A política de mão de obra no império brasileiro: da conturbada unificação à precarização do trabalho livre

Leandro Neves Diniz

Resumo


A instabilidade política que se abateu sobre o Brasil imperial a partir da abdicação do imperador D. Pedro I em 1831 ocasionou uma série de revoltas e conflitos por todo país. Em todas as camadas sociais se refletiu um estado de tensão e a possibilidade de fragmentação do território nacional no período regencial tornava-se real. Nesta direção, este artigo objetiva analisar como a solidificação do arranjo político institucional posterior a esse período de instabilidades esteve imbricada ao problema central do tráfico internacional de escravos e como isso reverberou na política de mão de obra do Império. Demonstraremos também como a população de livres e pobres imersos nessa sociedade escravista esteve em segundo plano quanto à política de mão de obra, preteridos inicialmente pelo tráfico interprovincial de cativos e posteriormente pela imigração estrangeira. Esse cenário contribuiu na precarização do trabalho livre no Brasil da segunda metade do século XIX.

Palavras-chave


Governo imperial; Livres e pobres; Sociedade escravista; Trabalho livre.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei de Terras de 18 de setembro de 1850. In: Coleção das Leis do Império do Brasil – 1850, v. 1., p. 307.

CARVALHO, José Murilo de. As marcas do período. In: CARVALHO, José Murilo de. A construção nacional 1830-1889. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012, v. 2.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política. Teatro de sombras: a política imperial. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CASTRO, Hebe Maria Mattos de. Ao sul da história: lavradores pobres na crise do trabalho escravo. Rio de Janeiro: Editora FGV, Faperj, 2009.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. 1°ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. População e sociedade. In: CARVALHO, José Murilo de. A construção nacional 1830-1889. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012, v. 2.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822-1850. 2° ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

CARVALHO, Marcus J. M. de. O desembarque nas praias: o funcionamento do tráfico de escravos depois de 1831. Revista de história, São Paulo, n° 167, 2012.

CHRISTILLINO, Cristiano Luís. Litígios ao sul do Império: a lei de terras e a consolidação política da Coroa (1850-1880). Tese (Doutorado em História) – PPGH/UFF, Niterói – RJ, 2010.

CHRISTILLINO, Cristiano Luís. A zona da mata pernambucana e a serra gaúcha: apontamentos sobre a estrutura em meados do XIX. CLIO – Revista de pesquisa histórica n. 30.2

EISENBERG, Peter L. Modernização sem mudança: a indústria do açucareira em Pernambuco, 1840-1910. Editora Paz e Terra; Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 1977.

EISENBERG, Peter L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – séc. XVIII e XIX. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

FRAGA. Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910). 2°ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4ª ed. São Paulo: Fundação Editorial da UNESP, 1997.

GALLIZA, Diana Soares de. O declínio da escravidão na Paraíba 1850-1888. João Pessoa, Editora universitária/UFPB, 1979.

LANNA, Ana Lúcia Duarte. A transformação do trabalho: a passagem para o trabalho livre na Zona da Mata Mineira, 1870-1920. 2°ed. Campinas, Editora da UNICAMP, 1989.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. 1° ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. 9° ed. São Paulo: Contexto, 2010.

MATTOS. Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do estado imperial. Editora Hucitec: São Paulo, 1990.

MATTOS, Marcelo Badaró. Experiências comuns: escravizados e livres no processo de formação da classe trabalhadora no Brasil. In.: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História, 2017.

MELO, Josemir Camilo. Escravos e moradores na transição para o trabalho assalariado em ferrovias em Pernambuco. Editora Saeculum – Revista de História, n. 25. João Pessoa, 2011.

MELLO, Evaldo Cabral. O norte agrário e o Império, 1871-1889. 2°Ed, Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

MOURA, Denise Aparecida Soares de. Saindo das sombras: homens livres no declínio do escravismo. Editora UNICAMP, Campinas, 1998.

SCHELBAUER, Analete Regina. Os congressos agrícolas de 1878 e o debate sobre a educação do povo no Brasil. In: FÓRUM SUL DE COORDENADORES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - ANPED. Anais do II Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Curitiba-PR: Imprensa Universitária-UFPR, 1999.

VIANNA, Marly de Almeida Gomes. O município de Campina Grande 1840-1905: estrutura de distribuição de terras, economia e sociedade. Editora EDUFCG: Campina Grande, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas