Saberes em circulação na América Portuguesa: os estudantes maranhenses na Universidade de Coimbra (1778- 1823)

Marcelo Cheche Galves, Romário Sampaio Basílio

Resumo


Estudo da circulação de impressos entre São Luís do Maranhão e Lisboa, no período de 1778-1823, com base na documentação da Real Mesa Censória, preservada pelo Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Apontamos para as variadas razões que promoveram o deslocamento de homens e livros para São Luís, em um momento que compreende importantes transformações vividas na capitania. Partimos do pressuposto da distinção entre letramento e erudição, condição para que tal movimentação seja apreendida em sua diversidade de motivações, nem sempre relacionadas à difusão do saber científico. Em seguida, enfatizamos as remessas de impressos dos estudantes maranhenses que estudaram na Universidade de Coimbra, salientando alguns títulos que trouxeram (ou tentaram trazer) em suas bagagens, e sua atuação como remetentes de livros para a capitania.


Palavras-chave


Livros; Saberes; Maranhão

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. Os caminhos dos livros. Campinas: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil (ALB); São Paulo: Fapesp, 2003 (Coleção histórias de leitura).

ABREU, Márcia. Livros ao mar - Circulação de obras de Belas Letras entre Lisboa e Rio de Janeiro ao tempo da transferência da corte para o Brasil. Tempo, v. 12, nº. 24, janeiro de 2008, p. 51-97.

ABREU, Márcia; SCHAPOCHNIK, Nelson. (Orgs.). Cultura letrada no Brasil: objetos e práticas. Campinas: Mercado das Letras, 2005.

ALBUQUERQUE, Luís de. Verbete: universidade.In: SERRÃO, Joel. (Dir.). Dicionário de História de Portugal. Porto: Livraria Figueirinhas, 2002, p.228-233.

ARRIAGA, José de. A filosofia Portuguesa – 1720-1820.Lisboa: Guimarães Editores, 1979.

BASÍLIO, Romário Sampaio.“As gentes do livro no Maranhão”: um livreiro português na

província (1799-1819). In: Anais do III Simpósio de História do Maranhão Oitocentista:

impressos no Brasil do século XIX. São Luís: UEMA, 2013, p. 1-9.

BORRALHO, José Henrique de Paula. Uma Athenas Equinocial. A literatura e a fundação de um Maranhão no Império brasileiro. São Luís, Edfunc, 2010.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COSTA, Yuri; GALVES, Marcelo Cheche. O Epaminondas Americano: trajetórias de um advogado português na Província do Maranhão. São Luís: Café & Lápis;Editora UEMA, 2011.

COUTINHO, Mílson. Fidalgos e barões: uma história da nobiliarquia luso-maranhense. São Luís: Instituto Geia, 2005.

CURTO, Diogo Ramada et al. As gentes do Livro: Lisboa, século XVIII. Lisboa: BN, 2007.

DIAS, Maria Odila da Silva. Aspectos da ilustração no Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v.278, jan - mar de 1968, p. 105-170.

DOMINGOS, Manuela D. Livreiros de Setecentos. Lisboa: BN, 2000.

FARIA, Regina Helena Martins de. O historiador Mário Martins Meireles. In: BITENCOURT, João Batista; GALVES, Marcelo Cheche. (Orgs.). Historiografia maranhense: dez ensaios sobre historiadores e seus tempos. São Luís: Café & Lápis; Editora UEMA, 2014, p. 219-238.

GALVES, Marcelo Cheche. “Ao público sincero e imparcial”: imprensa e independência do Maranhão (1821-1826). Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2010.

GALVES, Marcelo Cheche. Os percursos da memória: construções biográficas sobre Odorico Mendes e Garcia de Abranches. In: COSTA, Yuri; GALVES, Marcelo Cheche (Orgs.). Maranhão: ensaios de biografia e história. São Luís: Café e Lápis / Editora UEMA, 2011, p. 398-418.

GUEDES, Fernando. Os Livreiros em Portugal: e as suas associações desde o século XV até os nossos dias – subsídios para a sua história. Braga: Editorial Verbo, 2005.

JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. João Francisco Lisboa: jornalista e historiador. São Paulo: Ática, 1977.

LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na independência (1821-23). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MARQUES, Maria Adelaide Salvador. A Real Mesa Censória e a Cultura Nacional: aspectos da geografia cultural portuguesa no século XVIII. Coimbra: Coimbra Editora, 1963.

MEIRELES, Mário Martins. (1960). História do Maranhão. São Paulo: Siciliano, 2001. (Coleção Maranhão Sempre).

MEIRELES, Mário Martins. Dom Diogo de Sousa, Governador e Capitão-General do Maranhão e Piauí (1798-1804). São Luís: SIOGE, 1979.

MELO, Maílson Gusmão. João Francisco Lisboa e o Jornal de Tímon: apontamentos, notícias e observações para servirem à história do Maranhão.In: BITENCOURT, João Batista; MELO, Maílson Gusmão. (Orgs.). Historiografia maranhense: dez ensaios sobre historiadores e seus tempos. São Luís: Café & Lápis; Editora UEMA, 2014, p. 15-34.

MORAES, Jomar. Apontamentos de literatura maranhense. 2. ed. São Luís: SIOGE, 1977.

MOTA, Antonia da Silva. A dinâmica colonial portuguesa e as redes de poder local na capitania do Maranhão. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.

MOTA, Antonia da Silva; GERMANO, Nivaldo. In: BITENCOURT, João Batista; GALVES, Marcelo Cheche. (Orgs.). Historiografia maranhense: dez ensaios sobre historiadores e seus tempos. São Luís: Café & Lápis; Editora UEMA, 2014, p. 169-185.

SANTOS, Cândido dos. Os jansenistas franceses e os estudos eclesiásticos na época de Pombal. Máthesis, v. 13, 2004, p. 67-104.

SEELAENDER, Airton Cerqueira-Leite. “Economia Civil” e “Polícia” no ensino do “Direito Pátrio” em Coimbra: notas sobre as “Prelecções” de Ricardo Raymundo Nogueira. Tempo, [online]. 2011, vol.17, n.31, p. 35-64.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Inventando a nação: intelectuais ilustrados e estadistas lusobrasileiros na crise do Antigo Regime Português. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2006.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Produção, distribuição e consumo de livros e folhetos no Brasil colonial. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, jan./mar., 1977, v. 314,

p. 78-95.

SOARES, Flávio José Silva. No avesso da forma: apontamentos para uma Genealogia da Província do Maranhão. 2008. Tese (Doutorado em História Cultural) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo Ilustrado, Censura e Práticas de Leitura: usos do livro na América Portuguesa. Tese defendida no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1999.

VILLALTA, Luiz Carlos. A censura, a circulação e a posse de romances na América Portuguesa (1722-1822). In: ABREU, Márcia; SCHAPOCHNIK, Nelson. (Orgs.).Cultura letrada no Brasil: objetos e práticas. Campinas: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil (ALB); São Paulo: Fapesp, 2005, p. 161-182. (Coleção histórias de leitura).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas