“O tempo da província”: revisão bibliográfica crítica da política imperial no Brasil oitocentista

Kelly Eleutério Machado Oliveira

Resumo


Em 1958, Francisco Iglésias afirmou que era preciso “incorporar a província à História”. Para ele, a historiografia brasileira havia privilegiado “os primeiros tempos” da História do Brasil, o período colonial. O objetivo da crítica era justificar a novidade e a relevância da sua tese de livre docência: Política Econômica do Governo Provincial mineiro. Partindo do estudo de Minas Gerais, Iglésias elucidou a política imperial brasileira oitocentista. Deixou herdeiros. O objetivo deste artigo é discutir como a historiografia incorporou a província e as Assembleias provinciais ao debate sobre a construção do Estado nacional. Para isso, retomamos algumas discussões no século XIX, pois elas concertaram distintas perspectivas historiográficas.


Palavras-chave


Província, Política imperial no Brasil oitocentista, Estado nacional brasileiro, Perspectivas historiográficas

Texto completo:

PDF

Referências


AGÜERO, Alejandro. Provincias o Estado. El concepto de provincia y el primer constitucionalismo provincial rio-platense. Revista de Historia Americana y Argentina. Mendoza, v.54, p. 137-175, 2019.

ANCHIETA, Joseph. A província do Brasil. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 1585. Microfilme: F7468.

ARAUJO, Valdei Lopes de e SILVA, Weder Ferreira da. Fragmentos de um periódico perdido: a sentinela do Serro e o sentido da republicanização (1830-1832). Varia História: Belo Horizonte, v. 27, n. 45, p.75-95, 2011.

ARMENTEROS, Juan C. Gay. El recurso a la administracíon por los reformistas autoritarios en los Orígenes de la España liberal: Javier de Burgos. Anales de Historia Contemporánea, Madrid, n. 20, p.65-93, 2004.

BASILE, Marcello. Deputados da Regência: perfil sócio profissional, trajetórias e tendências políticas. In: CARVALHO, José Murilo; CAMPOS, Adriana Pereira (Org.). Perspectivas da cidadania no Brasil Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p. 87-121.

BASILE, Marcello. Regência e Imprensa: percursos historiográficos. Almanack Guarulhos, n. 20, p. 1-9, 2018.

BASTOS, Tavares. A Província: estudo sobre a descentralização no Brasil. Rio de Janeiro: B.L. Garnier, 1870.

BERBEL, Márcia; FERREIRA, Paula Botafogo C. Soberanias em questão: apropriações portuguesas sobre um debate iniciado em Cádis. In: BERBEL, Márcia; OLIVEIRA, Cecília Helena de Salles (Orgs). A experiência constitucional de Cádis. Espanha, Portugal e Brasil. São Paulo: Alameda, 2012. p. 169-199.

BERNARDES, Denis Antônio de Mendonça. O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: Hucitec, 2006.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário português e latino, vol.2. Coimbra: no Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728.

BUENO, Dr. José Antônio de Pimenta. Direito Público brasileiro e análise da Constituição do Império. Rio de Janeiro: Typografia Imp. e Const. de J. Villeneuve E.C. Rua do Ouvidor, n.65, 1857.

CAMPOS, Adriana Pereira e MOTTA, Kátia Sausen da. José Marcellino Pereira de Vasconcellos: um self-made-man capixaba. In: NASCIMENTO, Bruno César e OLIVEIRA, Ueber José de (Orgs.). Os pensadores do Espírito Santo. Vitória: Editora Multifontes, 2019, p.213-252.

CAMPOS, Adriana Pereira, RIBEIRO, Geisa Lourenço, SIQUEIRA, Karulliny Silverol e MOTTA, Kátia Sausen da (Orgs.). Entre as províncias e a nação: os diversos significados da política no Brasil do oitocentos. Vitória: Editora Multifontes, 2019.

CARVALHO, José Murilo. (Org.). Paulino José Soares de Sousa. Visconde do Uruguai. Coleção Formadores do Brasil. São Paulo: Editora 34, 2002.

CARVALHO, José Murilo (Org.). A construção da ordem/Teatro de sombras. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2008.

CASTRO, Paulo Pereira de. A “experiência republicana”, 1831-1840. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). O Brasil Monárquico. Dispersão e unidade. Vol.2, 4ªed. Rio de Janeiro: Difel, 1978, p. 9-67.

CATROGA, Fernando. A geografia dos afectos pátrios: as reformas político-administrativas (séc. XIX-XX). Coimbra: Almedina, 2013.

CIRINO, Raissa Gabrielle Vieira. “Vigiar a ordem pública em conformidade das leis”: trabalhos do Conselho de Presidência do Maranhão nos primeiros anos do Brasil Império (1825- 1829). Revista Outros Tempos, v.1, n.27, p.116-140, 2019.

COSER, Ivo. Visconde do Uruguai: centralização e federalismo no Brasil, 1823-1866. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

COSER, Ivo. O debate entre centralizadores e federalistas no século XIX: a trama dos conceitos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, n. 76, p. 191-206, 2011.

DOLHNIKOFF, Miriam. Elites regionais e a construção do Estado nacional. In: JANCSÓ, István (Org.). Brasil: formação do Estado e da Nação. São Paulo: Editora Hucitec, 2003, p. 431-468.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, 2005.

FERNANDES, Renata Silva. O governo das províncias do Império do Brasil: os Conselhos de Governo e os Conselhos Gerais de província nos debates parlamentares (1823-1834). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014. 271p.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. Provincia y Nación en el discurso político del primer liberalismo. Una aproximación desde la historia conceptual. In: FORCADELL, Carlos; ROMEO, Maria Cruz (Orgs.). Provincia y nación. Los territorios del liberalismo. Zaragoza: Institución «Fernando el Católico», 2006, p. 11-47.

FERREIRA, Gabriela Nunes. Centralização e descentralização do Império. O debate entre Tavares Bastos e visconde de Uruguai. São Paulo: Editora 34, 1999.

GENOVEZ, Patrícia Falco. O espelho da Monarquia: a Corte e a elite de Minas Gerais no Segundo Reinado. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2003. 499p.

GOUVÊA, Maria de Fátima. Províncias. In: VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

GOUVÊA, Maria de Fátima. O Império das Províncias: Rio de Janeiro, 1822-1889. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. A herança colonial – sua desagregação. In: HOLANDA, Sérgio Buarque (Org.). O Brasil Monárquico. O processo de emancipação. Tomo II, v.1. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, p. 13-47.

IGLÉSIAS, Francisco. Política Econômica do Governo Provincial mineiro (1835-1889). Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1958.

IGLÉSIAS, Francisco. Minas Gerais. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). O Brasil Monárquico. Dispersão e unidade. Tomo II, v.2. Rio de Janeiro: Difel, 1978, p. 364-412.

KUGELMAS, Eduardo (Org.). José Antônio de Pimenta Bueno. Marquês de São Vicente. Coleção Formadores do Brasil. São Paulo: Editora 34, 2002.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de “regresso” no debate parlamentar brasileiro (1838-1840). Almanack. Guarulhos, n.10, p.314-334, 2015.

MACHADO, André Arruda. Para além das fronteiras do Grão-Pará: o peso das relações entre as províncias no xadrez da independência (1822-1825). Outros Tempos. Maranhão, v.12, n.20, p.1-28, 2015.

MARSON, Izabel Andrade. O império da revolução: matrizes interpretativas dos conflitos da sociedade monárquica. In: Marcos Cezar de Freitas (org.), Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998, p.73-101.

MARTINS, Maria Fernanda Vieira. A velha arte de governar: um estudo sobre política e elites a partir do Conselho de Estado (1842-1889). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. Construtores e Herdeiros: a trama dos interesses da construção da unidade política. Almanack Braziliense, São Paulo, 8-26, 2005.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Norte Agrário e o Império. 1871-1889. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra Independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824. São Paulo: Editora 34, 2004.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Monarquia, poderes locais e corpos intermédios no Portugal moderno (séculos XVII e XVIII). In: Centralização e descentralização na Península Ibérica. Actas do IV Curso Internacional de Verão. Cascais: Câmara Municipal de Cascais, 1998. p. 113-123.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Mouzinho da Silveira and the Political Culture of Portuguese Liberalism, 18201832. History of European Ideas, Lisboa, p. 1-10, 2014.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Regiões e Império: Vieira na América portuguesa na segunda metade dos seiscentos. In: CARDIM, Pedro e SABATINI, Gaetano (Orgs.). Antônio Vieira, Roma e o universalismo das monarquias portuguesa e espanhola. Lisboa: CHAM, 2011, p.181-200.

OLIVEIRA, Carlos Eduardo França de. Construtores do Império, defensores das províncias: São Paulo e Minas Gerais na formação do Estado nacional e dos poderes locais, 1823-1834. 2014. 416f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

OLIVEIRA, Kelly Eleutério M. A Assembleia Legislativa de Minas Gerais e a formação do Estado Nacional brasileiro (1835-1845). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2018. 318p.

OLIVEIRA, Kelly Eleutério M. As províncias do Império: a Assembleia Legislativa de Minas Gerais e o Regresso Conservador (1835-1842). Revista Outros Tempos. Maranhão. v.16, n.27, p. 186-207, 2019.

O PROVINCIANO. n.1. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 1836. p. 1.

OTONI, Teófilo Benedito. Circular dedicada aos senhores eleitores de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Typografia do Correio Mercantil, 1860.

ORDUÑA REBOLLO, Enrique. Diputaciones provinciales, jefes políticos e intendentes en los orígenes del constitucionalismo. In: Municipios y provincias. Historia de la organización territorial Española. Madrid: Centro de estúdios políticos y constitucionales, 2003. p. 319-338.

OZOUF, Mona. Département. In: FURET, François; OZOUF, Mona (Orgs). Dictionnaire critique de là Révolution Française. Paris: Flammarion, 1988, p. 563-572.

RAYNAL, Section II, Administration der Bresil, troupes etc, 1780.

ROCHA, Justiniano José da. Ação, reação e transação: duas palavras acerca da atualidade. In: Três panfletários do Segundo Reinado. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1956, p. 161-216.

SANTOS, Jerlyane Dayse Monteiro dos. Da província à corte: deputados paraibanos e a formação do estado nacional (1831-1840). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014. 152p.

SILVA, Ana Rosa Cloclet. Império, província e periferia. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo horizonte, ano 50, n. 2, p.34-51, 2014.

SILVA, Antônio Moraes. Diccionario da lingua portugueza (1789) - recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antônio de Moraes e Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813.

SLEMIAN, Andréa. Delegados do chefe da nação: a função dos presidentes de província na formação do Império do Brasil (1823-1834). Almanack Braziliense, São Paulo, n. 6, p. 20-38, 2007.

SLEMIAN, Andréa. Pelos “negócios da província”: apontamentos sobre o governo e administração no Império do Brasil (1822-1834). Revista Outros Tempos. Maranhão, v.16. n. 27, p. 252-275, 2019.

URUGUAI, Visconde. Estudos práticos sobre a administração das províncias no Brasil. Rio de Janeiro: B.L. Garnier. Typrografia Nacional, 1865.

VASCONCELLOS, José Marcelino. Pereira. As Assembleias provinciais ou coleções completas das leis, decretos, avisos, ordens e consultas que se tem expedido acerca das atribuições e atos de tais corporações; seguida de um trabalho em ordem alfabética feito por ordem do governo pelo Sr. Conselheiro Senador Francisco Octaviano de Almeida Rosa. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert. Rua do Ouvidor, n. 68. 1869.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.2.15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas