A história dos governadores da capitania de Minas Gerais nas instruções de José João Teixeira Coelho

Luiz Francisco Albuquerque de Miranda, Natália Cristina Santos Ribeiro

Resumo


O artigo analisa a obra Instrução para o governo da capitania de Minas Gerais de José João Teixeira Coelho, Intendente do Ouro em Vila Rica entre 1768 e 1779. Confere-se especial atenção à história da ação dos governadores de Minas Gerais ao longo do século XVIII. Ao narrar as realizações dos governadores, o autor examina os conflitos de jurisdições e as ações arbitrárias dos representantes da coroa. Inserido no contexto das reformas pombalinas, o texto de Teixeira Coelho diagnostica os problemas do governo da capitania e propõe procedimentos legais e administrativos. É possível afirmar que sua obra estava afinada com a centralização política projetada por Pombal.


Palavras-chave


Teixeira Coelho, Administração colonial, Governadores de Minas Gerais, Reformas pombalinas

Texto completo:

PDF

Referências


BICALHO, M. F. e COSTA, André. O Conselho Ultramarino e a emergência do secretário de Estado na comunicação política entre Reino e conquistas. IN: FRAGOSO, J. e MONTEIRO, Nuno (org.). Um reino e suas repúblicas no Atlântico, Comunicações políticas em Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017, p. 137-158.

BICALHO, M. F. e COSTA, André. As tramas da política: conselhos, secretários e juntas na administração da monarquia portuguesa e de seus domínios ultramarinos. IN: FRAGOSO, J. e GOUVEIA M. F. (org.). Na trama das redes: políticas e negócios no Império português, séculos XVII-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 343-371.

COELHO, José João Teixeira. Instrução para o governo da capitania de Minas Gerais. Organização, transcrição documental e textos introdutórios de Caio Boschi; preparação de texto e notas Melânia da Silva Aguiar. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura, Arquivo Público Mineiro, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 2007.

COSENTINO, F., CUNHA, M., NUNES, A., RAMINELLI, R. Governadores reinóis e ultramarinos. IN: FRAGOSO, J. e MONTEIRO, Nuno (org.). Um reino e suas repúblicas no Atlântico, Comunicações políticas em Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017, p. 299-334.

FRAGOSO, J. e GOUVEIA M. F. Monarquia pluricontinental e repúblicas: algumas reflexões sobre América lusa nos séculos XVI-XVIII. IN: Tempo, n° 27, 2009. p. 36-50, 2009.GOUVÊA, Maria de Fátima. Redes governativas e centralidades régias no mundo português, 1680-1730. IN: FRAGOSO, J. e GOUVÊA, M. F (org). Na trama das redes. Política e negócios no Império português século XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 155-202.

HESPANHA, Antônio M. A concepção corporativa da sociedade e a historiografia sobre a Europa na Época Moderna. In: FRAGOSO, J. e GOUVÊA, M. F (org). Na trama das redes. Política e negócios no Império português século XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 43-93.

HESPANHA, Antônio M. Poder político e administração na formação do complexo atlântico português (1645-1808). In: BICALHO, FRAGOSO E GOUVÊA (orgs) O Antigo Regime nos trópicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p. 163-188.

HESPANHA, Antônio M. As vésperas do Leviathan. Instituições e poder político – Portugal, século XVII. Coimbra: Almedina, 1994.

KANTOR, Íris. Novas expressões da soberania portuguesa na América do Sul: impasses e repercussões do reformismo pombalino na segunda metade do século XVIII. IN: FRAGOSO, J. e GOUVÊA, M. de F. O Brasil colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, p.463-482.

KOSELLECK.R. Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio; 2006.

MAXWELL, Keenneth. Marques de Pombal: paradoxo do iluminismo. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

MONTEIRO, N. O Tempo de Pombal. IN: MONTEIRO, N. G.; RAMOS, R.; SOUZA, B. V. História de Portugal. Lisboa: Esfera dos Livros, 2009, p. 357-377. SUBTIL, José. Os desembargadores em Portugal. In: CARDIM, P.; CUNHA, M.; MONTEIRO, N. Optima pars. Elites ibero-americanas no Antigo Regime. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005, p. 253-275.

MONTESQUIEU, Charles Baron de, 1689- 1755. O espírito das Leis. Apresentação: Renato Janine Ribeiro. Tradução: Cristina Muracheo – São Paulo, 1996.

PEDREIRA, Jorge. A economia política do sistema colonial. In: FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. F. (orgs.). O Brasil colonial, 1720-1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, v. 3, p. 419-460.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Inventando a nação. Intelectuais ilustrados e estadistas luso-brasileiros na crise do Antigo Regime português (1750-1882). São Paulo: Hucitec, 2006.

SILVA, Vera Alice Cardoso. Lei e ordem nas Minas Gerais formas de adaptação e de transgressão na esfera fiscal, 1700-1733. Varia História, Belo Horizonte, vol. 24, nº 40: p.675-688, jul/dez 2008.

SOUZA, Laura de Mello e. O sol e a sombra. Política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SUBTIL, José. Pombal e o rei: valimento ou governamentalização? In: Ler História, n° 60, p. 53-69, 2011.

SUBTIL, José. Os desembargadores em Portugal. In: CARDIM, P.; CUNHA, M.; MONTEIRO, N. Optima pars. Elites ibero-americanas no Antigo Regime. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005, p. 253-275.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2021.39.1.20

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291