O dispensário noturno antivenéreo: sífilis e reforma sanitária na Paraíba (1935-1940)

Rafael Nóbrega Araújo

Resumo


O texto analisa a organização de políticas públicas para a profilaxia e o tratamento da sífilis na Paraíba, especificamente na cidade João Pessoa, ao longo da década de 1930. Num contexto em que se processavam reformas sanitárias a nível nacional, o Estado da Paraíba reformou os serviços de saúde pública ao longo do governo de Argemiro de Figueiredo (1935-1940). Com a organização de um Dispensário Noturno Antivenéreo, em 1938, os médicos sanitaristas imbuídos pela ideologia do trabalhismo se empenharam no combate à sífilis, considerada como uma doença que afetava a saúde do trabalhador, tornando-o improdutivo.

Palavras-chave


Sífilis, Paraíba; Reforma sanitária, Trabalhismo

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Fátima. Paraíba, imprensa e vida. João Pessoa: A União, 1986.

ARAÚJO, Rafael Nóbrega. O “terrível flagello da humanidade”: os discursos médico-higienistas no combate à sífilis na Paraíba (1921-1940). Dissertação (Mestrado em História) –Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, 2020. 250 p.

ARAÚJO, Silvera Vieira de. Entre o poder e a ciência: história das instituições de saúde e higiene da Paraíba na Primeira República (1889-1930). 2016. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2016. 327 p.

BATISTA, Ricardo dos Santos. “Centros de Saúde em Salvador”. In: FRANCO, Sebastião Pimentel et al. (Orgs.). Artes de curar: doenças em perspectiva. Vitória: Milfontes, 2019, p. 235-252.

BASTISTA, Ricardo dos Santos. Sífilis e Reforma da Saúde na Bahia (1920-1945). Salvador: EDUNEB, 2017.

BRASIL. [Constituição (1934)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Diário Oficial da República dos Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 jul. 1934. Suplemento e republicado em 19 dez. 1935. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº 3.987, de 2 de janeiro de 1920. Reorganiza os serviços da Saúde Pública. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, seção 1, p. 437, 08 jan. 1920.

CARRARA, Sérgio. Tributo a Vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996.

CARVALHO, Leonardo Dellacqua de. O saneador do Brasil: saúde pública, política e integralismo na trajetória de Belisário Penna (1868-1939). Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz, Casa de Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2016. 216 f.

CASTRO-SANTOS, Luiz Antônio de. “O pensamento sanitarista na Primeira República: Uma ideologia de construção da nacionalidade”. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 28, n .2, p.193-210, 1985.

CASTRO-SANTOS, Luiz Antônio de. FARIA, Lina. Os primeiros centros de saúde nos Estados Unidos e no Brasil: um estudo comparativo. In: CASTRO-SANTOS, Luiz Antônio de. FARIA, Lina. (Orgs.). Saúde e história. São Paulo: Hucitec, 2010, p. 154-186.

FLECK, Ludwik. La génesis y el desarollo de um hecho científico. Tradução Luis Meana. Madrid: Alianza Editorial, 1986.

FONSECA, Cristina M. Oliveira. Saúde no Governo Vargas (1930-1935): dualidade institucional de um bem público. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2007.

GOMES, Ângela de Castro. Ideologia e trabalho no Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce. Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV, 1999, p. 53-72.

GURJÃO, Eliete de Queiroz. A Paraíba republicana: (1889-1945). In: SILVEIRA, Rosa Maria Godoy et al. (Orgs.). Estrutura de poder na Paraíba. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 1999, p. 53-95.

GURJÃO, Eliete Queiroz. Morte e vida das oligarquias. João Pessoa: Ed. Universitária UFPB, 1994.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no Brasil. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

HOCHMAN, Gilberto. FONSECA, Cristina M. Oliveira. O que há de novo? Políticas de saúde pública e previdência, 1935-45. In: PANDOLFI, Dulce. Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV, 1999, p. 73-93.

HOCHMAN, Gilberto. Logo ali, no final da avenida: Os sertões redefinidos pelo movimento sanitarista da Primeira República. História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, v. 5, p. 217-235, jul.1998.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. “Pouca Saúde e muita Saúva”: sanitarismo, interpretações do país e ciências sociais. In: HOCHMAN, Gilberto. ARMUS, Diego. (Orgs.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.

NAPOLITANO, Marcos. História do Brasil república: da queda da Monarquia ao fim do Estado Novo. 1 ed. São Paulo: Contexto, 2018.

NÓBREGA, Humberto. As raízes das ciências médicas na Paraíba: medicina, farmácia, odontologia e farmácia. João Pessoa: Ed. Universitária UFPB, 1979.

SILVA, Waniéry Loyvia de Almeida. Autoritarismo, repressão e propaganda: a Paraíba no governo Argemiro de Figueiredo (1937-1940). 2017. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2017. 162 p.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. O teatro das oligarquias: uma revisão da “política do café com leite”. 2.ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2019.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.2.06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas