O carnaval contra as “ideias subversivas” e “ideologias exóticas”: a invenção da Federação Carnavalesca Pernambucana na década de 1930

Lucas Victor Silva

Resumo


Este artigo tem o objetivo de discutir o aparecimento da Federação Carnavalesca Pernambucana enquanto instituição comprometida com o controle das manifestações carnavalescas durante os anos 1930. Para tanto, analisamos as representações registradas na imprensa (Diário de Pernambuco, Jornal Pequeno, Jornal do Recife, A Província, Jornal do Commércio e Diário da Manhã) e na documentação produzida pela própria entidade. O carnaval emerge como instrumento das tentativas de naturalização das hierarquias sociais e da demonstração da coesão nacional e da unidade do repertório cultural do país.


Palavras-chave


Carnaval; Federação Carnavalesca; Cultura popular

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Kátia Maria. Formação da Alma e do Caráter Nacional: Ensino de História na Era Vargas. In Revista Brasileira de História, vol.18, no.36, p.103-114, 1998.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: Fundaj; São Paulo: Cortez, 1999.

CERTEAU, Michel de. A cultura no Plural. 3. ed. Campinas: Papirus, 2003.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: A História entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2002.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. São Paulo: Vozes, 1978.

GOMES, Angela de Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

GOMES, Angela de Castro. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. Tempo, Rio de Janeiro , vol. 1, n°. 2, 1996, p. 31-58.

GOMINHO, Zélia. Veneza Americana X Mucambópolis: o Estado Novo na cidade do Recife (décadas de 30 e 40). Jaboatão dos Guararapes: Ed. do Autor, 2007.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. Campinas: Papirus: Unicamp, 1986.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Maracatus e Maracatuzeiros: desconstruindo certezas, batendo afayas e fazendo histórias. Recife, 1930-1945. Recife: Bagaço, 2008.

PANDOLFI, Dulce (Org.). Repensando o Estado Novo. São Paulo: FGV, 1998.

PÉCAUT, Daniel. Os Intelectuais e a Política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O imaginário moderno no Brasil. In: ______.;

HERSCHMANN, Micael M. (Org.). A invenção do Brasil moderno: medicina, educação e engenharia nos anos 20 – 30. Rio de Janeiro: Racco, 1994. p. 9 – 42.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro, Paz e terra, 1997.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: De Getúlio a Castelo. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

SOIHET, Rachel. A Subversão pelo riso: estudos sobre o Carnaval carioca da Belle Époque ao tempo de Vargas. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

VELOSO, Mônica Pimenta. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, 1987.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.2.al.06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas