Scenas da escravidão: coluna denuncia do Jornal do Recife.

Jefferson Gonçalo Do Carmo

Resumo


Na década de 1880 o império brasileiro foi impactado tanto no espaço social quanto político com a ascensão da propaganda abolicionista. Diversas ferramentas foram utilizadas para o convencimento da população de que o sistema escravista deveria ter um fim. Uma das formas utilizadas de comoção foi o uso dos jornais, em especial a seção “scenas da escravidão” que modificou o uso de alguns periódicos no contexto escravista em Pernambuco tendo destaque nessa atuação o Jornal do Recife no embate contra o cativeiro.


Palavras-chave


Escravidão, Imprensa, Império, Movimento abolicionista

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Angela. A teatralização da Política: a propaganda abolicionista. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História– ANPHU, São Paulo, julho 2011.

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas. O movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALVES, Maíra Chinelatto. Crimes de escravos e os caminhos da autonomia: Campinas, 1876. In: CASTILHO, Celso Thomas; MACHADO, Maria Helena P.T..Tornando-se Livre: Agentes Históricos e Lutas sociais no processo de Abolição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho. Onda Negra, Medo Branco. O negro no imaginário das elites século XIX. 3ºed. São Paulo: Annablume, 2004.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho. Irmão ou inimigo: o escravo no imaginário abolicionista dos Estados Unidos e do Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 28; p. 96-109, dez./ fev.1995/1996.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho. Quem precisa de São Nabuco?Revista Afro-Ásia, Salvador, ano 23, n. 1, p. 85–97, 2001.

AZEVEDO, Elciene. O Direito dos Escravos: Lutas jurídicas e abolicionismo na província de São Paulo.Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

BRASIL. Lei nº 2.040. de 28 de setembro de 1871. Declara de condição livre os filhos de mulher escrava que nascerem desde a data desta lei, libertos os escravos da Nação e outros, e providencia sobre a criação e tratamento daquelles filhos menores e sobre a libertação annaul de escravos [...]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim2040.htm. Acesso em: 03abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 4, de junho de 1835. Determina as penas com que devem ser punidos os escravos, que matarem, ferirem ou commetterem outra qualquer offensaphysica contra seus senhores, etc.; e estabelece regras para o processo.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM4.htm. Acesso em: 03abr. 2020.

CANARIO, Ezequiel David do Amaral. Por que eles se suicidam?: As representações sobre os suicídios de escravos no Recife oitocentista. In: CABRAL, Flavio José Gomes, COSTA, Robson (org.). História da Escravidão em Pernambuco. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

CASTILHO, Celso; COWLING, Camila. Bancando a Liberdade, Popularizando a Política: Abolicionismo e Fundos Locais de emancipação na década de 1880 no Brasil. Revista Afro-Ásia, Salvador, 47, 2013.

CARVALHO, Marcus J. M. de.. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822 – 1850. 2. ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma História das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: Ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CONRAD, Robert. Os Últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888. 2.ed.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

FALCI, Fernando de Brito. Ecos na casa-grande: o pensamento escravista nos últimos anos da escravidão. Dissertação de mestrado em História. Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, 2015.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do Saber. 7ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GRINBERG, Keila. Castigos Físicos e Legislação. In: SCHAWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Flávio dos Santos (org.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

GRINBERG, Keila: “Esse tráfico de nova espécie”: escravização ilegal e relações internacionais na fronteira sul do império do Brasil. In: MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo; SCHAWARCZ, Lilia Moritz (org.). Emancipação, Inclusão e Exclusão: Desafios do Passado e do Presente. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

LEVI, Geovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemont do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LUCA, Tania Regina de. Fontes Impressas. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. 2. ed.. São Paulo: Contexto, 2008.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Crime e Escravidão: Trabalho, Luta e Resistência nas lavouras paulistas (1830-1888). 2. ed.. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

SWEET, James H. Recriar África: Cultura, parentesco e religião no mundo Afro-Português (1441 – 1770). Lugar da História, 2007.

TOPLIN, R. B. Upheaval, Violence, andtheAbolitionofSlavery in Brazil: The Case of São Paulo. The Hispanic American HistoricalReview, Durham, v.49, n.4, nov. 1969.

VAINFAS, Ronaldo. Ideologia e escravidão: os letrados e a sociedade escravista no Brasil colonial. Petrópolis: Vozes, 1986.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.2.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291