Até onde mandam os delegados: limites e possibilidades do poder dos Presidentes de Província no Grão-Pará e Amazonas (1849 – 1856)

Paulo de Oliveira Nascimento

Resumo


A construção da Ordem no Brasil envolveu uma série de ações que incluíram tanto a criação de cargos públicos quanto a composição de novas unidades político-administrativas. Objetivamos, neste texto, analisar a atuação dos Presidentes das Província no exercício do cargo, enquanto “delegados” do Imperador nos confins da Amazônia. A partir da análise de um caso específico, a Missão do Andirá e os conflitos entre o missionário Frei Pedro de Ceriana e autoridades locais, procuramos contribuir com o entendimento dos limites e possibilidades dos poderes dos chefes do Executivo provincial na operacionalização do projeto geopolítico do Império na região.


Palavras-chave


Presidência provincial, Missão Andirá, Pedro de Ceriana

Texto completo:

PDF

Referências


BORRALHO, José Henrique de Paula. Um Pantheon Equinocial: a construção biográfica de maranhenses e a formação do império brasileiro. In: XXV Simpósio Nacional de História – ANPUH, Fortaleza - CE, 2009. Anais do XXV Simpósio Nacional de História – ANPUH. Fortaleza – CE: ANPUH, 2009, pp. 1-9.

BRAGA, Bruno Miranda. OS ÍNDIOS, A CATEQUESE E A CIVILIZAÇÃO NO AMAZONAS (1845 – 1898): entre o fracasso e a resistência. Revista Muiraquitã - UFAC, v. 4, n. 1, pp. 39-47. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2019.

BRASIL. Coleção das Leis do Império do Brasil. Decreto n. 373, de 30 de julho de 1844. Disponível em:. Acesso em: 27 abr. 2020.

BRASIL. Senado Federal. Fausto Augusto de Aguiar. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/senadores/senador/-/perfil/1625. Acesso em: 11.12.2019.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro das sombras: a política imperial. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

DAOU, Ana Maria. Instrumentos e sinais da civilização: origem, formação e consagração da elite amazonense. História, Ciência, Saúde. Manguinhos, vol. VI (suplemento), 867-888, setembro, 2000. Disponível em:. Acesso em: 12 fev. 2019.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, 2005.

GALVÃO, Miguel Archanjo. Relação dos cidadãos que tomaram parte no governo do Brasil no período de março de 1808 a 15 de novembro de 1889. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1894.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e Política no Brasil do Século XIX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1997.

HENRIQUE, Márcio Couto. Sem Vieira nem Pombal: índios na Amazônia no século XIX. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Barreirinha – AM [s/d]. Disponível em:. Acesso em: 29 abr. 2020.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2009.

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Jerônimo Francisco Coelho. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

MENEZES, Maria Lucia Pires. Trabalho e território: as missões católicas no interior do Estado do Amazonas – Brasil. Scripta Nova, Barcelona: Universidad de Barcelona, v. VI, n. 119, p. 1-11, 2002.

NASCIMENTO, Paulo de Oliveira. “SUCCINTAS OBSERVAÇÕES SOBRE O ESTADO DESTA TAÕ EXTENSA E ABUNDANTE E EXTREMA PARTE DO VASTO IMPERIO DO BRAZIL”: a Província do Amazonas nas palavras de Tenreiro Aranha, 1852. In: 30º SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 2019, Recife – PE. Anais do 30º Simpósio Nacional de História – ANPUH. Recife: Editora da UFPE, 2019a, p. 1-14.

NASCIMENTO, Paulo de Oliveira. CULTIVAR, POVOAR, CIVILIZAR: os limites e as possibilidades do uso da terra na Província do Amazonas segundo Tenreiro Aranha, 1852. Revista Tempos Históricos, vol. 23, p. 23-45, 2019b.

NEVES, Fernando Arthur de Freitas. Entre católicos e protestantes, as religiosidades na Amazônia oitocentista, 1850-1888. In: II Simpósio Internacional da ABHR, Florianópolis – SC, 2016. Anais do II Simpósio Internacional da ABHR. Florianópolis: UFSC, 2016, p. 1-23.

RESENDE, Tadeu Valdir Freitas de. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição das fronteiras. Tese (Doutorado em História Econômica) – Departamento de História Econômica, Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 2006.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Escravidão e Liberdade na Amazônia: notas de pesquisa sobre o mundo do trabalho indígena e africano. In: 3º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Florianópolis – SC, 2007. Anais do 3º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, Florianópolis: UFSC, 2007, pp. 1-12.

SANTOS, Bernardo Farias dos. ARQUIVO PÚBLICO DO AMAZONAS: uma trajetória de memórias, esquecimentos e descasos (1852 – 1999). Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal do Amazonas – UFAM. Manaus – AM, 2016.

SENA, Ernesto Cerveira. A Província de Mato Grosso em contato com a Corte. In: MONTENEGRO, Antônio Torres et al. História: Cultura e Sentimento – Outras histórias do Brasil. Recife: Ed. Universitária da UFPE; Cuiabá: Ed. da UFMT, 2008, pp. 189-220.

SLEMIAN, Andréa. “Delegados do chefe da nação”: a função dos presidentes de província na formação do Império do Brasil (1823 – 1834). Almanack braziliense, n. 6, p. 20-38, nov./2007. Disponível em:. Acesso em: 19 jan. 2020.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2021.39.1.07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291