrique de. Curso de medicina theorica e pratica destinado para uso dos cirurgiões que andam embarcados ou que não estudam nas universidades. Lisboa, Typographia Régia Silviana, 1972.

PEDROSA, F. M. A Academia Brasílica dos Esquecidos e a história natural da Nova Lusitânia. Revista da SBHC. Rio de Janeiro, n. 1/2003, pp. 21-28.

PEIXOTO, A. (org.) Cartas avulsas de jesuítas (1550-1568). Cartas Jesuíticas II. Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira de Letras, 1931.

PIMENTA, Tânia Salgado. Barbeiros- sangradores e curandeiros no Brasil (1808-28). Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, Oct. 1998. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59701998000200005&lng=en&nrm=iso

PITA, João Rui. Contributo para a história das farmacopeias portuguesas: Manuel Joaquim Henriques de Paiva e a Farmacopéa Lisbonense. Cadernos de Cultura. Medicina na beira interior, da pré história ao século XXI. Portugal, n. 22, novembro de 2008.

REGIMENTO que serve de lei, que devem observar os comissários delegados do físico-mor do Reino nos estados do Brasil. 1744. Disponível em http://www.historiacolonial.arquivonacional.gov.br/Media/F%C3%ADsico%20mor.pdf

RIBEIRO, Márcia Moisés. A ciência dos trópicos. A arte médica no Brasil do século XVIII. HUCITEC, 1997.

RIZZINI, Carlos. O Livro, o Jornal e a Tipografia no Brasil (1500-1822). – com um breve estudo geral sobre a informação. São Paulo: Imesp, 1988.

ROSEN, George. Uma história da saúde pública. São Paulo: Ed. Unesp/HUCITEC, 1994.

SANTOS FILHO, L. História geral da medicina brasileira.São Paulo: Edusp/HUCITEC, 1977.

SANTOS, Fernando Santiago dos Os jesuítas, os indígenas e as plantas brasileiras: considerações preliminares sobre a Triaga Brasílica. Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

SIGAUD, Jean François Xavier. Du climat et des maladies du Brésil ou statistique médicale de cet empire. Paris: Chez Fortin, Massonet Cie, Libraires, 1844.

TISSOT, M. Aviso ao povo acerca da sua saúde. Tradução de Manoel Joaquim Henriques de Paiva. Lisboa: Of. de Filippe da Silva Azevedo, 1786.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (coord.). Dicionário da história da colonização portuguesa no Brasil. Lisboa: Editorial Verbo, 1994.

WEHLING, Arno. O fomentismo português no final do século XVIII: doutrinas, mecanismos, exemplificações. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Vol. 316, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas