Contornos políticos em torno dos processos cíveis de liberdade na zona da mata pernambucana (1860-1870)

Raphaela Ferreira Gonçalves

Resumo


nesse artigo analisaremos o processo cível de autoria dos irmãos pardos Antônio e Bellarmino, que chegou ao Tribunal da Relação de Pernambuco no ano de 1865 a partir da denúncia feita por Florinda, mãe dos autores. O objetivo é atrelar o referencial de agenciamento desses indivíduos a partir desse documento, a princípio singular, e expor como este se inseriu em um processo histórico mais amplo, que moldou a resistência escrava na Zona da Mata de Pernambuco. O que vinculamos a contornos políticos e sociais e não só a expectativas pessoais.

Palavras-chave


Escravidão em Pernambuco, Processo civil de liberdade, Tribunal da Relação de Pernambuco, Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


ARIZA, Marilia B. A. Mães libertas, filhos escravos: desafios femininos nas últimas décadas da escravidão em São Paulo. Revista Brasileira de História 38 (79), 151-171, 2018.

AZEVEDO, Elciene. O direito dos escravos: lutas jurídicas e abolicionismo em São Paulo. Campinas, Editora da UNICAMP, 2010.

BORGES, Breno Albuquerque B. Patrimônio ferroviário e autenticidade: avaliação do Conjunto Ferroviário de Caruaru / Breno Albuquerque B. Borges. – Recife: O Autor, 2014.

CARVALHO, Marcus J. M. de. A Mata Atlântica: sertões de Pernambuco e Alagoas, sécs. XVII-XIX. Clio. Revista de Pesquisa Histórica. Recife: UFPE, n. 25-22.

CARVALHO, Marcus J. M. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo – Recife, 1822-1850, Recife: UFPE, 1998.

COSTA, Robson Pedrosa. Rufina: uma escrava senhora de escravos em Pernambuco, 1853-1862. Revista brasileira de história (impresso), v. 38, p. 109-130, 2018.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHALHOUB, Sidney; SILVA, F.T. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. In: Cadernos AEL, Campinas, UNICAMP, v.14, n.26, 1º semestre 2009.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

COWLING, Camillia, Concebendo a liberdade: mulheres de cor, gênero e a abolição da escravidão nas cidades de Havana e Rio de Janeiro. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

DAVIS, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001.

EISENBERG, Peter. Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco (1840-1910). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1940.

FREIRE. Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 1.ª ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1975.

GALLOTTI, Beatriz Mamigonian. A liberdade no Brasil oitocentista. Afro-Ásia, núm. 48, 2013, pp. 395-405. Universidade Federal da Bahia. Bahia, Brasil.

GASPAR, Lúcia. Usina Barão de Suassuna. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: . Acesso em: 3 dez 2019.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia. das Letras, 198.

GRINBERG, Keila. Liberata: a lei da ambiguidade – as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro, RelumeDumará, 1994.

GRINBERG, Keila. O fiador dos brasileiros: cidadania, escravidão e direito civil nos tempo de Antonio Pereira Rebouças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRINBERG, Keila. Reescravização, Direitos e Justiças no Brasil do Século XIX. In: Direitos e justiças no Brasil: ensaios de história social. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006, p.101-128.

LARA, Silvia Hunold. Legislação sobre escravos africanos na América Portuguesa. Madrid: Fundación Histórica Tavera, 2000.

LEVI, Giovanni. A Herança Imaterial: trajetória de um exorcista no Piemnote do século XVII. RJ: Civilização Brasileira, 2000.

LIMA, Luciano. Cativos da Rainha da Borborema: uma história social da escravidão em Campina Grande-século XIX. 2008.

LIMA, Tatiana Silva de. Os nós que alforriam: relações sociais na construção da liberdade, Recife, décadas de 1840 e 1850. Recife, 2004. Dissertação. (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Programa de Pós-Graduação em História, Recife, 2004. 220f.

MAC CORD, Marcelo. Direitos trabalhistas em construção: as lutas pela jornada de oito horas em Pernambuco, 1890-1891. Tempo [online]. 2016, vol.22, n.39, pp.175-195.

MACHADO, Cacilda. A trama das vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social (São José dos Pinhais - PR, passagem do XVIII para o XIX). 2006. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MALHEIRO, Agostinho Marques Perdigão. A escravidão no Brasil – Ensaio histórico jurídico-social. vol. I. Digitalização da edição em papel de 1866, Rio de Janeiro, Typografia Nacional, Rua da Guarda Velha. eBooks Brasil. p. 42. Disponível em < http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/ malheiros1.pdf>. Acesso em 08 maio 2019.

OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. As colônias militares na consolidação do Estrado nacional, 1850-1870. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011.

PAES, Mariana Armond Dias. O tratamento jurídico dos escravos nas Ordenações Manuelinas e Filipinas. Anais do V Congresso Brasileiro de História do Direito. Curitiba: IBHD, 2013.

PARRON, Tamis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865 – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PENA, Eduardo Spiller.Pajens da Casa Imperial: jurisconsultos, escravidão e a Lei de 1871. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

SCOTT, Rebecca J.; HÉBRARD, Jean M. Provas de liberdade: uma odisseia atlântica na era da emancipação. Trad. Vera Joscelyne. Campinas: Ed. Unicamp, 2014.

THOMPSON, E. P. Senhores e Caçadores. A origem da lei negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2021.39.1.10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291